31 maio 2011

Imundície

EXCLUSIVO: FLAGRANTE DA REDAÇÃO DA REVISTA ÉPOCA NA HORA EM QUE DECIDIRAM A CAPA DESTA SEMANA


*Pescado do Blog Cloaca News

29 maio 2011

José & Maria



A balada de José e Maria 

Por Leandro Fortes*


José Roque dos Santos, 59 anos, e Maria do Socorro Diniz, 58 anos, o casal das fotos ao lado, não têm escolaridade, nem terra, nem futuro algum. São dois lavradores de Doverlândia, um município perdido de Goiás, de pouco mais de 7 mil habitantes. À meia noite de segunda-feira, 23 de maio, o casal foi colocado dentro de um ônibus com outras 30 pessoas e, em troca de lanche e uma camiseta, foram enviados pelo sindicato rural local para Brasília, a seis horas de viagem de lá. José e Maria se juntaram, então, a outras centenas de infelizes enviados à capital federal pela Confederação Nacional de Agricultura (CNA) para, exatamente como gado tocado no pasto, pressionar os deputados federais a votar a favor do projeto de Código Florestal do deputado Aldo Rebelo, do Partido Comunista do Brasil.


Conversei com o casal enquanto ambos, José e Maria, eram obrigados a segurar cartazes pela votação do texto de Rebelo, defendido por figuras humanas do calibre da senadora Kátia Abreu, do DEM de Tocantins, presidente da CNA, e do deputado Ronaldo Caiado, do DEM de Goiás, ex-presidente da União Democrática Ruralista (UDR), velha agremiação de latifundiários de inspiração fascista.

José e Maria não sabem ler e nem têm a menor idéia do que é o Código Florestal. Quando lhes perguntei a razão do apoio ao projeto, assim me falaram:

José – Acho que vai ser bom pra nós e pros nossos netos, foi o que disseram.

Maria – É pra cuidar das terras, do futuro do Brasil.

Afora isso, não sabem nada. Nem uma pálida idéia do que é o projeto de Aldo Rebelo, muito menos o que é reserva ambiental e mata ciliar. Nada.

Os cartazes, me contaram, foram entregues por um certo “Luís, do sindicato dos fazendeiros” de Doverlândia, também responsável pela distribuição das camisetas da CNA. Eles foram embarcados em direção a Brasília sem chance de contestação. Os dois não têm um único centímetro de terra, mas trabalham na terra de quem manda, no caso, um fazendeiro da região. Enfrentaram um frio de 9 graus na viagem até Brasília, tomaram café com leite e pão em barraquinhas armadas em frente ao Congresso e, quando os encontrei, tomavam conta da fila de doces, frutas e confeitos que a CNA havia preparado na entrada da Câmara dos Deputados para impressionar a mídia. Tinham esperança de conseguir um almoço de graça e se mandar de volta para Doverlândia, às 17 horas de terça-feira, dia 24, a tempo de dormir em casa. Triste ilusão.

As gentes usadas como gado pela CNA para garantir a aprovação do projeto de um comunista ficaram enfurnadas no Congresso até tarde da noite, famintas e exaustas, obrigadas a se espremer nas galerias e a servir de claque contra os opositores do Código Florestal. E, é claro, a aplaudir Ronaldo Caiado.

Que essa perversão social ainda exista no Brasil, não me surpreende. Há anos tenho denunciado, como repórter, esse estado de coisas.

O que me surpreendeu mesmo é que os deputados do PCdoB não tenham se retirado do plenário, senão por respeito a José e Maria e à história do partido, mas ao menos por vergonha de serem cúmplices da miserável escravidão a que o casal de Doverlândia e seus companheiros da terra foram submetidos em troca de lanches e camiseta.

*Leandro Fortes é jornalista da Carta Capital e editor do Blog Brasília, eu Vi (fonte desta postagem).

A imundície da 'Época'


Época supera Veja em imundície e quer matar Dilma

     Brizola Neto*  escreve:

Alertado por um leitor, fui ver a capa da Época, na qual uma foto da presidenta, de olhos fechados, é usada para ilustrar uma matéria sobre uma suposta gravidade de seus problemas de saúde.

