28 fevereiro 2010

Dilma avança, Serra cai...




As placas se movem: Dilma já empata com Serra

Rodrigo Vianna escreve:

O Mundo e a América Latina, em especial, se entristecem com as notícias sobre mais um terremoto arrasador - dessa vez no Chile.

Passei o sábado numa reunião, para criar uma associação de empresários e empreendedores de comunicação de linha progressista. Dentro da sala, num hotel paulistano, vez por outra aparecia alguém com mais notícias tristes sobre o terremoto. Tecnicamente, já sabemos o que se passou: placas tectônicas se chocaram, bem perto da costa chilena, o que pode provocar também tsunamis em todo o Pacífico.

No fim da tarde, outras placas se moveram - mas dessa vez na política brasileira. Na sala onde eu estava, chegaram os números da nova pesquisa DataFolha: Dilma colou em Serra.

A "FolhaOnline", até tarde da noite, ainda escondia os detalhes da pesquisa. A idéia é forçar o povo a comprar o jornal. Ok. Gastei meus 4 reais. E tenho aqui o diário impresso.

Os números são avassaladores.

No cenário mais provável, a situação é a seguinte: Serra 32% (contra 37% em dezembro), Dilma 28% (23% em dezembro), Ciro 12% (13% em dezembro) e Marina 8% (tinha os mesmos 8% em dezembro).

A manchete do jornal destaca esse quadro: "Dilma cresce e já encosta em Serra".

Ok. Está correto.

Mas, quando digo que os números são avasaladores, refiro-me a outras variáveis. Vejamos...

1) Rejeição - Serra é agora o mais rejeitado: 25% não votariam nele de jeito nenhum, contra 19% em dezembro.

2) Voto espontâneo - Dilma está em primeiro lugar, com 10%; com os mesmos 10% aparece... Lula! Serra é apenas o terceiro, com 7%; em quarto aparece o "candidato de Lula", com 4%, em quinto está Aécio, com 1%.

Reparem que a soma de Lula/Dilma/"candidato de Lula" alcança 24%, contra 8% de Serra/Aécio.

3) Transferência de Voto - 42% dizem que votariam num candidato apoiado por Lula; 26% dizem que "talvez" votariam em quem Lula indicar; e só 22% afirmam que "não" votariam no candidato de Lula.

4) Conhecimento do candidato - Serra é conhecido por 96%, Dilma é conhecida por 86%.

Resumo da ópera: há uma avenida aberta para que Dilma siga a crescer.

À medida que ela se torne mais conhecida, a tendência é que a intenção de voto em Dilma se aproxime dos 42% - que é o total de eleitores inclinados a escolher um candidato indicado por Lula.

A "Folha" escolheu não brigar com os números. Com uma exceção: o jornal diz que "é impreciso dizer que o levantamento indica um empate estatístico". Êpa. Aí, não. Estamos, sim, diante de um "empate técnico", no limite da margem de erro.

Mas isso é detalhe. O que importa é a tendência, anotada também na simulação de segundo turno: a diferença entre Serra e Dilma desapareceu: Serra tem 45%, Dilma tem 41%. Em dezembro, a vantagem de Serra era de 15 pontos. Agora, evaporou.

Diante disso, a colunista Eliane Cantanhêde parece desesperada. Na página 2 do jornal, ela escreve o texto "Ou vai ou Racha", com destaque para a seguinte pérola: "a eleição atingiu o ponto ideal para a definição de Aécio Neves: sempre se soube, mas nunca tinha ficado tão evidente o quanto sua candidatura a vice é fundamental para a oposição".

"Ponto ideal" pra quem, cara pálida? Cantanhêde quer empurrar Aécio pro fogo. Quer que ele perca agarrado a Serra.

Vamos raciocinar friamente. Se Aécio aceitar ser vice, e Serra perder (o que parece provável, dado que a soma dos votos espontâneos nos dois fica em um terço do total de votos espontâneos para Dilma+Lula+candidato do PT), o mineiro perde junto. Se Aécio aceitar a vice, e Serra ganhar, Aécio vira sócio minoritário da vitória.

Os jornalistas serristas, depois de espalhar por aí que Aécio bate na namorada e tem hábitos pouco ortodoxos, agora querem a ajuda do mineiro para salvar Serra.

É ruim, hem!

Do jeito que a coisa vai, estaremos em breve diante do seguinte quadro: Serra segue até o fim, em queda, e aí parte para o desespero, recorrendo a dossiês e ao esgoto jornalístico contra Dilma; ou Serra desiste antes de abril, e estaremos diante da situação inimaginável de ver os tucanos implorando a FHC para concorrer, em nome da sobrevivência do partido.

Quanto a Dilma, devo lembrar como bom corinthiano, o ideal é escapulir do salto alto. A pior besteira do mundo seria acreditar no já-ganhou. Corinthianos costumam pensar assim: quando tudo parece ir bem, é sinal de que algo errado pode acontecer em breve.

Mas falando sério: Dilma precisa lembrar que a elite (incluindo boa parte da classe média urbana) segue contra ela. Especialmente no Sul e Sudeste. Os mais escolarizados apóiam Serra - isso também aparece na pesquisa.

A mídia detesta Dilma (apesar dos sinais de que Globo e Lula parecem ter conversado nas últimas semanas, em busca de uma trégua - volto a isso em outro texto...).

Jornalistas do esgoto desesperados. Demos desesperados. Tucanos desarvorados. Essa gente toda somada é capaz de muita sujeira até a eleição.

Dilma que se prepare. Com ou sem acordo com a Globo, muito chumbo virá.

P.S.: escrevi aqui, em texto anterior, que a pesquisa DataFolha incluía outras perguntas - entre elas uma sobre a influência do "Bolsa-Família" na escolha eleitoral - http://www.rodrigovianna.com.br/plenos-poderes/especialista-em-serra-datafolha-esta-em-campo. Esses números não apareceram na "Folha" deste domingo; o jornal pode ter guardado pra mais tarde, ou repassado os resultados só "a quem interessar possa". A conferir...

