28 fevereiro 2011

Os EUA e o Mundo Árabe


Só a Líbia sofrerá sanções? E os outros países?

                              José Dirceu*  escreve:

A utilização - e manipulação - dos direitos humanos por parte do governo dos Estados Unidos para atender seus interesses políticos, econômicos e sociais é um fato comprovado e não pode ser simplesmente desconhecido no caso libio. Até porque o que assistimos na Líbia é a uma guerra civil, com as Forças Armadas divididas.

Lá e em qualquer parte do mundo, a não ser para fazer luta política, os EUA são indiferentes aos direitos humanos. Na Líbia só lhes interessa um governo amigo e pró-ocidente, de preferência anti-palestino.

No nosso caso (Brasil), o que se coloca é: além da condenação de toda e qualquer repressão e violação dos direitos humanos qual é o nosso interesse nesta história? Já que não vamos intervir nos assuntos internos da Líbia, só nos restam os organismos internacionais, fechar com algumas de suas posições.

Eles agora estão obrigados a tratar de todos os outros Estados árabes em crise - em muitos aspectos, muito parecida - com rebeliões deflagradas há mais tempo, começando pelo Bahrein e Iêmen, depois Argélia, Jordânia e Marrocos.

Ou será que somente a Líbia vai merecer o tratamento defendido pelos EUA?


Posição da mídia só serve para luta política

Ao vincular meus comentários sobre a crise na Líbia às posições do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, e do ex-premiê de Cuba, Fidel Castro, sem fazer as devidas distinções, o jornal O Estado de S.Paulo desinforma seus leitores. Nós três coincidimos apenas na avaliação sobre a cobertura da mídia internacional num 1º momento da crise e nas intenções dos Estados Unidos de comandar o seu desfecho.

Nunca manifestei apoio ao regime do ditador Muamar Khaddafi ou me omiti sobre a repressão. Basta ler em meu blog o que escrevi todos os dias sobre a questão. Apenas disse o óbvio: que a situação na Líbia não era como as agências internacionais estavam divulgando num 1º momento. Isto a própria rede norte-americana de TV CNN reconheceu, ao repercutir matérias do correspondente da TV Telesur em Trípoli.

Reiteradas vezes encareci a necessidade de que fossem tomadas medidas cabíveis contra a repressão desencadeada pelo regime do ditador Khaddafi. Defendi o que agora acaba de acontecer no Conselho de Segurança (CS) da ONU por decisão unânime dos 15 países que o integram - Brasil, inclusive.

Pela ONU, friso, não pelos Estados Unidos de forma unilateral, como eles fizeram na 6ª feira - logo eles que sustentaram as ditaduras do Egito e da Tunísia e sustentam todas as monarquias árabes (a maioria ainda absolutistas), começando pela da Arábia Saudita.

Ao fazer esta ponderação, insisto: este maniqueísmo de uma parte da imprensa (no caso em que me manifestei, de grande parte) pode servir para fazer luta política, mas não serve ao jornalismo e aos fatos históricos, que estão aí para provar quais são os objetivos da diplomacia norte-americana. Este comportamento da mídia serve aos interesses deles norte-americanos e não aos do Brasil.

*Fonte: http://www.zedirceu.com.br/ 

Ciclista portoalegrense



* Ciclista de Porto Alegre - Charge do Kayser

(Clique na charge para ampliar)

27 fevereiro 2011

Covardia em Porto Alegre



*Vídeo do atropelamento covarde, proposital e criminoso de ciclistas em Porto Alegre na noite da última   sexta-feira, 25/02. (Via Júlio Sulzbach -  Massa Crítica/Poa).

Sobre a 'dissidência' cubana

As Razões de Cuba

A série 'As Razões de Cuba', transmitida pela TV cubana   neste sábado, 26/02,  apresentou, através do capítulo intitulado 'Os Peões do Império',  depoimentos de dois agentes cubanos  (Carlos Serpa  e Moisés Rodríguez) infiltrados junto aos contrarrevolucionários travestidos de 'defensores dos Direitos Humanos', provando a vinculação direta desses grupos  direitistas com o governo dos Estados Unidos da América na tentativa de desestabilizar e desacreditar internacionalmente o regime cubano.  Veja a seguir:




*Veja mais sobre as atividades contrarrevolucionárias em Cuba - promovidas e financiadas pelos EUA - Clicando Aqui

26 fevereiro 2011

Veja Bem, Meu Bem...



*Veja Bem, Meu Bem -  com Maria Rita - composição: Marcelo Camelo

Serra, Kassab & o Estadão


Kassab vai para o PSDB.  
O que diria o Estadão
 
Paulo Henrique Amorim escreve:

Qualquer habitante de São Paulo sabe que Gilberto Kassab é um péssimo prefeito.
Até os anti-trabalhistas sabem disso.
Ainda que votem nele ou no Aloysio 300 mil.
Kassab tem pavor do cheiro do povo.
Kassab e o Cerra, aliados a Deus e à chuva, foram incapazes de enfrentar o caos do trânsito e do alagamento.
Portanto, considera muito esquisito vê-lo no partido fundado por Miguel Arraes.
Mas, o candidato do PSB ao Governo de Sao Paulo foi um presidente da FIESP que contribuiu decisivamente para tirar o remédio da boca das crianças com a extinção da CPMF (que ressuscitará como Lázaro e com outro nome).
Como diria o Stanislaw, não é só em Niterói que urubu voa de costas.
Este ansioso blogueiro tinha previsto que Kassab se tornaria o Cão do Terceiro Livro no PiG (*), assim que saísse de baixo das asas do Padim.
Neste sábado de manha, o ansioso blogueiro leu em editorial do Estadão – que cultiva a Língua com muito mais elegancia que os da Folha (**), embora o conteúdo seja o mesmo: fundamentalismo conservador, ou neoliberalismo paranóico.
Vamos supor, amigo navegante, que o Poste do Cerra tivesse ido para o partido do Cerra, a UDN de Sao Paulo, a TFP de Higienópolis.
O título do editorial de hoje seria: ” Via heróica para a redenção”.
E não “Via torta para o adesismo”, como aparece hoje.
Diria “movido pelo que há de mais nobre na politica, a missão de servir ao povo e a República, o DEM busca a via heróica para a redenção.”
Hoje, disse que o DEM se move pelo que há de mais raso na politica, a ambição pessoal nua e crua.
Se Kassab se aconchegasse no regaço do PiG, como se deitou no colo do malufismo, o Estadão teria dito: “Os calorosos sobreviventes da Oposição se preparam não para mudar de legenda, mas de campo filosófico, onde os Altos princípios da Social-Democracia européia vicejam nesse Trópico inculto e selvagem.”
Diz hoje o Estadão: os muito vivos do DEM vão se aliar aos muito vivos do PP, que serviu ao regime militar e agora serve ao Governo.
O mesmo PP de Maulf e Francisco Dornelles que abrilhantou o Ministerio de Fernando Henrique.
Dornelles, sobrinho neto de Vargas, chegou a repetir o Farol ao dizer que ia apagar “o legado trabalhista de Vargas”.
O que presta no editorial hipócrita do Estadão é dizer que a campanha do Cerra apelou para o fundamentalismo religioso e, em desespero de causa, “sacou uma demagógica promessa de elevar o salário mínimo” para R $ 6.000.
O Paulinho da Força disse que o Cerra está morto.

