30 abril 2010

Vergonha!


Torturadores continuam impunes. Mas não perdoados


Brizola Neto escreve:

O dia 29 de abril deve entrar para a história como uma data de vergonha para o Brasil. O dia em que a maior Corte do país recusou a oportunidade histórica de apagar uma mancha que continua a torturar centenas de famílias brasileiras. Enquanto outros países da América Latina, que também viveram sob ditaduras militares ferozes, processam, julgam e prendem torturadores e os que os comandaram, o Brasil continua ignorando sua história e fingindo que nada aconteceu.

Dois votos impediram que a dignidade humana fosse ferida de morte hoje no STF. Mas infelizmente, a maioria dos ministros acompanhou o voto do relator Eros Grau pela manutenção da Lei de Anistia, que veda a possibilidade de processar torturadores. Aqueles, que agindo em nome do Estado, torturaram, mataram e desapareceram com muitos brasileiros, continuam impunes.

Disse que estes votos salvaram a dignidade humana porque ela sobrevive mesmo a golpes absurdos como este. Regenera-se, recompõe-se e, algum dia em nossa historia, há de impor-se sobre o mesquinho pensamento de que uma discutível tecnicalidade da lei possa suplantar o sentido de convivência civilizada que é a finalidade do Direito. Deixo aqui meu reconhecimento à honradez dos ministros Ayres Britto e Ricardo Lewandovski, que condenaram o crime hediondo da tortura e o distinguiram, com clareza, dos crimes políticos que a Anistia perdoou. Derrotados hoje, seus votos vencerão o tempo como marcados pela coragem, pela justiça e pelo respeito ao ser humano.

A tortura é um crime imprescritível, o afirmam os tratados internacionais dos quais o Brasil é signatário e, acima deles, a consciência humana. Nem mesmo o resultado triste da sessão de hoje do STF pode fazer com que este crime prescreva. Pode fazer com que os que o cometeram fiquem, mais que impunes, ocultos. Mas os dias os revelarão, cedo ou tarde.

Porque a vergonha é um estigma que não se apaga, senão pela verdade.

*Fonte: http://www.tijolaco.com/

**Foto acima: Monumento 'Tortura Nunca Mais'.

(Edição deste blog)

29 abril 2010

A lista da Time


















*Esta postagem é um 'cala-boca' dedicado aos demo/tucanos e ao PiG*; ao melhor, aos céticos, às elites reacionárias e egoístas, aos derrotistas, aos golpistas, aos sabotadores da Nação, aos entreguistas de toda ordem ... e aos 'incrédulos' em geral!!!

*PiG* = Partido da Imprensa Golpista

(Clique na imagem para ampliar)

Lula





Time: Lula é a personalidade mais influente do mundo

NOVA YORK, EUA — AFP - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva encabeça a lista de personalidades com maior influência do mundo, segundo uma classificação que será publicada na sexta-feira pela revista Time.

A revista divide este ano o ranking em quatro categorias e Lula lidera a lista dos "líderes", junto a figuras como o presidente americano Barack Obama, a presidente da Câmara de Representantes Nancy Pelosi e o diretor do FMI, Dominique Strauss Kahn.

Ao justificar a decisão de colocar Lula em primeiro lugar entre as personalidades mais influentes, a Time publica um comentário do cineasta e documentarista Michael Moore.

"O que o Lula quer para o Brasil é o que nós costumávamos chamar de sonho americano", afirmou.

Ele acrescenta que a política do presidente brasileiro "envia uma mensagem aos milionários do mundo: deixem que as pessoas tenham acesso ao seguro médico que elas darão menos problemas".

A lista de "líderes" começa com Lula, que é elogiado pela luta para levar justiça social ao Brasil e para acabar com a profunda desigualdade no país.

*Com a colaboração do Miguel Grazziotin

...

Nota do blog: tem um ex-presidente tucano/poliglota que, novamente, não vai dormir direito esta noite. 'Coisas da vida'!!!

28 abril 2010

Eleições 2010










Comparação entre Lula e FHC é inevitável

Fernando Ferro
escreve:

De maneira pretensiosa, a oposição decidiu que vai fugir às comparações entre os governos Lula e Fernando Henrique Cardoso, como se as eleições deste ano fossem realizadas em outro planeta. O debate é inevitável, com ou sem a participação da oposição e de seus porta-vozes na mídia.

Os demo-tucanos querem, na prática, esconder que fizeram parte do fracassado governo FHC (1995-2002), que quebrou o país três vezes, levou ao apagão de 2001 e rastejou perante o FMI.

Em 2002, no plano federal, o povo queria mudanças e eles prometiam continuidade; agora, a grande maioria da população quer manter o ritmo mudancista, com crescimento econômico, geração de empregos e inclusão social, e eles querem retroceder.

A tática é tentar desconstruir os êxitos alcançados a partir de 2003.

Certamente o PT e seus aliados não terão dificuldades para remover as densas camadas de mistificação montadas para embelezar o retumbante malogro dos governos de FHC. Já em 2006, independentemente da histeria da maior parte da mídia, o povo separou o joio do trigo.

Insiste-se que o governo Lula seria simples continuação do de FHC, mas a maioria da população sabe que não é. Exemplo: em oito anos, FHC criou 780 mil empregos, registrados no Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) para celetistas, enquanto em sete anos e meio o governo Lula gerou 12 milhões.

Esse dado é estarrecedor e tanto mais grave quando se considera que há quem pense que não é necessariamente um símbolo do fracasso de FHC, porque entre suas prioridades não estava a geração de empregos.

Com Lula, o salário mínimo teve aumento real de 53%, desmentindo a cantilena neoliberal de que esse aumento quebraria a previdência e os pequenos municípios.

A dívida externa foi eliminada, e a interna, reduzida em mais de 20 pontos percentuais. A dívida com o FMI foi quitada e o país se tornou credor da instituição, além de construir uma reserva cambial de US$ 240 bilhões.

O Brasil de Lula, com políticas heterodoxas, firmeza e em defesa do interesse nacional, conseguiu superar os graves reflexos da crise mundial iniciada em 2008, a qual teria levado o país à UTI se ocorrida no ortodoxo governo de Fernando Henrique.

Este, diante das crises periféricas que enfrentava, recorria ao FMI para pedir um empréstimo, aumentava impostos e as taxas de juros e arrochava os salários. Em 2008, Lula apostou no consumo e, em vez de aumentar os impostos, aplicou uma desoneração gigantesca. Foi dessa maneira que o Brasil superou a crise.

O povo percebe em seu dia a dia as alterações que vão se processando e que se expressam nas taxas mais baixas de inflação da história, no sucesso dos programas sociais e na maior oferta de oportunidades em muitos aspectos da vida.

Com políticas públicas e desatrelados do elitismo, fortalecemos a economia interna, com a inclusão de 30 milhões de pessoas à classe média.

A vitória frente a FHC não se deu apenas nos números da economia, nos indicadores sociais e na política externa. O avanço na consolidação dos espaços da democracia é igualmente importante: o conjunto de conferências realizadas (saúde, idosos, comunicação etc.) revela a participação popular na construção de políticas públicas.

Até o PAC foi também elaborado a partir de contribuições de lideranças populares e empresariais, inovando na forma de governar e consolidando instrumentos de democracia direta.

A oposição busca desqualificar e negar a realidade, guiando-se, sem respeitabilidade democrática, pela memória de Carlos Lacerda. Qual é o presente de uma oposição que hoje usa discurso moralista hipócrita, fingindo ignorar inúmeros comprometimentos com diferentes e repetidos casos de corrupção, onde a crise de Brasília é apenas a mais visível?

Não há como José Serra escapar de ser o anti-Lula: a eleição será plebiscitária e marcada pela confrontação entre os dois polos. As comparações podem ir além de Lula e FHC, envolvendo também os governos estaduais e municipais e temas como ética, gestão, soberania nacional etc.

A comparação é tão importante e necessária que o candidato tucano usa discurso defensivo e matreiro do pós-Lula. Quer pegar carona na popularidade de Lula, a quem não consegue atacar, e revela que não houve nem haverá pós-FHC.

Essa é a síntese de um confronto de projeto que nos é amplamente favorável. A história nos diz que não há futuro sem presente e passado. Mas os tucanos tentam desesperadamente esconder o seu.

*Fernando Ferro
é engenheiro eletricista, é deputado federal pelo PT-PE, líder do partido na Câmara dos Deputados e vice-presidente da Comissão de Energia e Minas do Parlamento Latino-Americano (Parlatino).

Fonte: sítio do PT Nacional

27 abril 2010

1º de Maio












DIA INTERNACIONAL DOS TRABALHADORES

CUT-RS fará vigília, caminhada e homenagem ao cantor gaúcho Leonardo. Atividades incluem vigília pela redução da jornada de trabalho e ato contra o desmanche da saúde em Porto Alegre


Porto Alegre/RS - A Central Única dos Trabalhadores do RS irá comemorar o 1º de maio, Dia do Trabalhador, com atividades que iniciam no dia 28 e terminam no dia 1º, com apresentações artísticas no Parque da Redenção.