*Fonte: Blog Escrevinhador - http://rodrigovianna.com.br/

25 fevereiro 2010

Preocupações Demo-tucanas






Tempos difíceis para a oposição

*Por Luiz Antonio Magalhães

Notícias nos portais dão conta da preocupação do governador José Serra (PSDB) com a situação de seu aliado Gilberto Kassab (DEM), prefeito de São Paulo. Serra não estaria exatamente preocupado com a possibilidade de cassação de Kassab, mas com os efeitos para a sua própria imagem no cenário pré-eleitoral, uma vez que o grande avalista de Kassab foi ele mesmo, José Serra.

Está correta a preocupação do governador. Olhando friamente o cenário, o DEM vai entrar na campanha eleitoral com um passivo de imagem enorme, tanto pelo episódio envolvendo José Roberto Arruda, único governador do partido, e os mensaleiros democratas, como também pela rápida e violenta queda na popularidade de Gilberto Kassab em São Paulo, antes mesmo do episódio da cassação.

A situação periclitante do DEM, principal aliado do PSDB, pode levar à formação de uma chapa em que os democratas apenas apóiem o tucanato, sem, no entanto, indicar o vice, mesmo que Aécio Neves decline da vaga de vice na chapa. Serra teria como companheiro alguém do PPS ou até do próprio PSDB, mas não um democrata, para não "sujar" a chapa.

O problema todo é que a imagem de alinhamento do PSDB com o DEM é muito forte e provavelmente será explorada na propaganda eleitoral de Dilma Rousssef ou de Ciro Gomes, se ele de fato concorrer à presidência da República, e não ao governo de São Paulo. Assim, a chance de Serra (ou qualquer outro candidato do PSDB) ser afetado pelos problemas do DEM é bastante alta.

Corretamente, Serra tem tentado se preservar no noticiário, deixando de falar sobre temas políticos para não expor as fragilidades. Em um mês, porém, se ele de fato se decidir pela presidência, terá largado o governo do estado e estará na rua, sem fazer campanha oficialmente, porque ainda será proibido, mas trabalhando no convencimento dos eleitores. Este colunista está muito curioso para saber qual vai ser a estratégia do PSDB desta vez. A questão "moral" não pegou em 2006 e em 2002 ninguém defendeu o governo do partido e o legado de Fernando Henrique Cardoso.

Alguns colunistas têm escrito sobre Serra adotar a postura de "pós-Lula", tal e qual Aécio vinha propondo, mas é difícil imaginar um "Serrinha paz e amor" desfilando na avenida sem responder à "desconstrução" de sua imagem, que certamente será feita pelo PT ou PSB.

A falta de discurso é muito mais grave para a oposição, na humilde opinião deste colunista, do que propriamente a ausência de Serra no cenário neste momento, como acreditam alguns tucanos mais ansiosos. Em uma campanha, é preciso ter bem claro o que se vai dizer, qual é a mensagem. E isto parece estar fora de discussão no PSDB...

*Luiz Antonio Magalhães é jornalista e Editor Executivo do Observatório da Imprensa.

Fonte: Correio da Cidadania - http://www.correiocidadania.com.br

Foto: Serra (SP) e Arruda (DF)

PT/Porto Alegre












PT promove Mês de Luta pela Saúde em Porto Alegre

Em café da manhã nos altos do Mercado Público, promovido pela Bancada dos Vereadores do Partido dos Trabalhadores e PT Municipal, na manhã desta terça-feira, dia 23 de fevereiro, foi lançado um movimento que institui março como o mês de luta pela saúde em Porto Alegre. Jornalistas da mídia alternativa, como jornais de bairro, mídia segmentada e blogueiros foram convidados a participar de um primeiro encontro este ano que, de acordo com Adeli Sell (foto), presidente do PT Municipal, deve se tornar uma atividade habitual para que os vereadores possam prestar contas de suas atividades e relatar ações institucionais que, por vezes, não chegam ao conhecimento da população. Neste caso, é a Saúde o tema que preocupa os vereadores do PT.

O vereador Engenheiro Comassetto, líder da Bancada do PT na Câmara, apresentou um documento resumido que relata os passos do assalto à saúde de Porto Alegre, que tiveram início, em 2007, com o convênio firmado entre a prefeitura e o Instituto Sollus para gerenciar o Programa de Saúde da Família, indo até o dia 7 de janeiro deste ano, quando a Polícia Federal denunciou a Secretaria Municipal de Saúde e o Instituto Sollus por um rombo nos cofres públicos de mais de 9,6 milhões de reais.

A bancada do PT na Câmara, juntamente com os movimentos sociais da área da saúde, há muito vem alertando para a irresponsabilidade de contratar uma empresa que não apresentava a necessária idoneidade, bem como a forma irregular como esta contratação foi feita, sem licitação nem consulta ao Conselho Municipal de Saúde ou às entidades de Trabalhadores da Saúde. Um dossiê com todos os dados vem sendo reunido com o objetivo de abrir uma sindicância que esclareça todos os pontos obscuros.

O compromisso com a cidade e com a prestação de serviços de qualidade exige que as denúncias sejam apuradas e encontradas soluções que assegurem atendimento à população da cidade. (Por Lucia Jahn - Assessoria de Imprensa da Câmara de Ver. de Porto Alegre)

*Edição e grifos deste blog

24 fevereiro 2010

A última canalhice da FSP & Cia


















Advocacia Geral da União: Sobre a surra que os fatos deram na Folha de S. Paulo

*Por Luiz Carlos Azenha

A Folha de S. Paulo acaba de tomar mais uma surra dos fatos. A denúncia que o jornal fez, em primeira página, com manchete de ponta a ponta, não resistiu nem mesmo ao ciclo de 24 horas. O tema parece confuso e, nesse caso, a confusão favorece o acusador.

O jornal apresenta uma fórmula simples no seu caldeirão de maldades: juntar uma bruxa (José Dirceu), o nome de um paraíso fiscal (Ilhas Virgens Britânicas), um dado chamativo (um empresário gastar 1 real para comprar participação em uma empresa) e mistura bem misturado com fantasias, como a lenda de que o negócio "renderia" ao empresário esperto um lucro de 200 milhões de reais (sem qualquer prova ou documentação, assim, no chute).