Sobrevive no PiG (*).

Nem isso.

Paulo Henrique Amorim

(*) Em nenhuma democracia séria do mundo, jornais conservadores, de baixa qualidade técnica e até sensacionalistas, e uma única rede de televisão têm a importância que têm no Brasil. Eles se transformaram num partido político – o PiG, Partido da Imprensa Golpista.

(**) Folha é um jornal que não se deve deixar a avó ler, porque publica palavrões. Além disso, Folha é aquele jornal que entrevista Daniel Dantas DEPOIS de condenado e pergunta o que ele achou da investigação; da “ditabranda”; da ficha falsa da Dilma; que veste FHC com o manto de “bom caráter”, porque, depois de 18 anos, reconheceu um filho; que avacalha o Presidente Lula por causa de um comercial de TV; que publica artigo sórdido de ex-militante do PT; e que é o que é, porque o dono é o que é; nos anos militares, a Folha emprestava carros de reportagem aos torturadores.

Fonte: Blog Conversa Afiada - http://www.conversaafiada.com.br/

'RS: Laboratório da Democracia'

'Qual será o destino da nossa classe média? Serão os futuros conservadores?'

O ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria Geral da Presidência da República, defendeu ontem, em Porto Alegre, o aprofundamento das políticas de participação popular e de democracia participativa no país. Carvalho participou da abertura do Seminário Estadual de Participação Cidadã, promovido pela Secretaria de Planejamento do Estado. O auditório Dante Barone, da Assembleia Legislativa, ficou lotado, o que mereceu um destaque especial por parte do secretário geral da Presidência. Ele lembrou o pioneirismo de Porto Alegre e do Rio Grande do Sul na implementação do Orçamento Participativo e de outras práticas de participação que acabaram ganhando destaque nacional e internacional. “Olhando este plenário sinto uma emoção e satisfação muito grande, pois vejo um pedaço importante de toda uma história de lutas. Desde o tempo de Olívio Dutra (quando o PT assumiu a prefeitura de Porto Alegre), sempre tivemos aqui um laboratório da democracia”. (...)
-Leia a  íntegra da postagem - oriunda do Blog RS Urgente - Clicando Aqui

24 fevereiro 2011

Participação Cidadã no RS


Seminário  "Sistema Estadual de Participação Cidadã - Bases Conceituais'

Governador Tarso Genro participou da abertura do seminário sobre Participação Cidadã

Porto Alegre/RS - O governador Tarso Genro prestigiou, na noite desta quinta-feira (24), a abertura do Seminário "Sistema Estadual de Participação Cidadã - Bases Conceituais", promovido pela Secretaria do Planejamento do Estado. O evento, que ocorreu no Teatro Dante Barone, da Assembleia Legislativa, reuniu autoridades nacionais e internacionais com experiências no estudo conceitual dos sistemas de participação e sua aplicação democrática.

"Esse evento tem uma relevância extraordinária, não é um produto de relevância teórica, mas prática, de concepção de Governo fundamentado em decisões cidadãs de expressão internacional e local", disse o governador. Tarso Genro destacou as experiências com o orçamento participativo e a consulta popular, como instrumentos da vida cotidiana de todo o cidadão para regular democraticamente qualquer sociedade civilizada.

"Queremos contribuir com exemplos de democracia de alta intensidade e clareza, como é o caso desse seminário, que vai abrir novos rumos da relação dos governantes com a sociedade. É um patamar superior de legitimidade."

Além do governador, a cerimônia de abertura, contou com a presença do diretor do Bird para o Brasil, Makhtar Diop, do ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria Geral da Presidência da República, do presidente da Assembleia, Adão Villaverde, dos conferencistas internacionais, Giovani Alegretti e Yves Cabannes, deputados, autoridades estaduais, municipais e representantes de organizações sociais.

O aprofundamento da democracia participativa é uma prioridade do Governo do Estado, uma maneira de romper com um modelo ultrapassado de tomada de decisões. O Rio Grande do Sul será um laboratório de experiências democráticas. Todos os segmentos políticos e democráticos estão convidados a participar do debate junto com o Governo, para promover e aperfeiçoar o plano de desenvolvimento econômico e social, e gradativamente constituir o Sistema Estadual de Participação Cidadã.

O seminário continua nesta sexta-feira com palestras de representantes dos Governos da Bahia e Ceará, Prefeitura de Ijuí, Conselhos Estaduais de Direitos, do Orçamento Participativo e do Diretor de Inclusão Digital da Secretaria de Comunicação, Gerson Barrey. O evento é uma promoção do Gabinete do governador, da Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã e da Secretaria Executiva do Conselho de Desenvolvimento Econômico.

*com o Portal do Gov. do Estado do RS

Foto: Eduardo Seidl - Palácio Piratini

O novo Piso Salarial do RS


Governo do Estado anuncia o maior reajuste da história do piso regional

Porto Alegre/RS - O governador Tarso Genro anunciou, nesta quarta-feira (23), o novo valor do piso regional para 2011, durante pronunciamento no Salão Alberto Pasqualini, no Palácio Piratini. O índice de reajuste do salário mínimo regional, que atinge 1,13 milhão de trabalhadores, é de 11,6%, o maior aumento desde que foi criado, em 2001. No período, o Governo considerou a inflação medida pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), que foi de 4,3% em 10 meses, mais 7,91% de aumento real. Com o projeto que será encaminhado à Assembleia Legislativa, as faixas salariais ficam em R$ 610,00; R$ 624,05; R$ 638,20 e R$ 663,40.

"A nossa proposta, que irá para a Assembleia, é um piso salarial regional de R$ 610,00. Com isso, não chegamos, evidentemente, às pretensões máximas e imediatas das centrais sindicais. Acreditamos que as razões que propuseram são justas, mas que hoje temos que ter uma postura de ponderação em relação a isto", ressaltou Tarso Genro.

Para o governador, a proposta reforça a recuperação do piso como uma meta do Governo de valorização dos trabalhadores. "Acima de tudo, nosso compromisso é potencializar o mercado interno e retomar o desenvolvimento sócio-econômico do Estado", afirmou.

Tarso Genro lembrou que o pedido feito pelas centrais sindicais de R$ 641,00 tem fundamento na vida concreta dos trabalhadores, e é uma proposta que o Executivo gostaria de acolher. "Mas, dada às condições atuais do desenvolvimento do Estado, o importante é sinalizar a nossa posição favorável à manutenção de um piso salarial regional, e de outra parte sinalizar aos trabalhadores que o piso mínimo regional será gradativamente recuperado", enfatizou.