É sordidamente mórbida.

Registra que os seus médicos dizem que ela “apresenta ótimo estado de saude”, mas a partir daí tece uma teia mal-intencionada e imunda sobre os problemas que ela apresentou e os outros que tem, normais para uma mulher da sua idade.

O hipotireoidismo, por exemplo, é problema comuníssimo entre as mulheres de mais idade. É por isso que todo médico pede a eles, sempre, o exame de TSH. E o hormônio T4 – Synthroid, Puran, Levoid, Euthyrox e outros – tomado em jejum, é a mais básica terapêutica, usada por anos e anos por milhões de mulheres do mundo inteiro.

A revista publica uma lista imbecil de “medicamentos” que a presidente tomava, em sua recuperação de uma pneumonia, listando tudo, até Novalgina, Fluimicil e Atrovent (usado em inalação até por crianças), e chegando ao cúmulo de citar “bicarbonato de sódio – contra aftas”.

Diz que o toldo que abrigou Dilma de uma chuva, em Salvador, ” lembrava uma bolha de plástico”.

Meu Deus, o que esperavam que fizessem com uma mulher que se recuperava de um pricípio de pneumonia? Que lhe jogassem um balde de água gelada por cima?

Essa é a “ética” dos nossos grandes meios de comunicação. Não precisam de fatos, basta construírem versões, erguendo grandes mentiras sobre minúsculas verdades.

Esses é que pretendem ser os “fiscais do poder”.

Que imundície!

*Brizola Neto é deputado federal (PDT/RJ) e editor do Blog Tijolaço.

28 maio 2011

Direitos 'diferenciados'?!!


Se Palocci cair, haverá castas políticas no Brasil

                              Eduardo Guimarães*  escreve:

Entendo Lula e Dilma ao apoiarem Palocci com tanta veemência, cobrando apoio daqueles que se propuseram a ser aliados dos dois maiores líderes políticos do Brasil, um por sua liderança propriamente dita e outra pelo cargo que ocupa. Afinal, o que se está tentando fazer com o chefe da Casa Civil é lhe negar os mínimos direitos civis.

Esse fato já começava a ficar claro quando veio a público seu suposto “enriquecimento ilícito” através de matéria do jornal Folha de São Paulo. O jornal registra aumento patrimonial de vinte vezes em quatro anos sem informar que é comum que ex-membros de equipes econômicas do governo federal enriqueçam ao saírem dos cargos.

Nesse momento, começa a concessão de direitos “diferenciados” para petistas, de um lado, e para tucanos ou demos do outro. É imoral enriquecer rápido após passar pelo governo, mas só para petistas. Tucanos podem porque teriam mais títulos e mais experiência no setor financeiro. Então podem enriquecer 100 vezes no mesmo período que Palocci que “tudo bem” e não se fala mais nisso.

Agora, porém, veio o supra-sumo do absurdo. O crime que até há pouco mais de seis meses era passível de pena capital, na mídia, agora se torna irrelevante. Quebra de sigilo fiscal foi um tema que permaneceu por semanas a fio nas manchetes principais de primeira página com letras garrafais e em todos os telejornais, com matérias, às vezes, de VINTE MINUTOS de duração.

A então candidata Dilma Rousseff, ano passado, foi cobrada no ar, durante entrevistas ao SBT ou ao Jornal Nacional, por supostamente ter mandado quebrarem o sigilo fiscal da filha de seu adversário José Serra. A mídia, a cada minuto, soltava o nome de um envolvido, de um suspeito do “crime”, enquanto longos discursos sobre direitos civis enchiam as páginas dos jornais.

Hoje, o que se vê são notinhas de pé de página nos jornais e nenhum, repito, NENHUM artigo ou coluna se indignando com a violação dos direitos civis de Palocci, que já foi julgado e condenado sem que ninguém ao menos saiba dizer o que foi que ele fez.

Palocci fez o que? Tráfico de influência? De quem para quem? Quando? Em que área do governo? Onde está o objeto do crime? Silêncio. Os clichês sobre “ética” abundam. As ironias são cortantes. Mas fatos, que é bom mesmo, ninguém dá.