O problema é que as premissas da denúncia são falsas: 1) como esclareceu a Advocacia Geral da União, "a retomada desse patrimônio, por via judicial, não gerou direitos aos sócios da Eletronet ou qualquer outro grupo empresarial privado", ou seja, se José Dirceu recebeu 620 mil reais para gerar um lucro de 200 milhões de reais que não existe, ou ele é muito esperto, ou o empresário que pagou a ele para não ganhar nada é trouxa; 2) o ponto 7 da nota da AGU -- "a eventual reativação da Telebrás não vai gerar receitas ou direitos de crédito para a massa falida da Eletronet, seus sócios, credores ou qualquer grupo empresarial com interesses na referida massa falida" -- derruba a premissa da Folha de que a reativação da Telebrás pelo governo Lula de alguma forma beneficiará o empresário que pagou consultoria a José Dirceu.

Para além disso, notem o que disse a O Globo o secretário de Logística do Ministério do Planejamento:









O que me leva a concluir:

1) A Folha errou inocentemente;

2) A Folha tem interesses escusos nos negócios da banda larga;

3) A Folha faz campanha eleitoral;

4) A Folha serviu ao DEM e ao PSDB para jogar uma cortina de fumaça no inferno astral de José Serra.

Façam suas apostas.

*****

*Do site da Advocacia Geral da União

Nota Pública sobre retomada de posse da rede de fibras ópticas pela Eletrobrás

A rede de fibras ópticas é de propriedade das empresas do sistema Eletrobrás e foi operada pela massa falida da Eletronet.

Data da publicação: 23/02/2010Em atenção às notícias "Nova Telebrás beneficia cliente de Dirceu" e "Dirceu recebe de empresa por trás da Telebrás", veiculadas pelo jornal Folha de São Paulo na capa e página B1, com circulação no dia 23 de fevereiro, esclarece a Advocacia-Geral da União:

1) A União obteve, em reclamação apresentada pela AGU ao Tribunal Justiça do Estado do Rio de Janeiro, em dezembro de 2009, a retomada da posse das fibras ópticas do sistema de transmissão e distribuição de energia.

2) A rede de fibras ópticas é de propriedade das empresas do sistema Eletrobrás e foi operada pela massa falida da Eletronet mediante previsão contratual.

3) Para a retomada da posse, a Eletrobrás apresentou caução conforme determinação judicial proferida em junho de 2008.

4) A caução atenderá exclusivamente eventuais direitos de credores da Eletronet e não dos seus sócios.

5) A utilização que vier a ser dada à rede de fibras ópticas não beneficiará a massa falida da Eletronet, seus sócios, seus credores ou qualquer grupo empresarial privado.

6) A retomada desse patrimônio, por via judicial, não gerou direitos aos sócios da Eletronet ou qualquer outro grupo empresarial privado.

7) Eventual reativação da Telebrás não vai gerar receitas ou direitos de crédito para a massa falida da Eletronet, seus sócios, credores, ou qualquer grupo empresarial com interesses na referida massa falida.

Advocacia-Geral da União

*Luiz Carlos Azenha é jornalista, editor do sítio Vi o Mundo (fonte desta postagem) - http://www.viomundo.com.br

**Edição deste blog

23 fevereiro 2010

Artigo
















Quem era terrorista?

Emir Sader escreve:

À falta de outros argumentos e propostas, com um mínimo de consistência, os opositores reiteram a imagem de “terrorista” de Dilma.

Quem era terrorista: a ditadura militar ou os que lutávamos contra ela? Dilma estava entre estes, o senador José Agripino (do DEM, ex-PFL, ex-Arena, partido da ditadura militar), entre os outros.

O golpe militar de 1964, apoiado por toda a imprensa (com exceção da Última Hora, que recebeu todo o peso da repressão da ditadura), rompeu com a democracia, a destruiu em todos os rincões do Brasil, e instaurou um regime de terror – que depois se propagou por todo o cone sul do continente, seguindo seu “exemplo”.

Diante do fechamento de todo espaço possível de luta democrática, grandes contingentes de jovens passaram à clandestinidade, apelando para o direito de resistência contra as tiranias, direito e obrigação reconhecidos pela Declaração Universal dos Direitos Humanos. Enquanto nos alinhávamos do lado da luta de resistência democrática contra a ditadura, os proprietários das grandes empresas de comunicação – entre eles os Frias, os Marinhos, os Mesquitas -, os políticos que apoiavam a ditadura – agrupados na Arena, depois PFL, agora DEM, como, entre tantos outros, o senador José Agripino –, grandes empresários nacionais e estrangeiros, se situavam do lado da ditadura, do regime de terror, da tortura, dos seqüestros, dos fuzilamentos, das prisões arbitrárias, da liquidação da democracia.

Quem era terrorista? Os que lutavam contra a ditadura ou os que a apoiavam? Os que davam a vida pela democracia ou os que se enriqueciam à sombra da ditadura e da repressão? Os que apoiavam e financiavam a OBAN ou aqueles que, detidos arbitrariamente, eram vitimas da tortura nas suas dependências, fuzilados, desaparecidos?

Quem era terrorista? José Agripino ou Dilma? Os militares que destruíram a democracia ou os que a defendiam? Quem usava a picanha elétrica, o pau-de-arara, contra pessoas amarradas, ou quem lutava, na clandestinidade, contra as forças repressivas? Quem era terrorista: Iara Iavelberg ou Sergio Fleury? Quem estava do lado da Iara ou quem estava do lado do Fleury? Dilma ou Agripino? Quem estava na resistência democrática ou quem, por ação ou por omissão, estava do lado da ditadura do terror?

*Fonte: Blog do Emir - http://www.cartamaior.com.br

22 fevereiro 2010

PT/Porto Alegre










Presidente do PT de Porto Alegre concederá coletiva nesta terça-feira

O Presidente do Partido dos Trabalhadores de Porto Alegre, vereador Adeli Sell, estará concedendo entrevista coletiva (especialmente direcionada à blogueiros e jornais de bairro) na manhã desta terça-feira, 23/02, durante café da manhã que será realizado no Restaurante Marco Zero, Altos do Mercado Público da capital gaúcha, à partir das 9 h.

Na pauta, destaque para as primeiras ações realizadas por Adeli Sell à frente do DM de Porto Alegre, organização do PT, conjuntura política e eleições 2010.

20 fevereiro 2010

Dilma Presidente!
















Dilma Rousseff, candidata ao Planalto: A íntegra do discurso

"Queridas companheiras, Queridos companheiros

Para quem teve a vida sempre marcada pelo sonho e pela esperança de mudar o Brasil, este é para mim um dia extraordinário.