Às 18h de quarta-feira, 28, a CUT-RS e os sindicatos filiados darão início a uma vigília pela redução da jornada de trabalho de 44 para 40 horas semanais, em frente a FIERGS, Federasul e Fecomércio. O encerramento da vigília será no dia 30 de abril, por volta das 10h.

Na parte da tarde do dia 30, às 14h, no Largo Glênio Peres, haverá a concentração da caminhada que deve sair às 15h e percorrerá as principais ruas do centro da Capital. A marcha passará pelo Palácio Piratini e encerrará com um ato em frente à Secretaria Municipal de Saúde (Praça Montevidéo, 10), por volta das 16h. A manifestação na SMS é contra a corrupção e o desmanche da saúde no município de Porto Alegre.

No Dia do Trabalhador, 1º de maio, a CUT-RS realiza um ato com demais movimentos sociais, no Parque da Redenção, a partir das 9h. A atividade deve se estender até às 13h, quando terá início um show em tributo ao cantor Leonardo, um grande parceiro e apoiador da CUT, morto em março desse ano.

Até agora, já estão confirmados a presença de Heleno Gimenez, Geraldo Trindade, Jader, Paulo Campero, Carlos Cirner e Sônia Mara, Odilon Ramos, Fátima Gimenez, Maria Luiza Benitz, Marcos Lima, Berenice Azambuja, Adriano Persch e Banda de Acordions, Nina e Grupo de Danças.

*Fonte: CUT/RS - http://www.cutrs.org.br

(Edição deste blog)

26 abril 2010

Internet Banda Larga


PLANO NACIONAL DE BANDA LARGA PREVÊ ISENÇÃO A EMPRESAS QUE APRESENTAREM PREÇOS POPULARES

Brasília/DF – Agência Brasil - A última versão do Plano Nacional de Banda Larga, que será submetida, ainda nesta semana, ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, vai prever isenção de tributação para as empresas dispostas a fornecer internet rápida a preços populares. O governo pretende fornecer internet “no atacado” a preços inferiores aos praticados hoje no mercado e já está trabalhando em uma linha de financiamento, para empresas que se tornarem parceiras, superior a R$ 5 bilhões, além de um conjunto de normas para garantir a qualidade e o preço baixo para o consumidor.

A política tributária da proposta vai prever isenção de impostos para serviços destinados a populações de baixa renda, por exemplo. A linha de financiamento já está sendo desenhada pelo Banco de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Caso o presidente bata o martelo, o plano poderá ser lançado nos próximos dias. A intenção é que, dentro de um ano, seja possível vender internet no atacado por menos da metade da média de preço praticada atualmente pelo mercado. Com isso, o governo pretende tornar acessível, com a parceria de empresas privadas, internet banda larga ao preço médio de R$ 35 a cerca de 90% da população brasileira.

“A média de preço praticada, hoje, no mercado é de cerca de R$ 1,4 mil. Nós queremos vender por menos da metade. Nós só venderemos para quem se comprometer a ter qualidade e preço final”, destacou o coordenador de programas de Inclusão Digital do governo federal, Cezar Alvarez (foto), em entrevista à Agência Brasil.

No plano de banda larga, o governo já decidiu que não fará a chamada “última milha”, ou seja, levar a internet até a casa dos consumidores. Isso será feito pelas empresas privadas que, segundo Alvarez, já demonstraram interesse em comprar a internet no atacado. As empresas já participaram de uma primeira reunião com o governo e, após o lançamento do planos, serão novamente convidadas para mais uma série de conversas.

O governo “acenderá”, ou seja, passará a utilizar de fato, para transmissão de dados, a rede já disponível, a chamada backbone, comparável a grandes autoestradas. Além disso, o governo também terá que criar outro nível de rede, o chamado backhaul, que pode se comparar a estradas vicinais que chegam às cidades.

“Da porta da cidade até a porta da casa, nós não vamos fazer. Nós não temos ainda essa [rede] intermediária, investindo diretamente ou até mesmo por meio de associações às operadoras que já têm. Queremos chegar na Copa do Mundo com uma rede capilarizada com mais um fornecedor capaz de oferecer novos serviços”, disse Alvarez.

O plano incluirá um conjunto de elementos de regulação, além de formas de aumentar a capacidade das redes já existentes e de ampliar o sistema de terceira geração para dar mais qualidade aos serviços de internet móvel.

Também já está decidido será usada a estrutura da Telebras para levar banda larga aos municípios. De acordo com Alvarez, o governo também atuará como um regulador, valendo-se das prerrogativas da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) para garantir a prestação de serviço com qualidade e preço acessível. “O governo pretende levar o mercado a todos os lugares do Brasil onde hoje não chega internet de qualidade”, destacou.

Ele também concedeu entrevista à TV Brasil, quando destacou que, com o plano, o governo não pretende “substituir” o mercado. O governo atuará, segundo Alvarez, como regulador do mercado para garantir que a internet seja mais barata e tenha mais qualidade. (Luciana Lima, repórter da Agência Brasil)

*Edição deste blog

Voto aos 16

PT intensifica campanha junto à juventude


Porto Alegre/RS - A Juventude Nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), em parceria com o diretório municipal do PT, realizou nesta segunda-feira (26/04), sua primeira atividade de incentivo ao voto aos 16 anos em Porto Alegre. Representantes da Executiva Nacional, Estadual e Municipal do partido compareceram ao colégio Júlio de Castilhos munidos de panfletos e adesivos. A escolha do local foi estratégica, segundo a executiva da legenda.

“O Julinho é o maior colégio público do Rio Grande do Sul, por isso a importância de começarmos por aqui”, resumiu Murilo Amatneeks, da Juventude Nacional do PT. Segundo ele, a juventude é muito mais que o futuro, ela deve ser protagonista das mudanças do país, discutindo suas necessidades e participando dos rumos do Brasil. “Ela tem necessidades hoje e pensa hoje. Por isso queremos organizar o pessoal, garantir que façam o título de eleitor e assegurem o direito de participar destas eleições”, completou Amatneeks.

De acordo com Nathalya Corrêa, tesoureira-geral do Grêmio Estudantil do Julinho, a campanha da JPT veio corroborar com as atividades que o colégio já vem realizando. “Nossa campanha interna conseguiu mobilizar cerca de 480 alunos que tiraram o título só neste ano”, disse ela, comentando sobre a animação dos estudantes com a possibilidade de participar do pleito eleitoral deste ano. “Queremos expressar nossa opinião, adquirir experiência. Esse é o nosso grande objetivo”, sintetizou.

A campanha relâmpago pelo Voto aos 16, intitulada As Escolhas da Juventude Mudam a História, segundo Maurício Piccin, Secretário Estadual da Juventude do PT, tem como objetivo estimular a participação consciente da juventude nas eleições deste ano. A campanha dialoga com o alistamento eleitoral do jovem com idade entre 16 e 18 anos, mas também chama a responsabilidade para o protagonismo na disputa que teremos pela frente, disse ele.

Como o prazo para tirar o título de eleitor vai até 05 de maio, serão duas semanas de mobilização e organização, com atividades massivas de rua e de internet. Nas escolas, clubes, praças, blogs e twitter. A Executiva Municipal do PT, segundo o vereador Adeli Sell, presidente da sigla em Porto Alegre, “está engajada nesta campanha de feitura do título. Estivemos também presente no lançamento da campanha do TRE e estaremos presente na porta de todos os colégios em que a campanha será realizada, incentivando a tiragem do título”, finalizou Adeli.

*Fontes: Tatiana Feldens -Asscom PT-POA e Blog do Adeli

(Edição e grifos deste blog)

25 abril 2010

Grândola, Vila Morena



*Grândola Vila Morena
- Autor: Zeca Afonso - Produção: Televisión de Galícia

(Modesta homenagem do blog à Zeca Afonso e ao Povo português no transcurso dos 36 anos da Revolução dos Cravos)

Revolução dos Cravos



Portugal comemora hoje 36 anos da Revolução dos Cravos


A 'Revolução dos Cravos' foi o movimento que derrubou a ditadura salazarista em Portugal, em 25 de abril 1974, de forma a restabelecer as liberdades democráticas e promover transformações sociais no país.

Portugal viveu mais de 40 anos sob as botas do totalitarismo direitista. Após o golpe militar de 1926, foi estabelecida uma ditadura no país. No ano de 1932, Antônio de Oliveira Salazar tornou-se primeiro-ministro das finanças e virtual ditador. Salazar instalou um regime inspirado no fascismo italiano. As liberdades de reunião, de organização e de expressão foram suprimidas com a Constituição de 1933.