Admite-se que as operações de Palocci parecem legais, mas, no entanto, seriam imorais. Mas, detalhe: só para ele.

Cortem-lhe a cabeça que estará resolvida a imoralidade legalizada – só não há garantias de que não se repetirá, pois outros que passarem pela área econômica estarão liberados. Quebrem seus sigilos, ignorem a sentença da Justiça que o absolveu da acusação de violar o sigilo do pobre caseiro que após se reunir com o DEM ganhou 40 mil do mesmo pai que jamais lhe dera um pirulito.

Ora, a prefeitura de São Paulo, através de um secretário da cota de Serra, violou o sigilo de Palocci? “Bem feito. Ele violou o sigilo do caseiro”, dizem, sem dar bola para o fato de que a Justiça não aceitou nem abrir inquérito devido à total falta de provas.

Para Palocci, não vale nenhuma das garantias legais que valem para tucanos. Não só pode ser acusado sem provas como pode ter seus direitos civis violados e, achando prova ou não, deve ser punido ao menos com perda do cargo. Enquanto isso, os negócios obscuros da família Serra com Daniel Dantas permanecem na escuridão.

Entendo Lula e Dilma. Também estou indignado. E, como eles, no que depender de mim não conseguirão derrubar o ministro. Sua queda significaria a materialização de castas políticas, no Brasil. A uma, tudo seria permitido. Cometendo crime, passaria a vítima e poderia enriquecer sem questionamento; à outra, nenhum direito – sigilo fiscal, presunção da inocência…

Esse caso deixou de ser político e passou a ser institucional. Não se pode apoiar a criação de castas políticas neste país. Até porque, você nunca sabe se estará entre os contemplados a ser incluído na escala político-social mais alta.

*Eduardo Guimarães é Representante Comercial, Editor do Blog da Cidadania

Mesa de Abertura do #BlogProgRS

27 maio 2011

#BlogProgRS ao Vivo!


* Assista  'on line' o 1º Encontro de Blogueiros e Tuiteiros do RS
   (Sexta, Sábado e Domingo - Aqui!)

26 maio 2011

#BlogProgRS




   Encontro de Blogueiros e Tuiteiros do RS  começa nesta sexta

 Programação: 

27 de maio, sexta-feira
18h30 — Credenciamento e abertura com autoridades e convidados;
19h30 — Mesa de abertura: "As mídias digitais e a democratização da democracia".

28 de maio, sábado
09h00 — Mesa de debates: “A importância estratégica e a viabilização da comunicação digital”;
11h00 — Debate e perguntas de plenário, respostas e considerações da mesa;
12h00 — Almoço;
14h00 — Mesa de debates: “Políticas públicas para comunicação digital”;
16h00 — Oficinas simultâneas;
17h30 — Relatos e experiências de blogs: Salto Alto Futebol Clube, Cultura Crossdresser, El blog de Norelys e Teia Livre.

29 de maio, domingo
09h00 — Debate de plenário sobre o II BlogProg Nacional, elaboração da Carta dos Blogueir@s e Tuiteir@s Gaúch@s;
11h15 — Coffee Break;
11h45 — Deslocamento para o Parque da Redenção;
12h15 — PIG PARADE no Parque da Redenção.

*Local: Câmara Municipal de Vereadores - Porto Alegre/RS

25 maio 2011

Gabinete Digital II


* No lançamento do Gabinete Digital (realizado pelo Governador Tarso Genro, ontem,  no Palácio Piratini - Porto Alegre/RS), a foto (gentilmente cedida pela Carina Kunze, do Blog Spogliando il Mondo)  mostra os blogueiros Carla Kunze (Blog Café & Aspirinas), Paulo Henrique Amorim (Blog Conversa Afiada), Sr. Cloaca (Blog Cloaca News) e este blogueiro  - 'sujíssimos, todos!', como diz o PHA -, piloto do Blog do Júlio Garcia/O Boqueirão.   Para a posteridade!!