Meu partido -- o Partido dos Trabalhadores -- me confere a honrosa tarefa de dar continuidade à magnífica obra de um grande brasileiro.

A obra de um líder -- meu líder -- de quem muito eu tenho orgulho: o presidente Lula, o Lula.

Jamais pensei que a vida me reservasse tamanho desafio. Mas me sinto absolutamente preparada para enfrentá-lo - com humildade, com serenidade e com confiança.

Neste momento, ouço a voz da minha Minas Gerais, terra de minha infância e de minha juventude. Dessa Minas que me deu o sentimento de que vale a pena lutar, sim, pela liberdade e contra a injustiça. Ouço os versos de Drummond:

"Teus ombros suportam o mundo/
E ele não pesa mais do que a mão de uma criança"

Até hoje eu sinto o peso suave da mão de minha filha, quando nasceu.

Que força naquele momento ela me deu. Quanta vida ela me transmitiu. Quanta fé na humanidade me passou. Eram, naquela época, tempos difíceis.

Ferida no corpo e na alma, fui acolhida e adotada pelos gaúchos --- pelos gaúchos generosos, solidários, insubmissos, como são os gaúchos.

Naqueles anos de chumbo, onde a tirania parecia eterna, encontrei nos versos de outro poeta -- Mário Quintana -- a força necessária para seguir em frente. Mário Quintana disse:

"Todos estes que aí estão/
Atravancando o meu caminho,/
Eles passarão.
Eu passarinho."

Eles passaram e nós hoje voamos livremente.

Voamos porque nascemos para ser livres. (...)

*Leia a íntegra do discurso (postado originalmente no sítio Vi o Mundo), proferido hoje pela ministra Dilma Roussef no IV Congressso Nacional do PT, clicando Aqui

19 fevereiro 2010

IV Congresso do PT






IV Congresso do PT discute tática eleitoral, alianças e diretrizes para 2010

O IV Congresso Nacional do PT reúne em Brasília 1350 delegados para definir a tática eleitoral, a política de alianças e as diretrizes do programa de governo do partido para 2010.

Aberto oficialmente na última quinta-feira (18), o encontro iniciou com um seminário internacional com tema "Brasil: passado, presente e futuro". Mais de 150 delegados da Alemanha, Angola, Arábia Saudita, Argentina, Bolívia, Botsuana, Camarões, Chile, China, Coréia do Norte, Cuba, Egito, El Salvador, Equador, Espanha, Estados Unidos, França, Grécia, Galícia, Guinè-Bissau, Hungria, Itália, Japão, Jordânia, Líbia, Marrocos, México, Nicarágua, Palestina, Paraguai, Peru, Portugal, República Dominicana, República Tcheca, Senegal, Sérvia, Suécia, Suíça, União Européia, Uruguai, Venezuela e Vietnã participam do evento, que contou também com a presença da ministra Dilma Roussef.

Para o deputado federal Ricardo Berzoini, que está deixando a presidência do partido, o modelo econômico implantado pelo governo Lula não é apenas mais eficiente do que os anteriores, mas também foi fundamental no enfrentamento da crise mundial. “Vencemos a crise e, ao mesmo tempo, conseguimos gerar um sentimento de superação e de aumento da auto-estima na população jamais visto”, declarou.

A ministra Dilma Roussef fez um balanço detalhado das ações do governo Lula, que desencadearam no Brasil um processo de transformação sócio-econômico, responsável pela retirada de 20 milhões de brasileiros da pobreza e pela ascensão de 52% da população à classe média.

Ela destacou o equilíbrio entre desenvolvimento econômico e distribuição de renda como o ponto forte do governo Lula. “Essa é uma combinação virtuosa que permite que sejamos citados por muitas agências de pesquisa como a quinta economia mundial, mas nós somente seremos a quinta economia se transformarmos substancialmente as condições de vida do povo brasileiro. O Brasil tem um legado de descaso e descuido com as classes populares e muito ainda tem que ser feito para superar isso.”

O encontro prossegue neste final de semana com debates e votações e com a posse do Diretório Nacional, Comissão de Ética e Conselho Fiscal.(Por Assessoria de Imprensa com informações do PT Nacional)

18 fevereiro 2010

Dilma












"Temos muito o que mostrar", afirma Dilma no Congresso Nacional do PT


Brasília - A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, fez hoje (18) um balanço das ações do governo federal para as delegações internacionais que participam do 4º Congresso Nacional do Partido dos Trabalhadores (PT).

“Eu fiz um discurso sobre o presente e o futuro e nós temos muito o que mostrar. É fácil para nós”, afirmou ao participar da abertura do evento.

O congresso ocorre até sábado (20), no Centro de Convenções Ulysses Guimarães. O encontro reúne 1.350 delegados, para discutir as eleições deste ano e a política de alianças do partido. No sábado, Dilma será indicada, oficialmente, pelo partido, como pré-candidata à Presidência da República. A ministra disse que, em 30 dias, deixará o cargo, por causa das eleições, e que até lá tudo permanece igual.

Perguntada sobre a declaração do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu de que ele não ficará mais na clandestinidade e ajudará a campanha dela, Dilma disse que o apoio será bem-vindo.

“Ele é um dirigente do partido e como tal será considerado. Todos os dirigentes e militantes do PT são bem-vindos até porque deles eu dependo para me eleger”, destacou a ministra. Dilma afirmou que já reservou uma roupa vermelha para usar no sábado. (Por Lisiane Wandscheer, da Agência Brasil)

12 fevereiro 2010

É Carnaval!












*O blogue entrará em recesso por uns dias. Sigo hoje para os caminhos de Santiago (do Boqueirão). Desejo um ótimo carnaval à todos(as)!

11 fevereiro 2010

Escândalo do DEM













Procurador entra com pedido de intervenção federal do Distrito Federal no Supremo

Brasília - O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, disse hoje (11) que a Câmara Legislativa não tem condições de assumir o governo do Distrito Federal, durante o afastamento do governador José Roberto Arruda (ex-Dem, agora sem partido) que teve a prisão preventiva decretada o que justifica o pedido de intervenção federal.

O pedido, já protocolado, será analisado pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, que pode submetê-lo ao plenário. Se for aceito, a decisão será encaminhada ao presidente da República, que, por meio de decreto, nomeia um interventor.

“Grande parte dos deputados distritais está envolvida. Portanto, o Legislativo, a quem compete a responsabilização do governador, não tem a condição mínima de fazer isso”, justificou Gurgel.