Portugal manteve-se neutro durante a Segunda Guerra Mundial. A recusa em conceder independência às colônias africanas e a opressão imperialista que exercia estimulou movimentos guerrilheiros de libertação em Moçambique, Guiné-Bissau e Angola. Em 1968 Salazar sofreu um derrame cerebral e foi substituído por seu ex-ministro Marcelo Caetano, que prosseguiu com sua política. A decadência econômica e o desgaste com a guerra colonial provocaram descontentamento na população e nas forças armadas. Isso fortaleceu a luta dos opositores e intensificou o movimento do povo organizado contra a ditadura.

No dia 25 de abril de 1974, explode a Revolução. A senha para o início do movimento foi dada à meia-noite através de uma emissora de rádio, a senha era uma música proibida pela censura, Grândula Vila Morena, de Zeca Afonso. O levante, também conhecido pelos portugueses como 25 de Abril, foi conduzido pelos oficiais intermdiários da hierarquia militar (o MFA), na sua maior parte capitães que tinham participado na Guerra Colonial e teve um grande apoio popular.

Com o amanhecer as pessoas começaram a juntar-se nas ruas, solidários com os soldados revoltosos. Uma florista das cercanias começou a distribuir cravos vermelhos para os soldados, que depressa os colocaram nos canos das armas.

O cravo vermelho tornou-se o símbolo da Revolução de Abril de 1974. Os militares, apoiados pela população, fizeram com que o ditador Marcelo Caetano fosse deposto, o que resultou na sua fuga para o Brasil, que vivia também sob uma ditadura militar. A presidência de Portugal foi então assumida interinamente pelo general António de Spínola e o regime democrático acabou sendo restaurado no país.

*Com http://www.historiadomundo.com.br/

(Edição deste blog)

O Ciúme



*Caetano Veloso & Gal Costa - O Ciúme

24 abril 2010

Ciro Gomes












O dilema de Ciro

Emir Sader escreve:

Consta que, antes que concluísse que Dilma era a candidata natural do seu governo, Lula abrigava a idéia de lançar a candidatura de Ciro Gomes. Fiel ministro do seu governo, com recall de outras campanhas, ainda tinha a vantagem de aparecer como candidato suprapartidário, sem passar pelos embates internos do PT. Daí o discurso de Lula, durante um certo tempo, de que o candidato poderia ser da base do governo, sem ser do PT.

Isso incentivava a aglutinação dos outros partidos de esquerda da base do governo, reunindo descontentamentos diversos sobre a hegemonia do PT e a possibilidade de disputar-lhe a predominância no campo do governo, por dispor de um candidato com circulação nacional.

Foi assim que se constituiu o bloquinho do PSB, do PC do B e do PDT, em que se apoiou Ciro para se lançar como pré-candidato.

Quando Lula se definiu por Dilma, criou-se um dilema para o bloquinho e para Ciro. Este foi se deslocando para um discurso de que sua candidatura ajudaria a ter segundo turno, frente ao favoritismo nas pesquisas de Serra, enquanto o bloquinho foi se desfazendo. O PC do B foi o primeiro a se distanciar, somando-se ao projeto do Lula, enquanto ao poucos o PDT foi acompanhando-o. O mesmo processo teria se dado no PSB – sentindo já a inviabilização da candidatura de Ciro, tanto conforme Dilma subia nas pesquisas e Ciro ficava relegado a um espaço residual, como o partido ficada isolado, desfazendo-se o bloquinho. A dificuldade estava em que Ciro está filiado ao PSB e sua personalidade incontrolável gerava sempre temores dos efeitos da retirada da sua candidatura.

Ciro, com todos os méritos que passou a ter mais recentemente, tem características de político nordestino tradicional. Sua própria relação promiscua com Tasso Jereissati – ele, tão drástico, com razão, em varias situações, na critica ao PMDB, poupa seu padrinho, renomado político direitista do tucanato – e seu gênio, fazendo prevalecer sua idiossincrasia sobre construções políticas coletivas, confirmam isso.

No governo Lula, seu mérito, para Lula, foi sua fidelidade, especialmente nos momentos mais difíceis para o governo. Mas teve um desempenho fraco, sem projeção, sem ter protagonizado a polarização contra o controle férreo que Palocci tinha no governo. Saiu em baixo perfil e se dedicou à sua candidatura que, conforme definhava, foi aumentando seu isolamento e suas erráticas declarações.

Todos sabiam que sua candidatura estava morta – inclusive ele -, mas todos tinham medo de ir comunicar-lhe, temendo suas reações intempestivas. O presidente do PSB queria que Lula o fizesse, mas não podia, diante do seu partido e do próprio Ciro, aparecer abrindo mão das suas responsabilidades.

O cenário eleitoral deste ano não encontra mais espaço para ele. Sua idiossincrasia pode levá-lo a um ultimo ato muito negativo – como se prevê pelo seu elogio do seu inimigo mortal, aquele que o massacrou na campanha de 2002 e na critica da Dilma, demonstrando como o despeito, o rancor, por conduzi-lo por um péssimo final. Se parece em parte a Itamar, um ex-presidente com uma imagem simpática, mas que passará à história por ser que lançou FHC e o Plano Real e agora se associa aos tucanos, por rancor do governo Lula.

Ciro pode terminar melancolicamente, ranzinza, prestando serviços à direita. Ou pode demonstrar altura de estadista, se sobrepor a este revés e escolher o que lhe parece melhor para o Brasil que, como ele sempre tinha afirmado, seria a continuidade do governo Lula. Com ele está sua imagem final. Os jornais da direita já comemoram sua conversão. Ele se disporá a esse triste papel?

*Fonte: Blog do Emir - http://www.cartamaior.com.br/templates/postMostrar.cfm?blog_id=1&post_id=455

**Foto: Arquivo Google (Edição deste blog)

23 abril 2010

STF












A Idade Mendes


Leandro Fortes escreve:

No fim das contas, a função primordial do ministro Gilmar Mendes à frente do Supremo Tribunal Federal foi a de produzir noticiário e manchetes para a falange conservadora que tomou conta de grande parte dos veículos de comunicação do Brasil. De forma premeditada e com muita astúcia, Mendes conseguiu fazer com que a velha mídia nacional gravitasse em torno dele, apenas com a promessa de intervir, como de fato interveio, nas ações de governo que ameaçavam a rotina, o conforto e as atividades empresariais da nossa elite colonial. Nesse aspecto, os dois habeas corpus concedidos ao banqueiro Daniel Dantas, flagrado no mesmo crime que manteve o ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda no cárcere por 60 dias, foram nada mais que um cartão de visitas. Mais relevante do que tudo foi a capacidade de Gilmar Mendes fixar na pauta e nos editoriais da velha mídia a tese quase infantil da existência de um Estado policialesco levado a cabo pela Polícia Federal e, com isso, justificar, dali para frente, a mais temerária das gestões da Suprema Corte do País desde sua criação, há mais cem anos.

Num prazo de pouco menos de dois anos, Mendes politizou as ações do Judiciário pelo viés da extrema direita, coisa que não se viu nem durante a ditadura militar (1964-1985), época em que a Justiça andava de joelhos, mas dela não se exigia protagonismo algum. Assim, alinhou-se o ministro tanto aos interesses dos latifundiários, aos quais defende sem pudor algum, como aos dos torturadores do regime dos generais, ao se posicionar publicamente contra a revisão da Lei da Anistia, de cuja à apreciação no STF ele se esquivou, herança deixada a céu aberto para o novo presidente do tribunal, ministro Cezar Peluso. (...)

*Leia o artigo completo do jornalista Leandro Fortes (Blog Brasília, eu vi) Clicando Aqui

*Foto: Ato pelo impedimento de Gilmar Mendes (Brasília, 2009)

Edição deste blog

Com Elis, na madrugada...



*Corsário - De Aldir Blanc/João Bosco, com Elis Regina

22 abril 2010

Terra














Dia do Planeta Terra

Dilma Rousseff escreve:

O Brasil tem dado uma grande contribuição no combate ao aquecimento global, um desafio do nosso tempo. Superá-lo exige um esforço compartilhado, coerente com as responsabilidades e possibilidades de cada país.

Na Conferência do Clima, em Copenhagen, em 2009, assumimos voluntariamente a meta de reduzir, até 2020, entre 36% e 39%, as emissões de gases que provocam o efeito estufa, e também em 80% o desmatamento na Amazônia e em 40% no cerrado. É uma das metas mais ambiciosas assumidas por um país. Vamos cumpri-la.

Nenhum outro país avançou tanto na utilização de fontes de energia renováveis, limpas, como o nosso. Mais de 46% de toda a energia consumida no Brasil provem de usinas hidrelétricas e da utilização de biomassa.

Estamos vencendo a luta contra o desmatamento da Amazônia.

No governo do presidente Lula, o tamanho da área deflorestada vem caindo ano após ano, até alcançarmos o recorde de 75 % no ano passado.