O governador acredita que a Assembleia devera aprovar a proposta, "porque ela vem da bancada situacionista", mas deveremos agir com toda a cautela para que não haja algum tipo de modificação que possa prejudicar os trabalhadores, as empresas e o desenvolvimento do Estado, afirmou. O secretário Chefe da Casa Civil, Carlos Pestana, salientou que a proposta apresentada pelo Governo concede o maior ganho real ao piso desde a sua criação em 2001. (...)
-Leia mais sobre o aumento do piso salarial no RS Clicando Aqui

*Fonte: Portal do Gov. do Estado do RS  -   Edição  e grifos deste blog

23 fevereiro 2011

A Presidenta na FSP (II)

 
Dilma no pré-velório da Folha

Zé Augusto* escreve:

O jornalão Folha de São Paulo chega aos 90 anos em clima de velório: em decadência nas vendas, recentemente perdeu o posto de jornal de maior circulação do Brasil.

Ontem, na segunda-feira à noite, o jornalão resolveu fazer uma solenidade alusiva à data.

Tomou a Sala São Paulo emprestada do governo paulista, convidou diversas autoridades eclesiásticas em ato ecumênico para "benzer" o jornalão da decadência e, cortejando o poder, convidou políticos, juízes, banqueiros e personalidades dos mais variados segmentos, desde o Juiz Fausto De Sanctis, passando pelos presidentes do Congresso e do Supremo Tribunal Federal, prefeito, governador, ministros, ex-presidentes da República, parlamentares, demo-tucanos com e sem mandato como FHC e Serra, e até a presidenta Dilma.

A presença da Presidenta gerou polêmica na blogosfera acostumada a combater o demo-tucanismo do jornalão do PIG (Partido da Imprensa Golpista).

A história é semelhante ao copo d'água pela metade. Os pessimistas dizem que o copo está meio vazio, e os otimistas dizem que o copo está meio cheio. Da mesma forma, os pessimistas vêem a Presidenta cedendo ao jornal, mas os otimistas tem confiança o suficiente para verem o contrário: o jornal se rendendo à Dilma, submetendo o curral eleitoral demo-tucano dos leitores do jornal, ao discurso dela.

Não que isso vá mudar a natureza dos donos do jornal e nem da grande maioria de seus assinantes, mas postura de estadista impõe respeito aos adversários e esvazia críticas sem fundamento e desarma o discurso golpista e lobista.

Com este gesto, Dilma respondeu à intolerância com a tolerância, combateu o preconceito ao não descriminar adversários preconceituosos; impôs a supremacia da razão e civilidade sobre o discurso do ódio. E desmentiu no próprio jornalão todo aquele noticiário da Folha que a demonizava como se fosse uma ameaça à democracia e a liberdade de expressão, entre as quais a liberdade de imprensa. Tomou essa bandeira perante os leitores do PIG, o que desarma as resistências lobistas contra um novo marco regulatório e democratização dos meios de comunicação.

O PIG precisará elevar o nível da discussão sobre liberdade de imprensa, para sair do jornalismo corrupto de lobismo empresarial por oligopólios, e submeter-se aos interesses republicanos da nação.

Além disso, se uma minoria dos leitores tiverem seus olhos abertos para verem que o discurso do ódio demo-tucano alimentado pelo PIG é tão falso como uma nota de 3 reais, já terá valido a pena.

É preciso lembrar que reacionários só se informam através do PIG, e mesmo os filhos mais novos destes, adeptos da internet, continuam se informando nos portais do PIG. Ao terem contato com uma imagem de Dilma que eles nunca quiseram enxergar, usando as flores da razão para vencer os canhões do PIG, os mais inteligentes e sensíveis acabam refletindo um pouco, passam a ler o PIG com olhar mais crítico, e acabam por buscar o contraditório quando a notícia vem embrulhada em plumagem tucana.

É preciso lembrar que, em São Paulo e Minas Gerais, o PIG ainda consegue ser influente. Nas últimas eleições em São Paulo, Alckmin não seria eleito governador no 1º turno, se poucos votos virassem. Por isso, mais importante do que sectarismos improdutivos, é conquistar terreno para abrir novos horizontes.

*Editor do Blog http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com/

PiG: Partido da Imprensa Golpista      -   Edição deste blog

22 fevereiro 2011

A Presidenta na FSP


Dilma na cova dos leões

Leandro Fortes escreve:

Do Blog Brasília, eu vi - (...) Caso tenha, de fato, por conta própria, aberto mão do título de “presidenta” que, até então, lhe parecia tão caro, este terá sido, contudo, o menor dos pecados de Dilma Rousseff no regabofe de 90 anos da Folha. (...)  Digo o menor dos pecados porque o maior, o mais grave, o inaceitável, não foi o de submeter a Presidência da República a um duvidoso rito de diplomacia de uma malfadada estratégia de realpolitik. O pecado capital de Dilma foi ter, quase que de maneira singela, corroborado com a falsa retórica da velha mídia sobre liberdade de imprensa e de expressão. Em noite de gala da rua Barão de Limeira, a presidenta usou como seu o discurso distorcido sobre dois temas distintos transformados, deliberadamente, em um só para, justamente, não ser uma coisa nem outra. Uma manipulação conceitual bolada como estratégia de defesa e ataque prévios à possível disposição do governo em rever as leis e normas que transformaram o Brasil num país dominado por barões de mídia dispostos, quando necessário, a apelar para o golpismo editorial puro e simples.

A liberdade de expressão que garantiu o surgimento de uma blogosfera crítica e atuante durante a guerra eleitoral de 2010 nada tem a ver com aquela outra, defendida pela Associação Nacional dos Jornais, comandada por uma executiva da Folha de S.Paulo. São posições, na verdade, antagônicas. A Dilma, é bom lembrar, a Folha jamais pediu desculpas (nem a seus próprios leitores, diga-se de passagem) por ter ostentado uma ficha falsa fabricada por sites de extrema-direita e vendida, nas bancas, como produto oficial do DOPS. Jamais. (...)
-Leia a íntegra do artigo Clicando Aqui

PGE/RS


Procurador-Geral esteve com  o governador Tarso Genro em São Borja 

A PGE participou da segunda interiorização do Governo gaúcho

O Procurador-Geral do Estado, Dr. Carlos Henrique Kaipper, a Coordenadora da Procuradoria do Interior, Dra. Helena Petrik, e o Coordenador Adjunto da Procuradoria do Interior, Dr. Luiz Fernando Barboza dos Santos, participaram da interiorização do Governo do Estado, no último sábado (19), no município de São Borja.

Na atividade, Carlos  Kaipper e o integrante do Conselho Nacional de Anistia, do Ministério da Justiça, Rodrigo Gonçalves, iniciaram conversações para realizar atividades conjuntas entre a PGE, por meio de sua Comissão de Direitos Humanos, e o Conselho.