Violência ao meio ambiente


Código Florestal: PT quer reverter retrocessos e barrar violência ambiental

A bancada do Partido dos Trabalhadores que lutou junto com os movimentos sociais, ambientalistas, agricultores familiares e a comunidade científica para ter um novo Código Florestal equilibrado, que atendesse ao meio ambiente e à agricultura, tem esperança de que, no Senado, seja retirado do texto a emenda 164.

Essa emenda, aprovada e apresentada pelo PMDB e outros, anistia desmatadores e dá aos estados a prerrogativa de definir área de preservação. "A nossa esperança e o nosso esforço será para reverter essa situação no Senado. Não podemos admitir esse retrocesso na nossa legislação ambiental", afirmou o líder da bancada, deputado Paulo Teixeira (SP).

O líder petista disse ainda que há tempo de reverter a situação e evitar que se consolide "essa violência ao meio ambiente brasileiro". Paulo Teixeira explicou que, no Senado, será reaberto o debate e o texto pode e deve ser modificado. Com isso a matéria volta para apreciação na Câmara. "Então teremos tempo para concluirmos de melhor forma aquilo que começamos (votação do Código), entregando para o País uma legislação que garanta o nosso patrimônio ambiental, a nossa diversidade", afirmou.

Como último recurso, antecipou Paulo Teixeira, a presidenta Dilma Rousseff vetará essa emenda. "A presidenta não aceitará qualquer medida que significa desmatamento ou transferência de competência da legislação ambiental para os estados", enfatizou o líder petista. Paulo Teixeira lembrou que o compromisso da presidenta com a preservação ambiental é anterior à sua eleição. "Ela representou o Brasil, em 2009, na Conferência do Clima em Copenhague (Dinamarca) e assumiu o compromisso de redução de emissões de gases do efeito-estufa. A Dilma tem consciência do papel do país na questão ambiental", afirmou.

Inconstitucional

O deputado Nazareno Fonteles (PT-PI) enfatizou a inconstitucionalidade da emenda 164. "Essa emenda não tem respaldo constitucional, é fácil de ser derrubada porque contraria o artigo 24 da Constituição, pelo qual cabe à União definir a Política Nacional do Meio Ambiente. Aos estados e municípios fica a tarefa de fiscalizar e regulamentar os dispositivos dessa política", explicou. Para Nazareno, o que a bancada ruralista fez com a emenda 164 foi inverter essa prerrogativa.

"E o que é mais grave é que nem os estados e nem os municípios têm respaldo político e técnico para exercer uma função tão importante como essa. Se a União, que tem acúmulo de responsabilidade, tem o Ibama e a Polícia Federal, ainda enfrenta dificuldades, imagina o que vai acontecer, se essa política ficar na mão dos estados?", questionou Nazareno Fonteles. Ele enfatizou que os governos estaduais e prefeituras são mais suscetíveis ao lobby dos grandes agricultores.

Nazareno disse ainda que não perdeu a esperança de reverter a situação e dar ao país um Código Florestal equilibrado, que garanta a segurança alimentar e a qualidade ambiental. "Se as mudanças não acontecerem no Senado, tenho certeza de que a presidenta Dilma vetará, não será nem mesmo preciso questionar a constitucionalidade da lei no Supremo Tribunal Federal", concluiu.

Temeridade

Para o deputado João Paulo Lima (PT-PE), foi uma temeridade aprovar a emenda 164. "Já fui prefeito por mais de um mandato e sei como funcionam as coisas nas prefeituras e quais são as deficiências dos estados e municípios", afirmou o deputado. Ele disse ainda que o meio ambiente é uma questão de soberania nacional. "Uma política ambiental não pode ser definida de forma isolada em cada estado. Isso é uma prerrogativa da União", acrescentou. (do sítio do PT Nacional) 

'Eles também deixaram sementes'...


'As mortes foram encomendadas'

   Extrativistas se dizem mais fortes e unidos para denunciar desmatamento ilegal depois da morte de companheiros

Brasília/DF - Agência Brasil - Amigo próximo do casal de extrativistas assassinados ontem (24) no Pará, o diretor do Conselho Nacional das Populações Extrativistas (CNS), Atanagildo Matos, disse ter certeza de que as mortes de Maria do Espírito Santo e João Cláudio Ribeiro da Silva (foto acima) foram encomendadas para tentar prejudicar as comunidades que vêm denunciando o desmatamento ilegal, promovido por madeireiros da região.