O procurador disse que, em caso de intervenção, toda a linha sucessória desaparece. “Quando há intervenção, não se observa a linha de sucessão”, disse, ao explicar que o presidente do Tribunal de Justiça do Distrito Federal pode não ser convocado para assumir o governo.

O procurador-geral acrescentou que há uma “verdadeira organização criminosa” no governo do Distrito Federal e “indícios fortíssimos” de um esquema de apropriação de recursos públicos. Ele disse ainda que o ideal é o pedido de intervenção seja analisado pelo Supremo o mais rápido possível. “Mais não ignoro a complexidade do caso”.

Gurgel afirmou ainda que a prisão de Arruda serve para evitar que outras testemunhas do esquema de pagamento de propina envolvendo o próprio governador, auxiliares e deputados distritais, sejam coagidas. “Se (Arruda) continuar no governo, a máquina administrativa continuará a serviço desta organização criminosa”, disse o procurador, negando, contudo, que seja um recado para o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello, relator do pedido de habeas corpus protocolado pelos advogados de Arruda. (por Lísia Gusmão, da Agência Brasil)

*Foto acima: Manifestantes comemoram a prisão do governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, na porta da Superintendência da Polícia Federal (Foto de Marcello Casal Jr/ABr)

Tarso Genro













Juristas e professores elogiam Tarso Genro e pedem continuidade de políticas na Justiça

Em carta aberta endereçada ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, um grupo de juristas, intelectuais, professores universitários e ativistas da área de Direitos Humanos elogia o trabalho do ministro que está deixando a pasta para concorrer ao governo gaúcho. A informação é da Agência Carta Maior. Leia a seguir:

Um grupo de juristas, intelectuais, professores universitários e ativistas da área de Direitos Humanos encaminhou uma carta aberta ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, manifestando apoio às políticas implementadas por Tarso Genro (foto) no Ministério da Justiça e defendendo a continuidade das mesmas. Assinada por nomes como Dalmo Dallari, Fabio Konder Comparato, Boaventura de Sousa Santos e Maria Victoria Benevides, a carta expressa apoio ao trabalho desenvolvido por Tarso Genro “com vista à consolidação do Estado de Direito e à ampliação do espectro da democracia e dos direitos humanos no Brasil”. Além disso, elogia o trabalho desenvolvido pela Comissão da Anistia, o asilo político concedido a Cesare Battisti, a demarcação da reserva Raposa Serra do Sol e o Programa Nacional de Segurança Pública (Pronasci).

*Leia íntegra da Carta clicando Aqui

09 fevereiro 2010

Coluna C&A













Crítica & Autocrítica – nº 64

* O titular da coluna não poderia deixar de registrar duas notícias da maior relevância que, por óbvio, tem causado a insônia - e o descontrole – de setores da ‘oposição’ ao governo Lula: o empate técnico entre Dilma Roussef e José Serra registrado pelas últimas pesquisas eleitorais (o candidato dos demo-tucanos está estagnado há meses e a candidata do PT e aliados não para de crescer).
***
* A outra é também por demais alvissareira: o crescimento acelerado das obras do PAC em todo o Brasil. De acordo com balanço divulgado na manhã desta quinta-feira (4) pelo governo federal, já foram investidos R$ 403,8 bilhões nas obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) entre 2007 e 2009, o que corresponde a 63,3% do projeto.
***
* Por falar no PAC, o presidente Lula esteve semana passada em São Leopoldo para inaugurar a Estação de Tratamento de Esgotos da Feitoria e entregar 600 chaves de moradias populares para as famílias que foram retiradas da área por onde irão passar os trilhos que levarão o metrô até Novo Hamburgo. Depois, em Porto Alegre, inaugurou a fábrica de chips do Ceitec, empresa estatal vinculada ao Ministério de Ciência e Tecnologia (MCT), que produzirá semicondutores. A Ceitec (que ocupa um complexo de 14,6 mil metros quadrados) é a única empresa comercial no Brasil e na América Latina a realizar o processamento e a fundição de lâminas de silício para a produção de chips. Convenhamos: isso não é pouca coisa!
***
*Parece que a pretendida coligação PMDB/PDT para o governo do Estado está fazendo água. O PT trabalha para ampliar as alianças e recompor a Frente Popular e a participação dos trabalhistas seria um elemento decisivo para potencializar as possibilidades de vitória.
***
(...)
* Partido dos Trabalhadores (PT) comemora neste 10/02, 30 anos de lutas e glórias. Parabéns a todos e a todas que ajudaram, ao longo destes anos todos, mesmo enfrentando sacrifícios de toda ordem, a levar acesa essa chama, na busca de uma sociedade mais fraterna, decente, humana e solidária.
***
(...)
* Nesta quinta-feira-feira, 11 de fevereiro, estarei prestigiando a posse do meu prezado amigo e companheiro Adeli Sell, grande vereador de Porto Alegre - para quem atualmente presto assessoria -, que passa a ser o novo presidente do PT da capital dos gaúchos. Logo após, viajo para Santiago, onde passarei o Carnaval e aproveitarei para fugir do quase insuportável calor da região metropolitana, rever familiares, amigos ... e também fazer alguns contatos e articulações profissionais e políticas (para não perder o hábito!). (por Júlio Garcia, especial para ‘O Boqueirão’)

*Leia a íntegra da coluna clicando Aqui

**Crítica & Autocrítica - coluna eletrônica que mantenho (i)regularmente no Blog 'O Boqueirão' - http://oboqueirao.zip.net/

06 fevereiro 2010

PAC





Presidente Lula visita o Estado e inaugura obras do PAC

“Duvido que, nos últimos 30 anos, outro governo federal tenha colocado tanto dinheiro no Rio Grande do Sul” - (Presidente Lula)

Porto Alegre/RS - Eram 12h50 quando o presidente Lula desembarcou em São Leopoldo para inaugurar a Estação de Tratamento de Esgotos da Feitoria e entregar 600 chaves de moradias populares para as famílias que foram retiradas da área por onde irão passar os trilhos que levarão o metrô até Novo Hamburgo. Acompanhado pelos ministros Márcio Fortes (Cidades), Tarso Genro (Justiça), Franklin Martins (Comunicação Social) e Dilma Rousseff (Casa Civil), o presidente foi ovacionado pela população.