A interiorização também permitiu a articulação e aproximação da PGE com outras instituições como a Defensoria Pública e o Tribunal de Justiça do Estado, além de contatos com prefeitos e deputados estaduais da região.

O Governador Tarso Genro ressaltou a importância do Executivo em estreitar a relação com os municípios por meio de interiorizações, o que deve ocorrer uma vez por mês. O processo estará baseado numa dinâmica político-administrativa, de modo a superar os entraves de cada região gaúcha.

Durante a interiorização, foram visitados o Memorial do Presidente João Goulart, que recebeu a doação de documentos pelo Conselho Nacional de Anistia, e o Mausoléu do Presidente Getúlio Vargas.
...

Santa Maria

A 5ª Procuradoria Regional de Santa Maria recebeu a visita do Procurador-Geral do Estado, Dr. Carlos Henrique Kaipper e da Coordenação da Procuradoria do Interior, Dra. Helena Petrik e Dr. Luiz Fernando Barboza dos Santos, na última sexta-feira (18), cumprindo o compromisso da nova gestão de percorrer o interior do Estado.

Em reunião com os Procuradores do Estado e Servidores, Carlos Kaipper constatou ser necessária a busca de um espaço físico melhor para a Regional, "vamos requerer e nos empenhar para que a mudança da sede seja efetivada".

O Procurador-Geral também adiantou que a Administração está estudando as questões que dizem respeito à vida funcional dos servidores. Informou ainda  que serão adotados critérios objetivos para tratar de temas administrativos, lembrando que a transparência é a marca desta gestão.

*Com o sítio da PGE - http://www.pge.rs.gov.br/

21 fevereiro 2011

Reforma Política em debate



* No vídeo acima, o deputado Raul Pont (PT/RS) fala sobre a proposta de Reforma Política (que deve ser priorizada neste ano, no Congresso e na sociedade, segundo sua avaliação).

A velha mídia...



Lula, Dilma e a velha mídia

     Emir Sader*  escreve:

O esporte preferido da mídia é fazer comparações da Dilma com o Lula. Sem coragem para reconhecer que se chocaram contra o país – que deu a Lula 87% de apoio e apenas 4% de rejeição no final de um mandato que teve toda a velha mídia contra – essa mídia busca se recolocar, encontrar razões para não ser tão uniformemente opositora a tudo o que governo faz. O melhor atalho que encontraram é o de dizer que as coisas ruins, que criticavam, vinham do estilo do Lula, que Dilma deixaria de lado.

Juntam temas de política exterior, tratamento da imprensa, rigor nas finanças públicas, menos discurso e mais capacidade executiva, etc., etc. Como se fosse um outro governo, de outro bloco de forças, com linhas politica e econômica distinta. Quase como se a oposição tivesse ganho. Ao invés de reconhecer seus erros brutais, tratam de alegar que é a realidade que é outra.

Como se o modelo econômico e social – âmago do governo – fosse distinto. Como se a composição do governo fosse substancialmente outra, como partidos novos tivessem ingressado e outros saído do governo. Apelam para o refrão de que “o estilo é o homem” (ou a mulher), como se a crítica fundamental que faziam ao Lula fosse de estilo.

No essencial, a participação do Estado na economia está consolidada e, se diferença houver, é para estendê-la. Os ministérios econômicos e sociais são mais coerentes entre si, tendo sido trocados ministros de pastas importantes – como comunicação, saúde e desenvolvimento – para reafirmar a hegemonia do modelo de continuidade com o governo Lula.

A política externa de priorização das alianças regionais e dos processos de integração foi reiterada na primeira viagem da Dilma ao exterior, à Argentina, assim como no acento no fortalecimento dos processos latino-americanos, como a ênfase na aproximação com o novo governo colombiano e a contribuição ao novo processo de libertação de reféns comprova.

O acerto das contas publicas se faz na lógica do compromisso do governo da Dilma de estabelecimento de taxas de juros de 2% ao final do mandato, alinhadas com as taxas internacionais, golpeando frontalmente o eixo do principal problema econômica que temos: as taxas de juros reais mais altas do mundo, que atraem o capital especulativo. A negociação do salário mínimo se faz com o apoio do Lula. A intangibilidade dos investimentos do PAC já tinha sido reafirmada pelo Lula no final do ano passado.

Muda o estilo, ênfases, certamente. Mas nunca o Brasil teve um governo de tanta continuidade como este, desde que se realizam eleições minimamente democráticas. A velha mídia busca pretextos para falar mal de Lula, no elogio a Dilma, tentando além disso jogar um contra o outro. A mesma imprensa que não se cansou de dizer que ela era um poste, que não existiria sozinha na campanha sem o Lula, etc., etc., agora avança na direção oposta, buscando diferenças e antagonismos onde não existem.

*Emir Sader é sociólogo, professor universitário e escritor.

Fonte: Blog do Emir (Carta Maior)


'Coisas da Vida'



'Aliança com PT pode se quebrar', diz presidente do PC do B

Em entrevista ao iG, Renato Rabelo cobrou 'responsabilidade' do partido de Dilma e falou sobre a aproximação com Kassab

Aliado de primeira hora do PT há mais de 30 anos, o PC do B pode romper com o partido da presidenta Dilma Rousseff caso os petistas insistam em exercer uma hegemonia absoluta tanto na partilha dos cargos federais quanto nas eleições municipais de 2012. A afirmação foi feita pelo presidente nacional do PC do B, Renato Rabelo, em entrevista ao iG. “Cabe ao PT uma grande responsabilidade. Do contrário essa aliança pode se quebrar ou até pior, surgir uma antialiança ao PT. Pode até haver separação”, disse.

Sentado sob um retrato do histórico líder comunista João Amazonas (1912-2002) na reformulada sede do partido no centro de São Paulo, Rabelo disse que o PC do B prepara para 2012 o lançamento do maior número de candidatos a prefeito de sua história, muitos deles contra o PT - como o vereador Netinho de Paula, na capital paulista - e não descartou alianças pontuais com partidos de oposição a Dilma.

Quanto à recente aproximação do partido com o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), Rabelo admitiu, pragmático, não haver afinidades ideológicas, mas defendeu a aliança. "Com o Kassab não há uma identidade ideológica, há aproximações políticas. Se tivéssemos, por exemplo, a mesma ideologia que o PT nós seríamos do PT, faríamos parte do PT", disse Rabelo, que falou ainda sobre o movimento do prefeito em direção à base aliada à presidenta Dilma Rousseff. "Não estamos indo para o lado do Kassab. O Kassab é que está vindo para o lado de cá." (...)

Clique Aqui para  ler - na íntegra - a entrevista com o presidente nacional do PC do B (via Blog do Zé Dirceu).