Ele advertiu que, no entanto, o tiro saiu pela culatra. “Agora estamos mais fortes e unidos para defender a floresta”. “Ainda não sabemos exatamente quem foi o mandante porque as denúncias feitas por João atingiam diversos grupos e interesses. Mas tenho certeza de que essas mortes foram encomendadas”, disse Matos à Agência Brasil. Segundo ele, o assassinato do casal deixou a comunidade muito abatida, porém fortalecida.

“A morte deles deixou o movimento mais indignado e vamos buscar forças nessa indignação para pressionar o governo a respeitar nosso pedido e a população das florestas. Perdemos um casal muito atuante e digno. Que trabalhava e era querido pela comunidade. Mas, assim como as árvores que eles defendiam, eles também deixaram sementes. Precisamos continuar nossa luta. Agora vamos nos juntar para avaliar a situação e continuar nossa missão”, acrescentou o diretor do CNS.

Junto com o casal, Matos desenvolvia o Plano de Manejo Florestal de Uso Múltiplo, um projeto de sustentabilidade que atinge diversas localidades da Amazônia. “É uma experiência de uso lucrativo da floresta, mas sem derrubar nem queimar árvores”, explicou.

A entidade defende políticas dirigidas ao pequeno, médio e grande produtor. “A responsabilidade pelas florestas tem de ser de todos”, afirmou o ativista, que cobrou a prisão de todos que cometerem crimes ambientais. “Não se pode mais continuar essa política destruidora e devastadora”, disse Matos, que está no movimento desde 1978.

“Foi uma triste coincidência o assassinato deles ter sido cometido em uma data tão próxima à aprovação do Código Florestal, com essas emendas que anistiam criminosos e que delegam a municípios e estados a definição das áreas de proteção”, desabafou.

Na comunidade onde viviam Maria do Espírito Santo e João Cláudio Ribeiro da Silva, há cerca de 250 famílias ocupando uma área de 36 mil hectares. Amanhã (26), ocorrerá o sepultamento dos dois seringueiros.

24 maio 2011

Gabinete Digital


Governo  gaúcho inaugura Gabinete Digital

Tarso Genro lança Gabinete Digital para ampliar diálogo entre população e Governo

Porto Alegre/RS - O governador Tarso Genro lançou oficialmente o Gabinete Digital, um site que concentra as novas ferramentas de diálogo entre o Governo do Estado e a população gaúcha, na tarde desta terça-feira (24), no Salão Negrinho do Pastoreio, do Palácio Piratini. Cerca de 200 pessoas compareceram ao evento, entre elas, vários blogueiros e tuiteiros, como o jornalista Paulo Henrique Amorim, do site Conversa Afiada, que desejou sorte ao governador. "Espero ardentemente que esse Gabinete Digital seja um 'tormento' para o senhor".

"O cidadão só não atuará nas decisões do Governo se realmente não quiser", afirmou o coordenador do Gabinete Digital, Vinicius Wu, ao explicar o funcionamento das opções de participação que o cidadão terá ao acessar o site www.gabinetedigital.rs.gov.br Avaliando as possibilidades de interatividade que as novas tecnologias vêm proporcionando, o governador Tarso Genro considerou o Gabinete Digital  "um projeto de radicalização democrática", por utilizar essas tecnologias a favor da população, que poderá participar efetivamente na formulação de políticas públicas.

Prestigiaram a cerimônia o ator José de Abreu, os jornalistas Rodrigo Vianna e Renato Rovai, o poeta Fabrício Carpinejar, os professores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Ivana Bentes e Giuseppe Cocco, além de Marcelo Branco, militante na defesa do software livre.