A ETE da Feitoria, orçada em R$ 10 milhões, fará com que o município alcance o maior índice de esgoto tratado no Rio Grande do Sul, chegando a 50% dos efluentes produzidos. Obras similares também estão previstas em outras cidades da região, como Sapucaia do Sul, Esteio, Novo Hamburgo e Canoas, possibilitando a reabilitação do Rio dos Sinos, cujas águas apresentam altos índices de contaminação por dejetos orgânicos.

Depois de ter sobrevoado as obras do PAC na região do Vale do Sinos, Lula disse duvidar que, nos últimos 30 anos, outro governo federal tenha colocado tanto dinheiro no Rio Grande do Sul. O presidente afirmou, ainda, que sua contribuição para os Estados independe do partido que os governem. "O que nós queremos é que esse povo melhore de vida e, para isso, não pode ter mesquinharia".

De acordo com o presidente, o Brasil era conhecido como um País de obras inacabadas. Situação que está sendo revertida: "estou transformando este País em um País de obras concluídas”, ressaltou.

Num discurso para mais de mil pessoas, Lula disse que o Pró-Uni, programa que facilita o acesso de pessoas carentes ao ensino superior, começou com o ministro da Justiça e pré-candidato do PT ao governo do Rio Grande do Sul, Tarso Genro. De acordo com Lula, ele é o único presidente do Brasil que não tem ensino superior, mas que seu governo é o que mais fez universidades, escolas técnicas e creches.

Ceitec

De São Leopoldo, Lula rumou para a Lomba do Pinheiro em Porto Alegre, onde inaugurou a fábrica de chips do Ceitec, empresa estatal vinculada ao Ministério de Ciência e Tecnologia (MCT), que produzirá semicondutores. A Ceitec (que ocupa um complexo de 14,6 mil metros quadrados) é a única empresa comercial no Brasil e na América Latina a realizar o processamento e a fundição de lâminas de silício para a produção de chips. Às 18,30h, o presidente retornou à Brasília. (por Olga Arnt, com os sítios PTSul e MCT).

05 fevereiro 2010

Debate








O ódio da mídia e a primeira vitória de Lula

*Por Gilson Caroni Filho

Se a deontologia do jornalismo não contempla a divulgação de matérias partidarizadas como se fossem notícias apuradas em nome do leitor/telespectador, o telejornalismo brasileiro, principalmente o da Rede Globo, anda precisando redefinir qual é a natureza do seu verdadeiro ofício. Que fato objetivo deflagra tanta empulhação em horário nobre? Que registro simbólico almeja sua busca de sentidos? Qual a necessidade de construção permanente de imagens desfavoráveis ao governo e, em especial, ao presidente da República? Enganam-se os que pensam que as respostas a essas questões residem apenas nas próximas eleições. Lula, por seu significado histórico, representa uma fratura bem mais profunda do que pode parecer à primeira vista.

Ao obter mais de 30 milhões de votos em 1989, o ex-líder sindical apareceu como condensação das forças sociais que se voltavam para a demolição tardia do antigo regime. Contrariando prognósticos de conceituados analistas, sua candidatura teve gás suficiente para enfrentar as máquinas partidárias de velhos caciques. Mesmo derrotado por Collor, que representava a reprodução do passado no presente, o desempenho de Lula prenunciou, de forma categórica, o fim de uma “democracia” que só era possível mediante pacto de compromisso entre as velhas elites políticas, civis e militares. Essa foi sua primeira vitória. E a Globo disso se deu conta.

O embrião de um novo espaço histórico, capaz de conferir peso e voz aos de baixo na sociedade civil, na cultura e no arcabouço estatal, estava lançado. Com uma indiscutível capacidade de antecipação histórica, a família Marinho, que construiu seu colosso midiático como um Estado dentro do Estado- e muitas vezes acima dele- pressentiu o ocaso dos dias gloriosos. Como principal aparelho de legitimação da ditadura militar, as Organizações sempre vislumbraram a democracia como processo fatal à sua supremacia. E essa era uma avaliação correta. Deter o movimento profundo que vinha das urnas seria impossível.

A centralidade de Lula e do Partido dos Trabalhadores no cenário político era o avanço do cidadão negado, desde sempre, em sua cidadania. A construção da nova história objetivaria também o significado das eleições seguintes. Até a vitória em 2002, o acúmulo de forças trouxe à cena as esperanças políticas das classes excluídas. O rosto sofrido, que se contrapunha tanto à estética das modernizações conservadoras quanto à ética do neoliberalismo rentista, já não temia as bravatas e espertezas do adversário.

O rancor da mídia corporativa tem que ser contemplado como pano de fundo de uma grande derrota. Suas ameaças só não são trágicas porque, ao arreganhar os dentes, a grande imprensa introduz notas burlescas no discurso que se pretendia ameaçador. O diagnóstico que denuncia o fim da festa sai, ainda que codificado, dos débeis sustentáculos da credibilidade que lhe sobrou junto a setores protofascistas da classe média.

Ao criminalizar movimentos sociais, criticar a política externa tentando estabelecer paralelos entre Caracas e Tegucigalpa, e censurar premiações internacionais recebidas pelo presidente, o jornalismo produzido vai desenovelando a história da imprensa brasileira com impecável técnica televisiva.

Resta-lhe o apoio de uma direita sem projeto, voraz, cínica e debochada. Esse é o único troféu que ostenta em 2010, após ter sofrido o baque inaugural há 21 anos. Na década de 1980, ainda valia editar debates e fazer uso político de seqüestro de empresários. Afinal, não seria por apoio governamental que conferências debateriam monopólio e manipulação midiática.

Em outubro, a Globo não estará apostando apenas na candidatura de José Serra. Buscará, mediante retrocessos de toda ordem, garantir a sobrevida de uma ordem informativa excludente, incompatível com as regras mais elementares do Estado Democrático de Direito.

*Gilson Caroni Filho (foto) é professor de Sociologia das Faculdades Integradas Hélio Alonso (Facha), no Rio de Janeiro, colunista da Carta Maior e colaborador do Jornal do Brasil

Fonte: Agência Carta Maior

03 fevereiro 2010

Haiti


















O Haiti existe?