20 fevereiro 2011

Run run se fue pal norte



*Violeta Parra -  Run run se fue pal norte

Exame de Ordem



MNBD organiza protestos em vários estados  contra a prova da OAB

Porto Alegre/RS - Espaço Vital - O embate em torno da exigência de aprovação no Exame de Ordem da OAB para exercer a Advocacia vai terminar sendo decidido pelo Supremo Tribunal Federal, a partir de uma suscitação feita pelo ministro Marco Aurélio Melo. Oito outros integrantes da corte já reconheceram que há repercussão geral no recurso extraordinário, que questiona a obrigatoriedade da prova. A votação ocorreu por meio do Plenário Virtual da Corte.

Não se manifestaram os ministros Carmen Lúcia e Carlos Britto. Não se conhece o ponto de vista do futuro ministro Luiz Fux, que substituirá Eros Grau que reconheceu a repercussão, mas depois de aposentou. Mas pelos votos já colhidos, o próximo passo é o julgamento do mérito da repercussão.

"Bacharéis em Direito insurgem-se nos diversos órgãos do Judiciário contra o denominado Exame de Ordem, que, segundo argumentam, obstaculiza de forma setorizada, exclusivamente quanto a eles, o exercício profissional", escreveu o relator do recurso. Ele afirmou que a situação é retratada em inúmeros processos. "O Supremo há de pacificar a matéria, pouco importando em que sentido o faça" - disse. (...)

Desde a última segunda-feira, quando aumentaram os protestos contra o Exame de Ordem, a partir da constatação de que a prova da primeira etapa não teria seguido estritamente os preceitos do edital – estudantes e bacharéis organizam-se pelas redes sociais na Internet para a formulação de um protesto.

Outro desdobramento em debate seria convencer os ministros do Supremo que a demora no julgamento do incidente de repercussão geral – suscitado em novembro de 2009 - é injusta, na medida em que a falta de solução já dura um ano e dois meses. (RE nº 603.583).

Protestos

Em Porto Alegre, o protesto será realizado nesta segunda-feira, 21/02, às 13 horas, em frente da OAB RS, Rua Rua Washington Luiz, 1110.

...

Twitter: O MNBD - Movimento Nacional dos Bacharéis de Direito, intensificando a luta contra a injusta, excludente e inconstitucional 'prova da OAB', estabelece agora uma nova 'frente de batalha' com a criação do seu twitter. Os integrantes do MNBD solicitam, especialmente aos colegas Bacharéis, que informem o endereço do twitter p/amigos, colegas, familiares, imprensa, retuitem, fortalecendo assim Movimento também nesta importante Rede Social.

-O twitter do MNBD é:  @mnbdireito

*Com o site Espaço Vital   - Edição e grifos deste blog

The Wall



*Pink Floyd - Another Brick in the Wall


(...) Nós não precisamos de nenhuma educação,
Nós não precisamos de nenhum controle de pensamento,
Nenhum sarcasmo sombrio na sala de aula,
Professores, deixem as crianças em paz.
Ei! Professor! Deixe as crianças em paz!
No total, é apenas outro tijolo no muro,
No total, você é apenas outro tijolo no muro... (...)

18 fevereiro 2011

Deslealdade



Não dá para aceitar deslealdade no PT

José Dirceu escreve:

Não dá para aceitar o comportamento dos parlamentares petistas - e de partidos aliados - que se ausentaram sem justa causa e/ou votaram contra o governo na sessão em que a Câmara dos Deputados aprovou, na madrugada de ontem, a nova política salarial para o país e o aumento do salário mínimo para R$ 545,00.
 
Sem entrar no mérito da questão da disciplina partidária e de suas conseqüências, o foco dessa discussão é outro. Trata-se de um comportamento inaceitável e desleal com a bancada e o partido. Depois de 8 anos de governo já aprendemos - pelo menos é tempo de os governistas terem aprendido - que não se pode pretender defender o governo apenas quando temos bônus e não fazê-lo quando temos ônus.

Trata-se, pura e simplesmente, de uma desqualificação da ação e atuação de um partido de governo. Com o agravante de que a política e o acordo do salário mínimo, as regras que regerão seus reajustes daqui para a frente - a inflação dos últimos 12 meses e a variação do PIB de 2 anos atrás - foram aprovados e aplaudidos por todos, bancada e partido, quando apreciados pelo Congresso Nacional.

Mínimo, agora, tem aumento certo todo ano

Teve, então, a chancela das centrais sindicais - dos trabalhadores, portanto - da área econômica do governo, ativa participante da negociação, dos setores responsáveis da economia nacional, do país enfim.

Fora o fato de que o salário mínimo aumentou sim este ano. Seu reajuste foi feito dentro das regras do acordo e irá aumentar praticamente todos os próximos anos à medida que manteremos e daremos continuidade à política de crescimento econômico do país seguida nos últimos 8 anos.

É dentro desse quadro, e observadas as regras dessa política salarial, que o salário mínimo, dentro de 10 meses, no ano que vem, já ultrapassará os R$ 600,00, demagógica e irresponsavelmente, propostos na campanha eleitoral pela oposição no ano passado - derrotada nas urnas, diga-se de passagem.

Legalidade


50 anos da Campanha da Legalidade

Governo gaúcho inicia, em São Borja, homenagens aos 50 anos da Campanha da Legalidade

Porto Alegre/RS - Ao instalar a sede do Governo na cidade de São Borja, neste sábado (19), o governador Tarso Genro dará início ao calendário alusivo aos 50 anos da Campanha da Legalidade. Em conjunto com os demais Poderes do Estado serão realizadas, durante todo o ano, atividades relacionadas ao movimento de resistência democrática que mobilizou o Rio Grande pela posse de João Goulart na Presidência da República.

Em São Borja, o governador visitará o Memorial João Goulart e o Cemitério Municipal, onde estão os túmulos dos ex-presidentes Getúlio Vargas, João Goulart e do ex-governador Leonel Brizola. Tarso Genro também assinará o decreto que nomeia a comissão que coordenará as ações de comemoração ao cinqüentenário da Campanha da Legalidade em 2011.

A Comissão de Anistia do Ministério da Justiça fará a entrega de documentos considerados históricos. Entre eles a cópia do processo de anistia de Jango, viúva e filhos, e de Brizola e filhos; fotos da Caravana e ato de anistia de Jango e Brizola.

De acordo com a secretária estadual de Comunicação e Inclusão Digital, Vera Spolidoro, o episódio da Legalidade é marcante para a República brasileira, mas ainda é pouco conhecido além das fronteiras do Estado. "Um dos objetivos deste projeto é difundir em todo o Brasil o movimento que marcou, a partir do Rio Grande do Sul, a história política do País", destacou.

Comissão

A comissão que será instituída pelo decreto do governador terá um prazo de 15 dias para propor um calendário com a programação dos 50 anos da Legalidade, que incluirá debates, palestras e exposições no Palácio Piratini e na Assembleia Legislativa, lançamento de site na internet e de livro. A agenda deverá incluir, também, o projeto Legalidade nas Escolas, voltado ao resgate do episódio que marcou a história do país e do RS, além da criação de carimbo e selo, emitido pelos Correios, comemorativo ao Cinquentenário da Campanha da Legalidade e que deverá ser lançado em Brasília.