Estamos provando que é possível fazer o país crescer e desenvolver-se, social e economicamente, respeitando o meio ambiente. Nessa matéria ninguém pode nos dar lições. No Brasil, sabemos amar e respeitar a natureza em que vivemos. Thiago de MelloO animal da floresta De madeira lilás (ninguém me crê) se fez meu coração. Espécie escassa de cedro, pela cor e porque abriga em seu âmago a morte que o ameaça.

Madeira dói?, pergunta quem me vê os braços verdes, os olhos cheios de asas. Por mim responde a luz do amanhecer que recobre de escamas esmaltadas as águas densas que me deram raça e cantam nas raízes do meu ser. No crepúsculo estou da ribanceira entre as estrelas e o chão que me abençoa as nervuras. Já não faz mal que doa meu bravo coração de água e madeira.Hoje é o Dia da Terra. No mundo inteiro pessoas e organizações se mobilizam em torno de uma questão que se tornou fundamental para o presente e o futuro: a conservação do planeta, de nosso meio ambiente, da biodiversidade.

O Brasil tem dado uma grande contribuição no combate ao aquecimento global, um desafio do nosso tempo. Superá-lo exige um esforço compartilhado, coerente com as responsabilidades e possibilidades de cada país.

Na Conferência do Clima, em Copenhague, em 2009, assumimos voluntariamente a meta de reduzir, até 2020, entre 36% e 39%, as emissões de gases que provocam o efeito estufa, e também em 80% o desmatamento na Amazônia e em 40% no cerrado. É uma das metas mais ambiciosas assumidas por um país. Vamos cumpri-la.

Nenhum outro país avançou tanto na utilização de fontes de energia renováveis, limpas, como o nosso. Mais de 46% de toda a energia consumida no Brasil provem de usinas hidrelétricas e da utilização de biomassa.

Estamos vencendo a luta contra o desmatamento da Amazônia. No governo do presidente Lula, o tamanho da área deflorestada vem caindo ano após ano, até alcançarmos o recorde de 75 % no ano passado.

Estamos provando que é possível fazer o país crescer e desenvolver-se, social e economicamente, respeitando o meio ambiente. Nessa matéria ninguém pode nos dar lições. No Brasil, sabemos amar e respeitar a natureza em que vivemos.

Neste dia compartilho com vocês o poema "O Animal da Floresta" de Thiago de Mello:

De madeira lilás (ninguém me crê)

se fez meu coração. Espécie escassa

de cedro, pela cor e porque abriga

em seu âmago a morte que o ameaça.

Madeira dói?, pergunta quem me vê

os braços verdes, os olhos cheios de asas.

Por mim responde a luz do amanhecer

que recobre de escamas esmaltadas

as águas densas que me deram raça

e cantam nas raízes do meu ser.

No crepúsculo estou da ribanceira

entre as estrelas e o chão que me abençoa

as nervuras.

Já não faz mal que doa

meu bravo coração de água e madeira.

*Fonte: http://www.dilmanaweb.com.br/noticias/entry/dia-do-planeta-terra/

VEM AÍ:














By Cloaca News (grande parceiro!)

Em defesa dos 'pequenos'...

Pequenos empresários ganham apoio de Frente Parlamentar



Será instalada pela Câmara Municipal de Porto Alegre, às 19 horas desta quinta-feira (22/4), a Frente Parlamentar em Defesa do Micro, Pequeno e Médio Empreendedor.

Proposta pelo vereador Mauro Pinheiro (PT), essa Frente deverá desenvolver ações de apoio e valorização aos empresários que formam essa categoria na Capital. A instalação, que terá por local o Plenário Otávio Rocha, deverá contar com as presenças do presidente do SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, Paulo Okamotto (foto), do presidente da Associação Gaúcha de Supermercados, Antônio Cesa Longo, e do advogado tributarista Moisés Giacomelli, além de representates de redes mercadistas de pequeno e médio porte do Município.

20 abril 2010

Porto Alegre/RS















NOVO BOLETIM DO PT/POA JÁ ESTÁ NAS RUAS

Publicação petista mostra o abandono da cidade promovido pelo ex-prefeito José Fogaça (PMDB). É assim que ele quer (des)governar o Estado?

Porto Alegre/RS - Foi apresentado nesta terça-feira (20/04) o novo Boletim Informativo da bancada de vereadores e do Diretório Municipal do Partido dos Trabalhadores. Nesta edição, foi realizado um diagnóstico dos serviços da cidade e criticado o abandono e o descaso com Porto Alegre pelo ex-prefeito José Fogaça, do PMDB.

Segundo consta no Boletim, "durante todos os anos que esteve à frente da prefeitura, Fogaça nunca se importou de fato com a capital dos gaúchos. A prova disso tudo vem quando olhamos para a cidade e vemos postos de saúde fechados, calçadas e ruas esburacadas, falta de atendimento básico de saúde, queda nos investimentos, esvaziamento do Orçamento Participativo, corrupção, redução de professores na Educação, iluminação precária das vias públicas, abandono da cultura, sujeira nas ruas e na orla do Guaíba e privatização dos espaços públicos. "

Segundo o vereador Carlos Comassetto, líder da bancada do PT na Câmara, "estamos mostrando a desqualificação da cidade de Porto Alegre, área por área, ponto por ponto". "Fogaça, nos seus 6 anos e 4 meses, foi um governo nota 3,8 e nosso desafio é ampliar esse debate na cidade e fazer com que a informação consiga transitar".

"Queremos fazer a sociedade perceber este sentimento de degradação e de abandono que Fogaça deixou para Porto Alegre", completou o presidente municipal do PT, vereador Adeli Sell.

No Boletim do PT/PoA você vai ver passo a passo o retrato do abandono que José Fogaça deixou na cidade. Abaixo, alguns dados informativos da caótica situação de abandono da capital dos gaúchos:

Saúde: Caótica!

A média de execução dos investimentos da prefeitura na saúde da cidade durante o período de 2005 a 2008 foi de apenas R$ 3,3 milhões, baixíssimo em relação ao orçamento total da prefeitura que é de aproximadamente R$ 3 bilhões.

Prefeitura investe pouco e gasta mal

O investimento médio da prefeitura, entre 2005 e 2008, foi de apenas 38% do que estava previsto no Orçamento. A taxa média de investimentos que era de 10% entre 1996/2004 passou para 5,8% entre 2005/2008.

Porto Alegre é o município com o maior número de soropositivos do Brasil

Contabiliza 111 casos por cada 100 mil havitantes, de acordo dados do Ministério da Saúde. O ranking mostra que só na capital estão concentrados quase 50% das contaminações no Estado. Mesmo assim, em 23 meses de repasse, aplicou apenas R$ 504 mil, em 2009, para combater a Aids.

Obras Públicas = Menos Pavimentação e conservação das ruas

Transporte mais caro e a circulação mais lenta = população sentiu no bolso o aumento da passagem em 19%

Cidade às escuras

Abandono da limpeza urbana

Corrupção: muitas foram as supeitas de corrupção envolvendo o DMLU. Os dois primeiros indicados para diretor-geral do órgão foram demitidos por envolvimento com irregularidades.

Privatização dos espaços públicos

Limpeza Urbana = redução nos serviços e na educação ambinetal

Cresce o gasto com publicidade

2003/2004 gasto médio anual de R$ 7,5 milhões
2005/2009 gasto médio anual de 11,5 milhões

Terceirização

Aumento na contratação de serviços de terceiros

Assistência Social = abandono e falta de investimentos

Cultura = queda no público e abandono

***
*Fonte: Asscom - Assessoria de Comunicação do PT-POA

**Fotos (do Blog do Adeli): Acima, portoalegrense lendo o Boletim; ao centro, flagrante da reunião da Direção Mun. do PT com vereadores, jornalistas e blogueiros (o presidente do PT, ver. Adeli Sell, ao centro, falando. Este blogueiro é o primeiro à esquerda).

19 abril 2010

DILMAnaweb



SITE DA DILMA FOI LANÇADO HOJE

Foi lançado hoje - e já está no ar - o site oficial da pré-candidata à presidenta da República pelo Partido dos Trabalhadores, a ex-ministra Dilma Roussef. A pré-candidata petista enviou uma saudação especial à todos os internautas (veja acima), marcando essa nova fase da sua pré-campanha rumo ao Planalto.

Para visitar o sítio DILMA NA WEB é só clicar no seguinte endereço: http://www.dilmanaweb.com.br

Clique Aqui para assessar a entrevista concedida pela companheira Dilma Roussef à internautas, por ocasião do lançamento hoje realizado.

18 abril 2010

Sobre pesquisas eleitorais



Como manipular pesquisas


Luis Nassif escreve:

Inicialmente, uma ressalva importante: com base nos dados até agora divulgados, não dá para acusar o Datafolha de ter fraudado a pesquisa. Há uma suspeita relevante, devido à disparidade de resultados da penúltima pesquisa em relação às demais. E às circunstâncias que cercaram o levantamento: pesquisa extraordinária, não prevista, com alguns resultados incompreensíveis (como os da subida de Serra no Rio Grande do Sul).