O que é o Gabinete Digital

Baseado em experiências de interatividade da chanceler alemã Angela Merkel, com inspiração também nas iniciativas do presidente dos Estados Unidos, Barak Obama, do governador do Sergipe, Marcelo Déda, e do governador do Ceará, Cid Gomes, o Gabinete Digital apresenta aos cidadãos três formas de opinar, propor e criticar: O Governador Responde, em que a população formula questionamentos e, uma vez por mês, a pergunta mais votada é respondida diretamente pelo governador Tarso Genro; a Agenda Colaborativa, que é o envio de sugestões para as agendas de Interiorização do Governo; e O Governo Escuta, espaço para participação popular, em tempo real, em debates sobre temas de grande interesse da sociedade. (Por Carla Kunze, do Portal do Estado do RS). 

-Foto: Caco Argemi, Palácio Piratini  -  Edição final deste blog

23 maio 2011

Reunião em Brasília




Governadores do PT se unem contra a guerra fiscal

Brasília/DF - A primeira questão discutida pelos cinco governadores do PT, na reunião desta segunda-feira, 23 de maio, em Brasília, foi a solidariedade com o governo Dilma. Coordenador da reunião, o presidente nacional do PT, deputado estadual Rui Falcão (SP), disse que Dilma, além de filiada ao Partido, vem dando continuidade aos programas sociais herdados do governo Lula. E está agindo corretamente no combate à inflação, sem abrir mão do desenvolvimento econômico.

Ao final da reunião, convocada para a residência oficial do governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, Rui Falcão informou que também conversou com o anfitrião, com Jaques Wagner (BA), Tarso Genro (RS), Tião Viana (AC) e Marcelo Deda (SE) sobre guerra fiscal e a dívida dos Estados. Por fim, os governadores petistas avaliaram as experiências de governo do PT nos Estados. A reunião deve ter novas edições em cada uma das outras quatro capitais. Em cada reunião será tirada uma carta, como a Carta de Brasília.

Na coletiva de imprensa, Rui Falcão explicou que o PT concorda com o governo federal na estratégia de tratar ponto a ponto a questão da reforma tributária. Os governadores também esclareceram que são favoráveis ao fim da guerra fiscal entre os Estados e admitiram que a renegociação da dívida dos Estados com a União é uma demanda geral, de todos os 27 governadores. Os petistas também discutiram os preparativos para a copa do mundo, a reforma política e o código florestal.

Caso Palocci: governadores do PT criticam ações da oposição

O caso das denúncias da imprensa sobre o ministro Antônio Palocci também foi mencionado na reunião, conforme adiantou o presidente do PT, Rui Falcão. “A reunião não foi feita para tratar do assunto. Mas foi mencionado devido a relevância. Considero que o governo está tratando o caso da melhor forma possível”.

O governador de Sergipe, Marcelo Déda saiu no ataque à oposição, sobre o caso Palocci. “Objeto de denúncia contra o ministro Palocci é justamente a declaração de Imposto de Renda. Não está se tratando de um crime fiscal, por isso a ida do ministro ao Congresso, ou não, é mais uma questão política da oposição. Convocar o ministro para explicar o IR é pratica da oposição”, disse Déda.

Para o governador da Bahia, Jaques Wagner, o caso está sendo tratado com a devida responsabilidade, pelo Governo Federal. “Concordamos que o governo está tratando da melhor forma possível, que não é o Congresso que tem que verificar esse tipo de situação, mas sim o Ministério Público que já está tomando as medidas”.

No final de semana, o líder em exercício do PT na Câmara, deputado Pepe Vargas (RS), criticou a oposição por tentar desestabilizar o governo da presidenta Dilma Rousseff. O parlamentar condenou o PSDB, o DEM (ex-PFL) e o PPS por tentarem a obstrução despropositada no Parlamento, dificultando a apreciação de matérias de interesse nacional. Pepe Vargas criticou a oposição por tentar desqualificar a Comissão de Ética Pública, que concluiu que o ministro Palocci nada fez de irregular. "A oposição se esquece de que somos um país em que as instituições funcionam plenamente. A oposição não deve usar factóides para prejudicar o país e o andamento dos trabalhos do Congresso", disse o líder do PT.

Além disso, ainda conforme Pepe Vargas, o Código de Ética do Servidor Público foi observado, porque Palocci, antes de assumir a condição de ministro, informou devidamente à Comissão de Ética da Presidência da República todas as movimentações.