Para o chefe de Gabinete do governador, Vinicius Wu, ao celebrar os 50 anos da Legalidade, o Estado resgatará um dos episódios mais marcantes de sua História. "No momento em que o Rio Grande do Sul propõe-se a integrar de forma ativa o projeto nacional de desenvolvimento econômico, com distribuição da riqueza e erradicação da miséria, a Campanha da Legalidade é um fato histórico a ser celebrado, marcando a luta do povo gaúcho por um país justo e democrático", afirmou. (do Portal do Gov. do RS)

Foto: governador Leonel Brizola    -   Edição deste blog

17 fevereiro 2011

Lua Branca



* Lua Branca - de Chiquinha Gonzaga -  Canta:  Maria Bethania

Código Florestal (III)


Novo Código Florestal só serve ao agronegócio

Os movimentos sociais que compõe a Via Campesina no Brasil divulgaram nota em que de criticam o projeto apresentado pelo deputado federal (PCdoB) Aldo Rebelo. No entender da Via Campesina a tentativa de revisão do atual Código Florestal interessa apenas ao agronegócio e às multinacionais.

"O Código Florestal é adversário do agronegócio, que precisa desmatar todas as espécies para implantar a monocultura e aplicar uma imensa quantidade de veneno. É impensável para o agronegócio conseguir produzir em sistemas diversificados, conservando áreas de florestas e fazendo sistemas agroflorestais", afirma a nota.

As entidades que assinam a nota conclamam a todos para se manifestarem contra o projeto de revisão do Código, que será votado na segunda quinzena de março. (...)
-Leia a íntegra da nota, oriunda do sítio Ambiente Já Clicando Aqui 


16 fevereiro 2011

Mobilidade Urbana


Governo Dilma investirá R$ 18 bi do PAC II para melhoria do transporte nas grandes cidades  

As 24 maiores cidades brasileiras receberão R$ 18 bilhões para melhoria do sistema de transporte público por meio do PAC Mobilidade Grandes Cidades, projeto integrante da segunda etapa do Programa de Aceleração do Crescimento. O anúncio  foi  feito nesta quarta-feira (16/2) pelos ministros do Planejamento, Miriam Belchior, e das Cidades, Mário Negromonte, em reunião de trabalho no Palácio do Planalto, que marcaou  a abertura do processo de seleção dos projetos.

Os projetos devem obrigatoriamente ser destinados a ampliar a capacidade de locomoção e melhorar a infraestrutura do transporte público coletivo. O investimento do governo federal -- R$ 6 bilhões diretos da União e R$ 12 bilhões por meio de financiamento – beneficiarão 39% da população do país que vive em regiões metropolitanas. Os projetos podem incluir sistemas de transporte sobre pneus, como corredores de ônibus exclusivos e de Veículos Leves sobre Pneus (VLP/BRT), e também sistemas sobre trilhos, como trens urbanos, metrôs e Veículos Leves sobre Trilhos (VLT).

“O governo está estruturando uma política pública de mobilidade urbana para o país, que atende o direcionamento da presidenta Dilma Rousseff, de apresentar soluções para os gargalos de mobilidade dos grandes centros urbanos, num esforço para melhorar a qualidade de vida de milhares de cidadãos, priorizando o transporte público”, afirmou o ministro Mário Negromonte.

Por sua vez, a ministra Miriam Belchior defende que o PAC Mobilidade “reforça o compromisso do governo federal em melhorar a qualidade de vida da população nas grandes cidades do Brasil, enfrentando um dos mais graves problemas do país”.

Os projetos devem ser apresentados pelos estados e/ou municípios seguindo critérios pré-estabelecidos para enquadramento, como, por exemplo, a garantia de sustentabilidade operacional dos sistemas, a compatibilidade entre a demanda e os modais propostos, bem como a adequação às normas de acessibilidade.

Além desses critérios, se dará prioridade para os projetos que beneficiem áreas com população de baixa renda, que já contem com projeto básico pronto e que tenham situação fundiária regularizada. A partir do próximo dia 21 de fevereiro as inscrições poderão ser feitas no site do ministério das Cidades.

Um dos projetos que serão inscritos no PAC Mobilidade Grandes Cidades será o do metrô de Porto Alegre (RS).

Os 24 municípios do PAC Mobilidade foram divididos em três grupos:

MOB 1: esse grupo é formado por capitais de regiões metropolitanas com mais de três milhões de habitantes e corresponde a 31% da população brasileira. As nove cidades desse grupo são: Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre, Brasília, Recife, Fortaleza, Salvador e Curitiba.

MOB 2: inclui municípios com população entre um e três milhões de habitantes e corresponde a 4% da população do país. Nesse grupo estão seis cidades: Manaus, Belém, Goiânia, Guarulhos, Campinas, e São Luís.

MOB 3: é voltado para cidades de 700 mil a um milhão de habitantes e também corresponde a 4% da população brasileira. Fazem parte, os seguintes municípios: Maceió, Teresina, Natal, Campo Grande, João Pessoa, São Gonçalo, Duque de Caxias, Nova Iguaçu e São Bernardo do Campo.


*Fonte: Blog do Planalto

Eliseu Padilha indiciado


Eliseu Padilha é indiciado por formação de quadrilha

O ex-deputado federal Eliseu Padilha (PMDB-RS) depôs terça-feira (15) na Superintendência da Polícia Federal em Porto Alegre e acabou sendo indiciado por formação de quadrilha. Ex-ministro dos Transportes do governo FHC, Padilha é acusado de fraude nos processos licitatórios envolvendo a construção das barragens Jaguari e Taquarembó, no interior do Rio Grande do SUl, durante o governo Yeda Crusius (PSDB). O indiciamento foi possível porque ele não tem mais foro privilegiado, já que não foi reeleito para a Câmara dos Deputados, nas eleições de 2010. Assim, Padilha passará a responder ao processo na Justiça Federal e n ão mais no Supremo Tribunal Federal (STF).