Vou demonstrar algumas maneiras matemáticas de manipular pesquisas, para que se definam algumas linhas de avaliação das pesquisas divulgadas.

Para definir o universo pesquisado, primeiro o instituto mapeia as chamadas regiões homogêneas do estado – áreas onde haja um comportamento similar entre os eleitores. Faz o mesmo para os bairros das regiões metropolitanas.

Definido o universo, escolhe alguns municípios (ou bairros) que teoricamente representariam a média do universo pesquisado. E lá faz as entrevistas.

Depois de um bom histórico de pesquisas, conhece-se o comportamento de cada zona, de cada cidade. Sabe-se que há uma dispersão nas conclusões dos diversos municípios ou bairros em cada zona homogênea. Para manipular a pesquisa, então, basta selecionar – em cada zona homogênea – o município cujo perfil de votação atenda às necessidades de manipulação. E transpõem-se o resultado da parte para o todo. (...)

*Leia o artigo completo do jornalista Luis Nassif Clicando Aqui

Pesquisa Datafolha, Ibope...














*Charge do Bessinha


**PiG
: Partido da Imprensa Golpista

17 abril 2010

Meu Erro...



*Meu Erro - Paralamas do Sucesso

Dilma no RS











Dilma participa de plenária com Movimentos Sociais

Porto Alegre/RS - Ao discursar por mais de meia hora durante o primeiro ato de apoio a sua candidatura à Presidência da República em solo gaúcho, a ex-ministra Dilma Rousseff exaltou os feitos do governo federal liderado pelo Presidente Lula, como o Programa Luz para Todos, o Prouni, a política externa soberana e independente, a redução de IPI para a linha branca, a geração de emprego e renda para milhões de brasileiros e o Programa Minha Casa, Minha Vida.

A plenária organizada pelo PT gaúcho com movimentos sociais, centrais sindicais e partidos políticos da base aliada de Lula ocorreu na manhã deste sábado (17.04), no Colégio Rosário. Mais de mil militantes compareceram ao salão de atos munidos de muito entusiasmo, disposição de luta, camisetas e bandeiras da Centrais Sindicais, PT e PC do B.

Dilma discursou também para representantes dos agricultores, do movimento negro, dos estudantes, dos sem-teto, da CUT e demais centrais sindicais. Entre os políticos presentes, estavam o ex-ministro da Justiça Tarso Genro, candidato a governador no Estado, deputados federais e estaduais do PT, PDT e PC do B, prefeitos, vereadores e o senador Paulo Paim (PT/RS).

Ao lado do ex-governador Olívio Dutra, ela relembrou sua trajetória política, iniciada aqui no Rio Grande do Sul. Dilma foi secretária de Olívio durante o governo da Frente Popular (1999/2002). "Tenho dois Estados nos quais eu me criei e me formei: um é Minas e outro é o Rio Grande do Sul", afirmou a ex-ministra. Dilma emocionou-se várias vezes, principalmente ao lembrar o período dos 'anos de chumbo' da ditadura militar (onde foi presa e barbaramente torturada) e da necessidade dos resistentes de burlar os torturadores para salvar a vida dos companheiros. 'Muito diferente dos tempos atuais em nosso país, onde agora vivemos uma plena democracia', enfatizou.

Geração de Empregos

Dilma Roussef iniciou roteiro de compromissos no Rio Grande do Sul na quinta-feira (15) falando para mais de 130 empresários na sede da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul ao meio-dia. A ex-ministra chefe da Casa Civil focou seu discurso na economia a comparou os governos Lula e FHC:

— Em 2003, as duas palavras principais no país eram estagnação e desigualdade. São palavras que comprometiam nossos sonhos, porque parecia que nunca chegaria a vez do nosso país — disse. Ela também ressaltou que o número de empregos com carteira assinada no mês de março representou um recorde histórico: 266.415 mil vagas.

*Com a Asscom - Assessoria de Imprensa do PT-POA e sítio do PT/RS

**Foto: Blog do Adeli

(Edição e grifos deste blog)

16 abril 2010

Sorria



*
Charles Chaplin - 'Smile' - Trilha do filme 'Tempos Modernos', de 1936 - canta: Michael Jackson

Sorria

Sorria, embora seu coração esteja doendo
Sorria, mesmo que ele esteja partido
Quando há nuvens no céu,
Você conseguirá...

Se você sorrir
Com seu medo e tristeza
Sorria e talvez amanhã
Você verá que a vida continua se você apenas...
Ilumine sua face com alegria
Esconda todo rastro de tristeza
Embora uma lágrima possa estar tão próxima
Este é o momento que você tem que continuar tentando
Sorria, qual a utilidade do choro?
Você descobrirá que a vida ainda continua
Se você apenas...sorrir

Se você sorrir
Com seu medo e tristeza
Sorria e talvez amanhã
Você verá que a vida continua
Se você apenas... sorrir

Este é o momento que você tem que continuar tentando
Sorria, qual a utilidade do choro?
Você descobrirá que a vida ainda continua
Se você apenas...sorrir

***

*Homenagem do blog a Charles Spencer Chaplin Jr. (Londres, 16 de Abril de 1889 — Corsier-sur-Vevey, 25 de Dezembro de 1977). Se vivo, Charles Chaplin (o imortal Carlitos) estaria completando hoje 121 anos.

30 ANOS!











*É hoje o Grande Baile dos 30 anos do PT!


Animação: The Beatles Fan Club Band e DJs

Horas: à partir das 22h

Local: Clube Farrapos, na Avenida Cristiano Fischer, 1331 - Porto Alegre/RS

*Convites disponíveis nas nossas sedes estadual, municipal e em todos os gabinetes dos parlamentares do PT. Disponíveis também no local, à noite.

Todos lá!

14 abril 2010

Debate










A questão do socialismo

*Por Wladimir Pomar

O programa petista de governo, mesmo que inclua algumas reformas estruturais, ainda ficará nos limites do capitalismo de características brasileiras. Isto se deve, em grande parte, ao fato objetivo de que no Brasil as forças produtivas sociais ainda não se desenvolveram plenamente e a luta de classes ainda não ganhou contornos suficientemente definidos.

Embora seja um país continental, com possibilidades de desenvolver quase todas as cadeias produtivas industriais necessárias ao atendimento das suas necessidades sociais, o Brasil ainda tem lacunas consideráveis. Por exemplo, é fraco na produção de máquinas-ferramentas, máquinas pesadas, componentes eletrônicos e outros produtos de média e alta tecnologia. Basta passar em revista a pauta do comércio externo para verificar o quanto o Brasil depende da importação desses e de outros bens de capital.

O Brasil também está atrasado no desenvolvimento das ciências e tecnologias como principais forças produtivas. Ele possui alguns setores avançados, como os de softwares específicos e de tecnologias de sondagem e exploração petrolífera de grande profundidade. No entanto, basta comparar a quantidade de patentes registradas pelo Brasil com os números de registros dos demais países emergentes para verificar o quanto estamos atrasados nas áreas que decidem o futuro do desenvolvimento. Portanto, o Brasil ainda tem um caminho relativamente longo no desenvolvimento das forças produtivas, antes que elas entrem em conflito inconciliável com as relações assalariadas de produção.

Por outro lado, a luta de classes no Brasil enveredou por um caminho institucional que tem permitido realizar uma certa harmonização entre os interesses contrários das classes populares e das classes dominantes. Mesmo contra a vontade, a burguesia se viu constrangida a correr o risco de deixar que partidos populares, como o PT e os partidos socialistas e comunistas, se tornassem instituições capazes de disputar eleitoralmente parte do Estado e governar diversos níveis da federação, inclusive o central.

Esta é uma situação política completamente diferente de todas as demais situações históricas vividas pelo povo brasileiro até 1989. É verdade que, em 1928, os comunistas e socialistas tentaram participar do processo eleitoral. E que, em 1946, os comunistas apresentaram candidatos à presidência, governos de estados e prefeituras. Entretanto, seus poucos prefeitos eleitos foram impedidos de tomar posse. Logo depois, em 1947, o PCB teve o registro cassado, foi jogado na clandestinidade e seus senadores, deputados e vereadores também tiveram seus mandatos cassados.

Infelizmente, tem gente que desconhece que, durante um século de República, o Brasil viveu apenas alguns poucos suspiros democráticos. A maior parte do tempo viveu sob diferentes formas ditatoriais. Primeiro, as ditaduras militares e civis da oligarquia dos coronéis do sertão da República Velha. Depois, a ditadura de transição de Vargas e a ditadura aberta do Estado Novo. Em pouco mais de dois anos, a democracia da Constituinte de 1946 foi substituída pelas ditaduras disfarçadas de Dutra e Getúlio. Sob Juscelino, Jânio e Jango, o Brasil viveu momentos instáveis de democracia. E, entre 1964 e 1984, uma ditadura militar aberta, embora mantendo um parlamento de fachada.