Frei Betto escreve:

Interessados em exibir na Europa uma coleção de animais exóticos, no início do século XIX, dois franceses, os irmãos Edouard e Jules Verreaux, viajaram à África do Sul. A fotografia ainda não havia sido inventada, e a única maneira de saciar a curiosidade do público era, além do desenho e da pintura, a taxidermia, empalhar animais mortos, ou levá-los vivos aos zoológicos.

No museu da família Verreaux os visitantes apreciavam girafas, elefantes, macacos e rinocerontes. Para ela, não poderia faltar um negro. Os irmãos aplicaram a taxidermia ao cadáver de um e o expuseram, de pé, numa vitrine de Paris; tinha uma lança numa das mãos e um escudo na outra.

Ao falir o museu, os Verreaux venderam a coleção. Francesc Darder, veterinário catalão, primeiro diretor do zoológico de Barcelona, arrematou parte do acervo, incluído o africano. Em 1916, abriu seu próprio museu em Banyoles, na Espanha.

Em 1991, o médico haitiano Alphonse Arcelin visitou o Museu Darder. O negro reconheceu o negro.  Pela primeira vez, aquele morto mereceu compaixão. Indignado, Arcelin pôs a boca no mundo, às vésperas da abertura dos Jogos Olímpicos de Barcelona. Conclamou os países africanos a sabotarem o evento. O próprio Comitê Olímpico interveio para que o cadáver fosse retirado do museu.

Terminadas as Olimpíadas, a população de Banyoles voltou ao tema. Muitos insistiam que a cidade não deveria abrir mão de uma tradicional peça de seu patrimônio cultural. Arcelin mobilizou governos de países africanos, a Organização para a Unidade Africana, e até Kofi Annam, então secretário-geral da ONU. Vendo-se em palpos de aranha, o governo Aznar dediciu devolver o morto à sua terra de origem. O negro foi descatalogado como peça de museu e, enfim, reconhecido em sua condição humana. Mereceu enterro condigno em Botswana

Em meus tempos de revista "Realidade", nos anos 60, escandalizou o Brasil a reportagem de capa que trazia, como título, "O Piauí existe". Foi uma forma de chamar a atenção dos brasileiros para o mais pobre estado do Brasil, ignorado pelo poder e pela opinião públicos.

O terremoto que arruinou o Haiti nos induz à pergunta: o Haiti existe? Hoje, sim. Mas, e antes de ser arruinado pelo terremoto? Quem se importava com a miséria daquele país? Quem se perguntava por que o Brasil enviou para lá tropas a pedido da ONU? E agora, será que a catástrofe - a mais terrível que presencio ao longo da vida – é mera culpa dos desarranjos da natureza? Ou de Deus, que se mantém silencioso frente ao drama de milhares de mortos, feridos e desamparados?

Colonizado por espanhóis e franceses, o Haiti conquistou sua independência em 1804, o que lhe custou um duro castigo: os escravagistas europeus e estadunidenses o mantiveram sob bloqueio comercial durante 60 anos.

Na segunda metade do século XIX e início do XX, o Haiti teve 20 governantes, dos quais 16 foram depostos ou assassinados. De 1915 a 1934 os EUA ocuparam o Haiti. Em 1957, o médico François Duvalier, conhecido como Papa Doc, elegeu-se presidente, instalou uma cruel ditadura apoiada pelos tonton macoutes (bichos-papões) e pelos EUA. A partir de 1964, tornou-se presidente vitalício... Ao morrer em 1971, foi sucedido por seu filho Jean-Claude Duvalier, o Baby Doc, que governou até 1986, quando se refugiou na França.  

O Haiti foi invadido pela França em 1869; pela Espanha em 1871; pela Inglaterra em 1877; pelos EUA em 1914 e em 1915, permanecendo até 1934; pelos EUA, de novo, em 1969.

As primeiras eleições democráticas ocorreram em 1990; elegeu-se o padre Jean-Bertrand Aristide, cujo governo foi decepcionante. Deposto em 1991 pelos militares, refugiou-se nos EUA. Retornou ao poder em 1994 e, em 2004, acusado de corrupção e conivência com Washington, exilou-se na África do Sul. Embora presidido hoje por René Préval, o Haiti é mantido sob intervenção da ONU e agora ocupado, de fato, por tropas norte-americanas.

Para o Ocidente "civilizado e cristão", o Haiti sempre foi um negro inerte na vitrine, empalhado em sua própria miséria. Por isso, a mídia do branco exibe, pela primeira vez, os corpos destroçados pelo terremoto. Ninguém viu, por TV ou fotos, algo semelhante na Nova Orleans destruída pelo furacão ou no Iraque atingido pelas bombas. Nem mesmo após a passagem do tsunami na Indonésia.

Agora, o Haiti pesa em nossa consciência, fere nossa sensibilidade, arranca-nos lágrimas de compaixão, desafia a nossa impotência. Porque sabemos que se arruinou, não apenas por causa do terremoto, mas sobretudo pelo descaso de nossa dessolidariedade.

Outros países sofrem abalos sísmicos e nem por isso destroços e vítimas são tantos. Ao Haiti enviamos "missões de paz", tropas de intervenção, ajudas humanitárias; jamais projetos de desenvolvimento sustentável.

Findas as ações emergenciais, quem haverá de reconhecer o Haiti como nação soberana, independente, com direito à sua autodeterminação? Quem abraçará o exemplo da dra. Zilda Arns, de ensinar o povo a ser sujeito multiplicador e emancipador de sua própria história?

*Frei Betto é escritor, autor de 'Batismo de Sangue', "Diário de Fernando – nos cárceres da ditadura militar brasileira" (Rocco), entre outros livros.  
Fonte: Correio da Cidadania

01 fevereiro 2010

Empate técnico...








Serra e Dilma estão tecnicamente empatados na disputa presidencial, mostra CNT/Sensus

Brasília - O governador de São Paulo, José Serra, e a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, estão tecnicamente empatados na disputa para a Presidência da República, segundo avaliação da pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNT) e do Instituto Sensus. Dilma tem 9,5% das intenções de voto e Serra, 9,3%. A margem de erro é de 3%.

Numa segunda lista, em que aparecem Serra, Dilma, Ciro Gomes e Marina Silva, na avaliação do Instituto Sensus, houve uma transferência de votos de Ciro para Serra e Dilma, quando observados os dados da pesquisa anterior, realizada em novembro do ano passado.