O indiciamento é resultado das investigações da Operação Solidária, iniciada em 2007, que apura um conjunto de fraudes em licitações no RS, em obras de saneamento, construção de estradas e de sistemas de irrigação. O nome da operação foi “inspirado” no slogan do ex-governo tucano na cidade de Canoas (“Administração Solidária), na gestão de Marcos Ronchetti. O ex-prefeito, juntamente com seu secretário de governo, Chico Fraga, e seu secretário de Educação, Marcos Antônio Giacomazzi Zandonai, foram denunciados pelo Ministério Público Federal de corrupção e formação de quadrilha em um esquema de fraude envolvendo a merenda escolar distribuída nas escolas do município. (...)
-Leia a íntegra da postagem (oriunda da Carta Maior) Clicando Aqui

Código Florestal (II)


Aldo Rebelo propõe vale-tudo premiando desmatadores
                  
                             Reinaldo Canto* escreve:


Na entrevista intitulada “Aldo Rebelo diz que críticos estão “desinformados” sobre novo Código Florestal”, do site Sul 21, republicada aqui na CartaCapital, o deputado Aldo Rebelo, apenas insiste em bater na mesma tecla que tem causado tanto mal estar, desde que seu projeto foi aprovado em Comissão em julho do ano passado. Não é por outra razão que o próprio Governo Federal, por meio do Ministério do Meio Ambiente, está elaborando um projeto alternativo que modernize o Código Florestal, mas sem jogar por terra pontos importantes de preservação ambiental, que integram a lei vigente.

Entre eles, a revogação da anistia a produtores rurais que desmataram até 2008 e a reintrodução das áreas acima de 1.800 metros e topos de morros como sendo de preservação permanente.

Quando se fala da necessidade de modernização da lei e a adaptação à nova realidade, pouca gente discorda. O que não é concebível é que se destrua a lei vigente e se coloque no lugar um vale-tudo premiando os desmatadores e comprometendo o futuro de todos os brasileiros.

E os desafios para a modernização da lei também devem levar em conta a dramática expansão da ocupação humana desde a entrada em vigor do atual Código Florestal no já distante ano de 1965. Hoje quando se afirma que as águas de um rio invadiram casas e cidades, raramente ouvimos dizer que essas casas e cidades é que invadiram o espaço destinado ao escoamento das águas dos rios. Os cuidados, portanto, devem ser redobrados.

Diante desses fatos e se levarmos em conta que a nova lei proposta pelo deputado Aldo só agrada a um lado, obviamente deveria passar por novas discussões e revisões. Pois caso entrasse em vigor como está, certamente, não atenderia aos interesses da sociedade brasileira.

*Reinaldo Canto é jornalista  especializado em sustentabilidade e consumo consciente. Foi diretor de Comunicação do Greenpeace, coordenador de comunicação do Instituto Akatu pelo Consumo Consciente e correspondente da Envolverde, Carta Capital e mídias ambientais na COP-15 em Copenhague. É colaborador da Envolverde.

Fonte: Carta Capital   - Edição e grifos deste blog

15 fevereiro 2011

Construção



*Construção - Chico Buarque

Limites


Ministro Mantega fala dos limites do governo para aumentar o salário mínimo

Brasília/DF - Ag. Brasil  – Em meio aos protestos das centrais sindicais, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, começou, agora há pouco, apresentação, no plenário da Câmara dos Deputados, justificando o valor do salário mínimo de R$ 545 proposto pelo governo.

“Vim para defender a politica de valorização do salário mínimo que propõe o governo federal. Não temos condições, do ponto de vista fiscal, de aumentar a despesa em relação ao que ela é”, disse o ministro, em comissão geral convocada pelo presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS).

Na tentativa de convencer os parlamentares e os integrantes das centrais sindicais, presentes na sessão especial, Mantega explicou que cada R$ 1 acrescido no valor do mínimo representa um acréscimo de R$ 300 milhões nas contas do Estado.

“Temos limitação de ordem orçamentária e limitação com relação à confiança que a sociedade deposita nos acordos que fazemos e [a regra] deve ser cumprida. Não podemos descumprir uma regra negociada com governo e trabalhadores, não vamos abrir exceção. Queremos estabelecer confiança quanto aos compromissos e despesas do futuro”, justificou o ministro.

Para ele, é importante que o acordo feito com as centrais sindicais, no ano passado, seja mantido. “Queremos que a proposta seja colocada em prática, de 2011 a 2015. É bom para o governo porque teremos aumento de despesa, mas é aumento previsível. É mais importante ter regra previsível que seja cumprida por todos”, disse. Dessa forma, para 2012, haverá um aumento real de pelo menos 7,5% mais a inflação.

O acordo a que se referiu o ministro foi incorporado no projeto de lei de valorização do salário mínimo enviado na semana passada à Câmara dos Deputados. O projeto prevê o reajuste pela inflação do ano anterior e a variação do Produto Interno Bruto (PIB) dos dois anos anteriores. (Por Luciene Cruz)

*Edição e grifos deste blog

Código Florestal



Denúncia: 'Agronegócio' apoiou campanha de Aldo Rebelo

Setores interessados em flexibilizar o Código Florestal financiaram a campanha de 11 dos 13 deputados que votaram a favor do relatório de Aldo Rebelo (PCdoB-SP), aprovado em 6 de julho por comissão especial da Câmara.

O próprio Rebelo foi um dos beneficiários ao receber neste ano verbas de empresas ligadas ao campo.

Só de cooperativas de produtores de café, cana e laranja, Rebelo recebeu R$ 130 mil. O comitê financeiro de seu partido também recebeu doações de cooperativas do setor, além de R$ 70 mil da Bunge Fertilizantes, mesma quantia doada a deputados ruralistas que integraram a comissão especial.

Os cafeicultores têm interesse direto na alteração da lei sobre florestas. Grande parte do café plantado no sul de Minas e no Paraná está em encostas, áreas de preservação permanente (APPs).

Se o código fosse cumprido à risca, como determina o decreto de 2008 que o regulamentou, a maior parte do café estaria ilegal, e os produtores, sujeitos a multa. O parecer de Rebelo tira encostas e topos de morro da categoria de APP e anistia de multa os desmates até julho de 2008.

Questionado sobre se sua atuação sobre o código influenciou no perfil de seus doadores em 2010, Rebelo primeiro afirmou “não crer” que seu relatório atraiu financiadores. Disse que a arrecadação ficou por conta do tesoureiro da campanha.

Num segundo momento, admitiu que pode ter sido procurado por representantes do setor. “Também doaram para outras campanhas”, disse. “Doaram mais para a da Marina [Silva] do que para a minha.”

A Cooperativa dos Cafeicultores de Guaxupé (MG), porém, sabe muito bem por que doou R$ 50 mil para a campanha do deputado. Foi “justamente” por causa do parecer, disse o seu presidente, Carlos Paulino da Costa.  “CERTAS ONGS” - “Havia uma campanha de certas ONGs que queriam impedir a eleição dele. Como o Código Florestal defende os nosso interesses, era hora de fazermos o contra-ataque.”

A Bunge também estreou como doadora do PCdoB.

A multinacional nega que tenha sido motivada pelo projeto do código. “As contribuições são baseadas em posturas amplas de busca permanente da promoção do desenvolvimento sustentável”, afirmou am nota.

Apenas Marcos Montes (DEM-MG) admitiu ter procurado representantes do setor para pedir doação. “Precisamos nos mobilizar para a sociedade entender a importância do produtor rural.”