Assim, se compararmos a situação atual com todos os demais períodos históricos brasileiros, por mais que achemos que a democracia hoje existente ainda é parcial, restrita e insuficiente, será difícil não reconhecer que o Brasil nunca antes viveu um período democrático tão amplo como o atual. Esta é uma conquista do povo brasileiro, mas ela também trouxe problemas e desafios que os revolucionários de todos os matizes não supunham possíveis.

Diante deles, alguns se fazem de cegos e atacam os defeitos da situação atual sem pensar no que representam de avanços da luta democrática e popular. Outros acham que conquistaram o paraíso e se contentam com os limites existentes. E os que sabem que a luta de classes, mais cedo ou mais tarde, vai levar a crises diversas na harmonização dos contrários, ainda se encontram nas preliminares para traçar uma estratégia e táticas mais claras para a nova situação.

De qualquer modo, a realidade reside em que quanto mais o governo democrático e popular desenvolver as forças produtivas, isto é, as ciências, tecnologias, cadeias industriais, infra-estrutura de transportes, energia e comunicações e a capacidade educacional e técnica da força de trabalho, e quanto mais ampliar a presença da propriedade estatal e pública na sociedade brasileira, mais estará criando condições para transformações socialistas, mesmo que não tenha plena consciência disso.

É evidente que isso não basta para implantar o socialismo. Nem significa necessariamente a passagem natural de uma formação econômico-social para outra. Nós vimos, na presente crise mundial do capitalismo, como os governos que representam o capital foram rápidos em adotar a propriedade estatal e a propriedade pública para salvar a propriedade privada. Portanto, a questão chave não está apenas na existência de formas "socializadas" de propriedade. Está, fundamentalmente, no caráter do poder político, e se este utiliza as formas socializadas em benefício dos trabalhadores e das camadas populares, ou em benefício dos capitalistas.

Isto deverá obrigar os socialistas, se quiserem ter mais clareza sobre a luta do futuro, a discutirem mais seriamente não apenas os problemas do desenvolvimento econômico e social, mas também os problemas relacionados com a democratização do poder político, ou do Estado. Talvez a disputa eleitoral de 2010 seja um momento privilegiado para dar início ao tratamento dessa questão.

*Wladimir Pomar (foto) é escritor, militante de esquerda e analista político.

*Fonte: Correio da Cidadania - http://www.correiocidadania.com.br


Sabotagem















Guerra virtual: Portal do PT volta ao normal após ataque de invasores

O portal do PT esteve indisponível por mais de 24 horas e somente retornou à normalidade na tarde desta terça-feira (13). Devido a alertas emitidos na manhã de segunda-feira (12), a Secretaria Nacional de Comunicação decidiu tirar o portal do ar e solicitar uma varredura.

Após as análises realizadas pela empresa responsável pelo suporte técnico, concluiu-se que o portal sofreu uma "inserção de iframes maliciosos em diversos arquivos, com extensão .html e .php". Um iframe é uma seção de uma página web que carrega o conteúdo de outra página ou site.

Segundo os técnicos, os invasores "injetam iframes maliciosos em uma página web ou em outro arquivo do servidor HTTP. E na maioria dos casos esses iframes são configurados para que eles não aparecam na página web quando alguém faz a visita, mas o conteúdo malicioso que está no iframe acaba sendo carregado".

De acordo com a conclusão técnica, parte dos arquivos que compõem o portal do PT sofreram "a inserção do código suspeito no dia 12 de abril de 2010 às 3h05". A ação foi realizada com a utilização de acesso indevido e a sua origem deverá ser apurada.

Foram realizados trabalhos de "limpeza" de todos os arquivos, não tendo sido registrados danos aos sistemas básicos dos servidores do portal. O portal está recuperado e funciona normalmente.

Com relação aos usuários que acessaram o portal PT, os técnicos afirmaram que é aconselhável que eles adotem as medidas cabíves de varredura de suas máquinas com a utilização de softwares antivírus.

Dentro em breve também serão normalizados os acessos ao portal, através do Firefox e também com relação aos serviços de busca no Google.

O secretário nacional de Comunicação do PT, André Vargas, lamentou o ocorrido. "É lamentável essa ação de desocupados na rede de computadores. É coisa de gente que não gosta do PT", afirmou.

Vargas também comentou as suspeitas levantadas desde ontem de que o incidente estivesse ligado a uma "guerra suja na internet", deflagrada pelos aliados do candidato tucano José Serra. "Esperamos sinceramente que a candidatura adversária não esteja estimulando este tipo de comportamento. Isso seria péssimo para a democracia", enfatizou.

*Fonte: http://www.pt.org.br/portalpt/noticias/

13 abril 2010

Pesquisa Sensus



Sensus: Dilma sobe e empata com Serra

Do sítio Vi o Mundo: A Sensus divulgou nesta tarde a segunda rodada de pesquisa de opinião com vistas à eleição à presidência da República. Encomendada pelo Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Construção Pesada de São Paulo (Sintrapav), revela que Dilma Rousseff (PT) subiu e José Serra caiu. Dilma tem 32,4% das intenções de voto e está empatada com Serra (32,7%) na pesquisa estimulada, ou seja, entrevistador mostra a cartela para o entrevistado. Na pesquisa anterior, divulgada em fevereiro, Dilma tinha 27,8% e Serra, 33,2%.

Já na pesquisa espontânea, Dilma está na frente com 16% das intenções de voto. José Serra vem em terceiro lugar com 13,6%. Os votos dados à Dilma e ao presidente Lula somam 31,3%.

A pesquisa foi realizada em 136 municípios de 24 Estados. Entrevistou 2.000 pessoas entre os dias 5 e 9 de abril de 2009. A margem de erro é de 2,2% para cima ou para baixo.

Segundo a Sensus, “as 2.000 entrevistas foram estratificadas para 5 Regiões e 24 Estados, com o sorteio aleatório 136 Municípios pelo método da Probabilidade Proporcional ao Tamanho – PPT. Probabilística sistemática até o Setor Censitário para Urbano e Rural, com cotas para Sexo, Idade, Escolaridade e Renda no Setor Censitário”.

*Fonte: Vi o Mundo - http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/sensus-dilma-sobe-e-empata-com-serra.html

12 abril 2010

Tijolaço










Serra, o Brasil não pode mais…


Brizola Neto escreve:

Li boa parte de seu discurso, senhor José Serra. Talvez eu seja hoje o que o senhor foi, na minha idade, quando era um jovem, que presidia a União Nacional dos Estudantes e apoiava o Governo João Goulart no Comício da Central. Quando o senhor defendia o socialismo que hoje condena, o patriotismo que hoje trai, o desenvolvimento autônomo do Brasil do qual hoje o senhor debocha.

O senhor, como Fernando Henrique, é útil aos donos do Brasil – sim, Serra, o Brasil tem donos, poque 1% dos brasileiros mais ricos tem o mesmo que todos os 50% mais pobres – porque foi diferente no passado e, hoje, cobre-se do que foi para que não lhe vejam o que é.

O símbolo do Brasil que não pode mais, que não pode ser mais como o fizeram.

Não pode mais o Brasil ser das elites, porque nossas elites, salvo exceções, desprezam nosso povo, acham-no chinfrim, malandro, preguiçoso, sujo, desonesto, marginal. Têm nojo dele, fecha-lhe os vidros com película para nem serem vistos.

Não pode mais ser o país das elites, porque nossas elites, em geral, não hesitam em vender tudo o que este país possui – como o senhor, aliás, incentivou fazer – para que a “raça superior” venha aqui e explore nossas riquezas de maneira “eficiente” e “lucrativa”. Para eles, é claro, e para os que vivem de suas migalhas.

Não pode mais ser o Brasil dos governantes arrogantes, como o senhor, que falam de cima – quando falam – que empolam o discurso para que, numa língua sofisticada, que o povo não entende, negociem o que pertence a todos em benefício de alguns.

Não pode mais ser o país dos sábios que, de tão sabidos, fizeram ajoelhar este gigante perante o mundo e nos tornaram servos de uma ordem econômica e política injustas. O país dos governantes “cultos”, que sabem miar em francês e dizer “sim, senhor” em inglês.

Não pode mais ser o país do desenvolvimento a conta-gotas, do superávit acima de tudo, dos juros mais acima de tudo ainda, dos lucros acima do povo, do mercado acima da felicidade, do dinheiro acima do ser humano.

O Brasil pode hoje mais do que pôde no governo que o senhor fez parte.

Pôde enfrentar a mais devastadora crise econômica mundial aumentando salário, renda, consumo, produção, emprego quando passamos décadas ouvindo, diante numa crise na Malásia ou na Tailândia que era preciso arrochar mais o povo.

Pôde falar de igual para igual no mundo, pôde retomar seu petróleo, pôde parar de demitir, pôde retomar investimentos públicos, pôde voltar a investir em moradia, em saneamento, em hidrelétricas, em portos, em ferrovias, em gasodutos. Pôde ampliar o acesso à educação, ainda que abaixo do que mereça o povo, pôde fazer imensas massas de excluídos ingressarem no mundo do consumo e terem direito a sonhar.