Na última pesquisa, Serra tinha 31,8% das intenções de votos, Dilma, 21,7%, Ciro estava com 17,5% e Marina, com 5,9%. No levantamento divulgado hoje, Serra, com 33,2%, e Dilma, com 27,8%, sobem nas intenções de votos e Ciro (11,9%) tem uma queda. Marina também teve aumento nas intenções de voto de 0,9 ponto percentual.

"Se compararmos os cenários, vamos ver que os votos de Ciro Gomes são divididos entre os dois candidatos, mas vão mais um pouco para a Dilma do que para o Serra.”, afirmou o diretor do Instituto Sensus, Ricardo Guedes.

Guedes disse ainda que os números mostram que Dilma já está consolidando sua candidatura. Isso porque a diferença entre ela e Serra está caindo. Na pesquisa anterior, a diferença entre Dilma e Serra era de 10,1 pontos percentuais e na pesquisa realizada em janeiro é de 5,4. “Dilma Rousseff atingiu um nível que indica consolidação da candidatura do ponto de vista da percepção do eleitor. Ela passou a ser uma candidata efetivamente competitiva”, afirmou o diretor.

A pesquisa CNT/Sensus foi realizada entre os dias 25 e 29 de janeiro em em cinco regiões, 24 estados, 136 municípios e com dois mil entrevistados. (Por Roberta Lopes, Agência Brasil)

'Santuário Campeiro'














CENAS DE CAMPANHA

Ruy Gessinger escreve:

Aproveito o feriadão de Navegantes para andar na contramão. Deixo que hordas ensandecidas tomem conta do Litoral e recolho-me ao santuário campeiro. Volto a Capital dia 2.

Quer acompanhar-me por um passeio ao fim do mundo, ou melhor, a um mundo puro e intocado?

Imagine, primeiro, um quadrado de 9 km por 8km. Para se chegar ali só indo ali. Não é lugar de passagem. Dentro desse quadrado existem ilhas de floresta nativa: não há uma só árvore exótica. Quinze anos de preservação, fizeram reaparecer animais silvestres das mais diversas espécies. Como esse campo é nativo e de formação basáltica, não se presta para a agricultura de grãos. É preciso, pois, tino e juízo para não sobrecarregar de vacuns e ovinos para não deteriorar o Bioma Pampa.

Esse derrame basáltico, ocorrido há milhões de anos, abriu leitos que hoje são as sangas. Florestas ciliares garantem sua perenidade.

Também não é rota de aviões, de sorte que, estando-se dentro desse quadrado não se ouve nada de barulho artificial.

Andando silente a cavalo noto que , dada a abençoada chuva, os pastos nativos estão em abundância há anos não vista. Emas (avestruzes) passeiam com seus filhotes e já nem se assustam mais com os homens. Os maricás já estão florindo, deixando um perfume incrível no ar. Pássaros, tatus, seriemas presentes. Os açudes são um viveiro de tudo quanto é bicho.

Pena, muita pena, que não ouvi um só ronco de bugio. Não mais os há em toda a área da fazenda. Morreram de febre amarela. Os vizinhos relatam a mesma situação. Será que não seria de caso de repovoamento?

De notar apenas que não flagro sinais de possível estiagem para um futuro próximo.

As formigas estão quietas e as cigarras sossegadas. Sem embargo, algumas árvores de folhas caducas já começam a amarelar levemente, assim como algumas áreas de campo nativo. Não será cedo demais para essa maturação precoce?

Ontem, banhando-me numa enorme piscina natural encravada no basalto, cercada de árvores, de difícil acesso, pensei: que bom que o destino me emprestou essa área, pois não deixo fazer nada impróprio ecologicamente. Até já pensei em destinar, “post mortem”, para uma entidade pública. Mas logo me lembrei que a burocracia para manter esses órgãos é autofágica e logo terminariam com esse paraíso.

Deixêmo ansim.

Fonte: Blog do Ruy Gessinger - http://blog.gessinger.com.br/

Contra a baixaria na blogosfera

Terra Brasilis Convida o Sr. Aluizio Amorim para o Debate.... Venha simbora, hômi! Deixe de Desonestidade!

Profº DiAfonso escreve:

Enquanto se busca o debate aberto e com argumentos, certos blogueiros primam pela maledicência, desonestidade e covardia. É o caso do sr. Aluizio Amorim. Como se pode ler abaixo, ele desvirtua uma postagem publicada no Blog da Dilma, do qual sou co-editor e assumo a inteira responsabilidade pela reblogagem. Falei reblogagem porque não sou autor do texto, porquanto existe a fonte que a gerou. Se o fato é verídico ou apresenta algum grau de verosimilhança, apenas o leitor decidirá.

A editoria geral do Terra Brasilis, pela liberdade que lhe foi concedida de postagem pelos editores Daniel Pearl e Jussara Seixas, resolveu retirar a referida reblogagem e solicitar que os comentários sejam direcionados ao Terra Brasilis (AQUI). Estarei esperando e moderando os comentários. Aqueles que a editoria considerar ofensivos (como foi o caso de um que insinuou que minha filhinha de quatro meses estava no ponto para ser "comida" e que meus filhos eram portadores de deficiência mental) serão simplesmente rejeitados, não sem antes serem copiados e levados à PF para checagem de IP e enquadramento no ordenamento jurídico vigente.

Quanto ao sr. Aluizio Amorim, só lamento que tenha tido uma postura desonesta. Onde está escrito que foi a Dilma quem acusou os EUA de causarem terremoto? Pode nos dizer, sr. Aluizio Amorim? Tenha vergonha na cara! O senhor que aparenta ter mais de quarenta anos (eu tenho 45 bem vividos) brinda os leitores com uma pulhice dessas. Calce seu coturno, vista sua farda e venha com a verdade na cara. Se o sr. provar que foi a Dilma ou o Blog da Dilma quem acusou, eu publicarei uma foto minha de joelhos pedindo perdão. Coisa que não acontecerá porque o sr. é um desprezível mentiroso.

Venha para o debate! Eu estou desafiando o sr.! Venha simbora, hômi... Ou sr. é um frouxo que se esconde atrás de suas vis palavras e desonestidade. Tome vergonha na cara, sujeito! (...)

*Leia a íntegra da postagem (indignada, com justa razão!) do meu Cumpadi profº DiAfonso, do Blog Terra Brasilis, clicando Aqui