Luis Carlos Heinze (PP-RS), Paulo Piau (PMDB-MG), Homero Pereira (PR-MT), Reinhold Stephanes (PMDB-PR) e Duarte Nogueira (PSDB-SP) não condicionam as doações à atuação na comissão. Dizem receber tradicionalmente doações do agronegócio por terem uma atuação ligada à agricultura.

Dos que foram a favor das mudanças, só Ancelmo de Jesus (PT-RO) não recebeu dinheiro. Não consta a prestação das contas de Ernandes Amorim (PTB-RO), barrado na Lei da Ficha Limpa. Procurados por meio dos gabinetes na Câmara, os demais deputados não retornaram. (por Fernanda Odilla e Cláudio Angelo, Folha de S. Paulo).


*Charge do Santiago  -  Edição deste blog

14 fevereiro 2011

Viajantes na Tempestade




* Riders On The Storm  - The Doors

'Viajantes na tempestade
Nesta casa fomos criados
Neste mundo fomos jogados
Como um cão sem um osso
Um ator atuando sozinho
Viajantes na tempestade' (...)

Participação Cidadã no RS


Seminário sobre Sistema Estadual de Participação Cidadã

Autoridades internacionais estarão no RS para debater novo sistema de participação, dias 24 e 25/02

Porto Alegre/RS - Autoridades internacionais no estudo e na implantação de sistemas de participação estarão em Porto Alegre nos dias 24 e 25 de fevereiro para a discussão que abre a construção do Sistema Estadual de Participação Cidadã. Os professores Yves Cabannes, do Reino Unido, e Giovani Allegretti, da Itália, farão a conferência de abertura do evento, no dia 24/02, às 19h, no auditório Dante Barone, da Assembléia Legislativa. Cabannes é professor da Universidade de Florença, investigador do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, e foi coordenador do Programa de Gestão Urbana da Organização das Nações Unidas (ONU). Allegretti é arquiteto, com doutorado em Planejamento Urbano, Territorial e Ambiental e pesquisa a participação dos cidadãos na gestão das transformações territoriais e nos Orçamentos Participativos municipais (Europa, América Latina e África).

Ainda participam dos debates os doutores Benjamin Goldfrank (EUA), que publicou diversas obras sobre desenvolvimento democrático e participação na América Latina, Giuseppe Cocco (UFRJ), formado na Itália e França, pesquisador dos sistemas de políticas urbanas, e Rolph Luehrf, da Universidade Tecnológica de Hamburgo, na Alemanha. Esses pesquisadores integram as mesas que debaterão, junto a especialistas brasileiros, temas como Fundamentos da Participação, PPA Participativo, Coredes e Consulta Popular, Orçamento Participativo, Redes Sociais e Participação Digital.

O objetivo do seminário, segundo secretário João Motta (foto), titular da Secretaria de Planejamento, Gestão e Participão Cidadã - SEPLAG,  é reunir representantes da sociedade civil e entidades representativas para discutir um método de aprofundamento da democracia participativa, com base em experiências já realizadas e nos estudos atuais de novos sistemas de participação.

As inscrições para o Seminário já estão abertas pela internet, na página da Secretaria de Planejamento, Gestão e Participação Cidadã: http://www.seplag.rs.gov.br/.

-Foto: Cláudio Fachel/JC  - Edição e grifos deste blog

Novo Fies


Novo Fies terá crédito mais barato e maior tempo de carência

Brasília/DF – Agência Brasil - A presidenta Dilma Rousseff afirmou hoje (14) que o novo Programa de Financiamento Estudantil (Fies) terá condições gerais de financiamento “muito mais leves” – incluindo juros de 3,4% e maior tempo de carência.

Em seu programa semanal Café com a Presidenta, ela anunciou que o aluno só terá que começar a pagar o financiamento do curso superior um ano e meio depois de formado. Nesse período, segundo Dilma, será possível encontrar um emprego e obter uma renda. Dependendo do curso escolhido na faculdade, como no caso de medicina, o pagamento poderá ser feito em até 20 anos.

A presidenta explicou ainda que, caso o aluno que adquiriu financiamento pelo Fies decida fazer um curso de licenciatura e dê aulas em escolas públicas, a dívida no novo Fies será “perdoada”, por meio de uma redução de 1% a cada mês de exercício profissional.
 
Outra novidade já anunciada pelo governo é que o programa vai incluir alunos com renda de até um salário mínimo e meio de renda. Antes, eles precisavam arrumar um fiador para ter acesso ao crédito estudantil. “Agora, o próprio governo é fiador”, disse a presidenta. (por Paula Laboissière)

12 fevereiro 2011

FSM 2011



FSM no Senegal termina afirmando importância geopolítica da África

'Horas depois da queda do ditador egípcio, cerimônia de encerramento do Fórum é marcada por discursos em defesa das lutas em curso no continente africano como parte essencial do movimento anticapitalista e antiimperialista.'
 
Por Bia Barbosa*

Dacar, Senegal – Foi tudo muito simbólico. O Fórum Social Mundial 2011 começou celebrando a vitória do povo tunisiano em derrubar o ditador Ben-Ali e terminou, nesta sexta (11), horas depois da queda do presidente egípcio Hosni Mubarak.

A feliz coincidência de datas foi mais um elemento para afirmar, como desejavam os movimentos sociais africanos que vieram ao Fórum, o lugar do continente na luta anticapitalista e antiimperialista e na construção de uma nova geopolítica internacional.

“A revolução do Egito é uma revolução antiimperialista. Temos o orgulho de dizer que Mubarak caiu, mas esta é apenas uma parte da nossa batalha. Derrubar o sistema capitalista é nossa luta”, disse o egípcio Mamdouh Habashi, do Centro Árabe-Africano de Pesquisa.

“Por isso, pedimos que todas as forças progressistas revejam suas prioridades. Todos tem que estar ao lado da revolução do Egito para que ela atinja seus objetivos. O povo egípcio está conseguindo abrir uma grande brecha no muro do imperialismo”, destacou Habashi.

“Um dos objetivos deste Fórum era permitir que a África falasse de seus desafios de forma independente e forte. E o que aconteceu na Tunísia e no Egito, países africanos, foi uma excelente coincidência”, acrescentou o senegalês Demba Moussa Dembele, membro do comitê de organização local do Fórum.

Dembele disse esperar “que no futuro outras revoluções aconteçam junto com o Fórum, porque nosso objetivo é livrar os povos de todos essas ditaduras”. O senegalês ressaltou que “o sistema é o mesmo, capitalista, depredador, criminoso. E o povo, qualquer que seja a região do planeta, é vitima do despotismo do sistema capitalista”.

A grande maioria dos países africanos esteve representada nesta edição do FSM em Dacar, cada um apresentando seus programas e suas prioridades de luta. Organizados em torno do Fórum Social Africano, os movimentos sociais do continente esperam agora fortalecer ainda mais suas alianças e convergências. (...)

-Leia a matéria, na íntegra (originalmente postada na Carta Maior*), Clicando Aqui