Pôde, sim, assumir o papel que cabe no mundo a um grande país, líder de seus irmãos latinoamericanos.

O Brasil pôde ser, finalmente, o país em que seu povo não se sente um pária. Uma país onde o progresso não é mais sinônimo de infelicidade.

É por isso, Serra, que o Brasil não pode mais andar para trás. Não pode voltar para as mãos de gente tão arrogante com seu povo e tão dócil aos graúdos. Não pode mais ser governado por gente fria, que não sente a dor alheia e não é ansiosa e aflita por mudar.

Não pode mais, Serra, não pode mais ser governado por gente que renegou seus anos mais generosos, mais valentes, mais decididos e que entregou seus sonhos ao pragmatismo, que disfarça de si mesmo sua capitulação ao inimigo em nome do discurso moderno, como se pudesse ser moderno aquilo que é apoiado pelo Brasil mais retrógrado, elitista, escravocrata, reacionário.

Há gente assim no apoio a Lula e a Dilma, por razões de conveniência-político eleitoral, sim. Mas há duzentas vezes mais a seu lado, sem qualquer razão senão a de ver que sua candidatura e sua eleição são a forma de barrar a ascenção da “ralé”. Onde houver um brasileiro empedernidamente reacionário, haverá um eleitor seu, José Serra.

Normalmente não falaria assim a um homem mais velho, não cometeria tal ousadia.

Mas sinto esta necessidade, além de mim, além de minha timidez natural, além de minha própria insuficiência. Sinto-me na obrigação de ser a voz do teu passado, José Serra. É um jovem que a Deus só pede que suas convicções não lhes caiam como o tempo faz cair aos cabelos, que suas causas não fraquejem como o tempo faz fraquejar o corpo, que seu amor ao povo brasileiro sobreviva como a paixão da vida inteira. Que o conhecimento, que o tempo há de trazer, não seja o capital de meu sucesso, mas ferramenta do futuro.

Vi um homem, já idoso, enfrentar derrotas eleitorais e morrer como um vitorioso, por jamais ter traído as idéias que defendeu. Erros, todo humano os comete. Traição, porém, é o assassinato de nós mesmos. Matamos quem fomos em troca de um novo papel.

Talvez venha daí sua dificuldade de dormir.

Na remota hipótese de vencer as eleições, José Serra, o senhor será o derrotado. O senhor é o algoz dos seus melhores sonhos.

*Brizola Neto é deputado federal pelo PDT/RJ

**Fonte: Blog Tijolaço - http://www.tijolaco.com/

***Foto acima: Serra e FHC

(Edição deste blog)

10 abril 2010

Baile do PT/Poa


Uma noite para encontrar e reencontrar nossa militância

Uma noite de encontros, reencontros e congraçamento de nossa militância, regada de muitas risadas, gente alegre e boa música.

É isso que a executiva municipal do PT propõe a todos os companheiros e companheiras para o próximo dia 16 de abril, às 22h, no Clube Farrapos.

"Queremos marcar de forma inquestionável a passagem destes 30 anos de luta do nosso PT pela democracia, pela paz, pela inclusão social e pelas mudanças que fizemos pelos nossos governos federal, estadual e municipal. Sem deixar de lembrar o nosso importante papel em todos as esferas do parlamento", diz o presidente do PT-POA , vereador Adeli Sell.

Trata-se de um ato festivo de uma grande arrancada para a volta do PT e seus aliados ao Piratini e na tentativa de eleger a primeira mulher presidente da República.

"Não há dúvidas que 2010 será um ano inesquecível para todos os nossos militantes", comemora Adeli.

Os convites estão disponíveis nas nossas sedes estadual e municipal e em todos os gabinetes parlamentares.

Existe também um serviço especial de convites e reservas com comp. Clóvis pelo telefone 92926189.

Reserve já sua noite!

Serviço

O quê? Grande Baile dos 30 anos do PT

Com quem? The Beatles Fan Club Band

Quando?: 16 de abril

Horas: à partir das 22h

Onde?: Clube Farrapos, na Avenida Cristiano Fischer, 1331

Quanto?: de R$ 10,00 a R$ 100,00

Onde comprar? Convites disponíveis nas nossas sedes estadual, municipal e em todos os gabinetes dos parlamentares do PT.

Fonte: Asscom - PT/Poa

08 abril 2010

Defensores Públicos












Defensores Públicos: indispensáveis para que Justiça não seja privilégio

João Baptista Herkenhoff escreve:

A Defensoria Pública é o órgão a que incumbe a orientação jurídica e a defesa dos necessitados.

A Constituição Federal define a Defensoria Pública como instituição essencial à função jurisdicional do Estado, ou seja, diz a Constituição que a Defensoria Pública é essencial para que o Estado distribua Justiça.

Se aos pobres não fosse proporcionada a assistência da Defensoria Pública estaria negado o princípio democrático do direito universal à Justiça.

Prestando orientação jurídica aos cidadãos e cidadãs socialmente desprotegidos e promovendo a defesa deles, em todos os graus, a Defensoria Pública assegura a seus patrocinados justamente este direito, o acesso à Justiça, condição indispensável ao exercício e defesa da Cidadania.

Os pobres têm direito de ter uma Defensoria Pública atuante, vigilante e competente. O Estado tem o dever de manter uma Defensoria Pública de excelente padrão, inclusive remunerando condignamente os defensores públicos.

Antes de ser instituída a Defensoria Pública, a OAB ou o juiz de direito designava um "advogado dativo" para defender as pessoas que não podiam pagar um causídico.

Muitos advogados notabilizaram-se pela dedicação que devotavam à defesa dos pobres, da mesma forma que muitos médicos mereceram a gratidão da comunidade quando, praticamente inexistindo a medicina pública, proporcionavam aos humildes a assistência devida.

Sem prejuízo do dever de exaltar esses profissionais, deve ser observado que o poder público não poderia esquivar-se da obrigação de proporcionar amparo, quer jurídico, quer médico, aos pobres atribuindo esse papel a profissionais liberais.

O que a instituição da Defensoria Pública traduz é um princípio democrático: ter o pobre um advogado não é favor, mas direito.

A questão da Defensoria Pública toca-me profundamente porque de muito tempo vi a absoluta necessidade da criação desse órgão. Já em 9 de junho de 1960 eu defendia esta tese no semanário Folha da Cidade, de Cachoeiro de Itapemirim (ES). Publiquei a respeito do assunto um artigo com o título "Defesa também para os pobres". Voltei à carga no jornal 6 Dias, também de Cachoeiro, em 26 de setembro de 1960 e em 4 outubro de 1961.

Pode parecer curioso que em pequenos jornais de uma cidade do interior estivéssemos nos ocupando deste tema. Mas Cachoeiro de Itapemirim sempre foi uma célula de cidadania e não causava estranheza pugnar por princípios éticos, por causas humanas, por teses universais, naquela comunidade.

Congratulo-me com os defensores públicos deste imenso Brasil. Eu os encorajo a que prossigam com entusiasmo seu trabalho, cônscios de que contribuem significativamente para a construção do arcabouço democrático e cidadão em nosso país. Os defensores públicos merecem o reconhecimento dos governantes e do povo.

*João Baptista Herkenhoff é livre-docente da Universidade Federal do Espírito Santo, magistrado aposentado, professor pesquisador da Faculdade Estácio de Sá de Vila Velha (ES) e escritor.

Fonte: Correio da Cidadania

Porto Alegre/RS













Aprovado projeto de lei que cria fundo para os carroceiros em Porto Alegre

Projeto de Lei aprovado é de autoria do vereador Adeli Sell

Foi aprovado no dia de ontem (07/04) no Plenário da Câmara Municipal o Projeto de Lei do Vereador Adeli Sell (PT) que institui o Fundo Municipal para a reinserção de catadores, carrinheiros e carroceiros em novas atividades produtivas e laborais na cidade de Porto Alegre através de cursos de formação de mão de obra.

A idéia surgiu após o Governo Municipal sancionar a Lei que institui o Programa de Redução Gradativa do Número de Veículos de Tração Animal e de Veículos de Tração Humana em Porto Alegre.

De acordo com Adeli Sell (foto acima), sua proposta tinha como objetivo indicar os meios para que as pessoas que hoje vivem e sobrevivem com o trabalho de catadores, tenham a possibilidade de migrar para outros ramos de atividade laboral e econômica, tendo garantidos, assim, sua
sobrevivência e a dignidade de suas famílias.

"É uma posição ousada que toma a Câmara, louvo meus colegas pelo apoio unânime, pois todos queremos dar uma saída justa e digna para estas pessoas", comemorou Adeli, acrescentando não ter dúvidas de que "assim como resolvemos o problema dos carroceiros, também iremos resolver o problema do sofrimento dos cavalos aqui na cidade", finalizou. (Asscom PT/Poa)

07 abril 2010

Golos contra...




DONA YEDA: ‘ sou responsável pela Polícia Civil. EU NOMEIO O MINISTÉRIO PÚBLICO”

Ruy Gessinger escreve:

Vejam só, caros leitores: até eu que sou formado em Ciências Médicas Virtuais e Espaciais pela Alemanha Oriental, só que o Lula não quer reconhecer meu certificado, não me meto a dar pitaco sobre imposição de mãos, bênçãos, operações espirituais e outros quetais. Até no Direito, em que me formei no século passado, quase não dou mais palpite pois, como é cediço entre os precavidos, quanto mais se vive e se estuda, menos se deve falar, pois grande é o risco de tomarem uma palavra mal pronunciada para já mijarem em cima de tuas medalhas e galardões.

Pois a minha querida Governadora, de quem tanto gosto como pessoa, não para de fazer golos contra.

Não sei se ela tem um exemplar da Constituição em casa, mas seria de bom alvitre dar uma olhada para ver que o Ministério Público exerce uma função básica na atual Sociedade Democrática, sendo de sua essência a absoluta independência de seus membros.

A expressão usada por nossa Governadora de que o MP estaria sob o ” guarda chuva” do Governo, então, é de fazer corar até aquela aluninha de primeiro ano daquela Faculdade de Direito por correspondência. (...)

*Caro leitor, deleite-se com a postagem completa do amigo Ruy Gessinger (foto), publicada originalmente em seu prestigiado blog, Clicando Aqui
...
*Edição e grifos deste blog

Coluna C & A















Crítica & Autocrítica - nº 66

* Na noite de ontem (segunda-feira), ocorreu em Porto Alegre a plenária conjunta (fotos) da pré-campanha dos companheiros Júlio Quadros e Paulo Ferreira, que concorrerão à deputado estadual e federal, respectivamente, pelo Partido dos Trabalhadores do RS nas eleições de outubro próximo.

* Mais de duzentas pessoas participaram da plenária, realizada no auditório principal da Casa dos Bancários (Sindicato), com destaque especial para o pessoal ligado à "Cultura Popular' (Carnaval, Hip Hop, especialmente da região metropolitana da capital), que lotaram as dependências da casa.

* Dentre as várias lideranças presentes, destaque para o Presidente do PT de Porto Alegre, vereador Adeli Sell, que também integrou a mesa dos trabalhos (que foi coordenada por este blogueiro) - e que fez uso da palavra, retirando-se após para cumprir outro compromisso político - , assim como os pré-candidatos e vários apoiadores da 'dobrada' que também se manifestaram. (...)

*Leia matéria completa, postada originariamente no blog 'O Boqueirão', Clicando Aqui

**Na foto acima, da esquerda para a direita:Toralles, Caco, Paulo Ferreira (em pé, falando), Júlio Quadros, Júlio Garcia e Lúcia Goulart.

Obs.: Crítica & Autocrítica : coluna que mantenho (i)regularmente no Blog 'O Boqueirão' - http://oboqueirao.zip.net/

06 abril 2010

'A inversão dos preceitos jornalísticos'


Datafolha e os escribas de Kafka

'Ao ocultar os dados da pesquisa Vox Populi que, demonstrando um consistente crescimento de Dilma Rousseff, desmente as últimas projeções do Datafolha, O Globo e Folha de S.Paulo deixam claro que, dependendo do resultado, sondagens de opinião servem para tudo. Ou nada.'

Gilson Caroni Filho* escreve:

Picles não combinam com morangos, mas o jornalismo brasileiro, em anos eleitorais, é a cozinha das combinações intragáveis. Se for do agrado do paladar do patrão, titulares de carteirinha de jornalista se esmeram em preparar saladas que levam o agridoce ao paroxismo. Como já observou Alberto Dines, em artigo publicado no Observatório da Imprensa, "ampliam-se as insignificâncias, criam-se pseudofatos (os famosos factóides), e até confere-se relevância política às matérias produzidas pelos marqueteiros nos seus comerciais. É a inversão total de simples preceitos jornalísticos."

Ao ocultar os dados da mais recente pesquisa Vox Populi que, demonstrando um consistente crescimento da candidatura de Dilma Rousseff, desmente as últimas projeções do Datafolha, O Globo e Folha de São Paulo deixam claro que, dependendo do resultado, sondagens de opinião servem para tudo. Ou para nada, de acordo com a preferência da clientela.

Se o resultado é conveniente para os candidatos das corporações, números teoricamente transitórios são utilizados como tendência definitiva. Se ocorrer o contrário, trata-se de “um retrato do momento" com alta probabilidade de ser modificado até o dia do pleito. Não peçam análise séria em exercícios de imaginação militante.

Pelos caminhos da ficção, Franz Kafka atingiu a realidade da incoerência e da solidão humana. Pelos caminhos da redação partidarizada, se chega com facilidade a uma literatura ridícula, inversamente hilária à verdade factual que pretende distorcer. É uma experiência humorística que não pode ser ignorada, sob pena de perdermos excelente oportunidade de divertimento. Vejamos dois casos recentes. São excelentes exemplos de genuflexão permanente.

Ainda no sábado (3/4), a jornalista Renata Lo Prete, editora da coluna Painel, da Folha de São Paulo, ciente de números que só seriam divulgados à noite pela TV Bandeirantes, lançou dúvidas sobre a metodologia da sondagem que desmontava o resultado obtido pelo instituto de pesquisa da família Frias:

"Chama a atenção, no questionário de pesquisa Vox Populi sobre a sucessão presidencial com campo em 30 e 31 de março, a inclusão de pergunta relativa aos cargos que os candidatos já ocuparam, quebrando o fluxo das respostas espontânea e estimulada sobre intenção de voto. Esse tipo de procedimento é conhecido por distorcer resultados".

É questionável se a ordem da apresentação dos temas (menção espontânea, conhecimento dos candidatos, menção estimulada) pode ou não influenciar nas respostas ao último quesito. Justamente por isso é leviano insinuar, como faz a colunista, que tal procedimento tenha produzido qualquer distorção na pesquisa do Vox Populi. Consultar especialistas não faria mal algum se Lo Prete não soubesse o que querem seus senhores. Seria interessante lembrar que a lisura do processo eleitoral compreende principalmente a lisura da imprensa que o acompanha. E nesse ponto não resta dúvida que, para patrões e seus escribas, eleições ainda são um jogo que não pressupõe qualquer relação com amadurecimento democrático e cidadania ampliada.

Outro exemplo do burlesco travestido de análise pode ser encontrado no jornal O Globo. Em sua coluna de sexta-feira, 2/04, Merval Pereira oferece trechos memoráveis que merecem ser destacados. O servilismo, esteja ou não a serviço de fanfarras eleitorais, oferece imagens que nem de longe configuram um desenho ético ou qualquer propósito respeitável.

Tentando demonstrar traços de subalternidade na postura da ex-ministra Dilma Rousseff, o colunista não titubeia: " ela chegou a usar 28 vezes o tratamento de "senhor" ao se referir ao presidente Lula no seu discurso de despedida, o que é um sinal de subserviência não candidata com o papel de candidata à Presidência da República"

É compreensível o espanto de Merval. Afinal, trabalha em uma organização que obriga jornalista a chamar patrão de colega. Mas, tirando a força do hábito, qual seria o tratamento adequado a ser dispensado a um presidente? Para responder, bastava uma consulta aos acadêmicos que sistematizam suas “reflexões” diárias. Mas o tempo das manobras não permite perda de tempo com esse tipo de questão.

Em seguida, misturando números, épocas e fatos, o sincero partícipe das convicções de quem lhe paga o sal, entra em transe e soçobra diante da falta de senso lógico que ilumina os seus escritos: “Lula não tem se mostrado tão bom de voto quanto sua popularidade atual indica. Perdeu duas vezes no primeiro turno para Fernando Henrique Cardoso, o que certamente é sua maior frustração, e venceu duas vezes no segundo turno".

Impressionante! A popularidade de 2010 não foi capaz de eleger Lula em 1994 e 1998! Se Franz Kafka estivesse entre nós certamente abriria um largo sorriso ao ler o que vai n’alma do jornalista global.Repetindo Odradeck, personagem de um breve conto seu, diria que “o conjunto se apresenta sem sentido, mas no seu gênero é completo"

Renata Lo Prete, Merval Pereira e Datafolha não ganhariam apenas sentido. A semelhança alucinante entre as receitas aventadas por eles e os detalhes que deformam os homens na literatura kafkaniana ganharia contorno definitivo.

*Gilson Caroni Filho é professor de Sociologia das Faculdades Integradas Hélio Alonso (Facha), no Rio de Janeiro, colunista da Carta Maior e colaborador do Jornal do Brasil.

Fonte: Agência Carta Maior - http://www.cartamaior.com.br

#Edição e grifos deste blog