Palocci informou a existência da empresa e a mudança do seu objeto social, para não haver conflitos de interesses. Hoje, a empresa tem como atividade tão somente a administração dos dois imóveis que foram adquiridos à época em que era deputado federal. O ministro ainda informou que todas as atividades de prestação de contas de serviços de consultoria foram devidamente registradas, com recolhimento de todos os impostos devidos, disse o líder em exercício. (por Chico Daniel, Janary Damacena e Ricardo Weg – Portal do PT com Informes PT)

-Edição deste blog

Boa Noite!



* Yesterday  - The Beatles

22 maio 2011

Sobre as denúncias contra Palocci


O caso Palocci e a ordem jurídica

Brizola Neto*  escreve:

Vou repetir o que disse desde o primeiro dos pouquíssimos posts que fiz sobre este assunto: não tenho nenhum problema em dizer que, até agora, o que se tem em relação ao Ministro Antonio Palocci é um problema, e sério, de natureza ética.
Se há outros, isso deve ser – e está sendo – apurado pelas instâncias legalmente competentes para isso.
Ninguém deve estar imune à investigação.
O procurador-geral da República determinou a Palocci que explique as condições em que se originaram os recursos de sua empresa e decidirá se há sinais de ilícitos.
Outra coisa, completamente diferente, é entrar nessa onda de uma oposição sem discurso e sem proposta. Imagine o DEM e o PSDB querendo dar lições de ética e de separação entre interesses públicos e empresariais. Fala sério, né?
As instituições republicanas estão funcionando. É preciso que, ao se tratar de questões que podem ter implicações jurídicas sérias, não se fique no caminho do “eu acho” que, no fundo, é “eu quero que seja”.
Agora, antes que a Procuradoria cumpra suas funções, a proposta de criar uma CPI é meramente política e partidária. Não há a indicação concreta de qualquer situação que envolva a administração pública e, portanto, falta o “fato determinado” que é imprescindível, legamente, para uma CPI.
Se temos um problema ético, é para ele que temos de nos voltar. Não pode ser possível, como é hoje legal, a um deputado manter atividades em áreas que digam respeito a políticas públicas. Não pode ser vedado, claro, que um deputado se mantenha e como sócio de uma clínica médica ou mesmo como sócio de um escritório de advocacia, salvo se estes tiverem contratos, por alguma razão, privilegiados pela administração. Mas mais do que isso, deveria ser.
Será que uma proposta destas pode ser assumida na Câmara? Tenho lá minhas dúvidas, embora seja difícil porque não se exige isso de um deputado mas, para contratar um simples assessor, este tenha de provar que não é sócio-gerente de qualquer empresa, mesmo que seja uma lojinha de roupas.
Se vale para os pequenos, deveria valer para os grandes.

*Brizola Neto é deputado federal (PDT/RJ)

Coluna C&A


Crítica & Autocrítica - nº 73

* Outro dia, soube que o sinal da tv Record, rede comercial privada, começou a chegar à Santiago, inclusive com o apoio do poder Executivo municipal, o que foi bastante festejado na mídia.
Acho bom para Santiago ter mais uma opção além da Rede Globo, mas preocupa-me a falta de divulgação, à nível local,  da programação da nossa TVE. Sobretudo, por ser uma emissora pública, cuja prioridade é difundir a cultura, a educação e a boa informação.
A propósito, para quem não sabe, foi durante o Governo Olívio Dutra (Frente Popular) que viabilizamos o sinal da TVE para Santiago; inclusive, para minha honra e satisfação, fui encarregado pelo secretário Chefe da Casa Civil (à época, o companheiro Flávio Koutzii), de representar nosso governo por ocasião da solenidade da oficialização do sinal para Santiago e região O evento ocorreu no antigo Cine Teatro Neno (depois Casa de Cultura), com as dependências lotadas.

* Sabemos que nos dois últimos governos estaduais a TVE e a Rádio Cultura FM (ambas vinculadas à Fundação Piratini) foram bastante abandonadas, sucateadas. Era a lógica de uma visão neoliberal, nenhuma estranheza, portanto. Felizmente agora o novo governo gaúcho volta a dar às mesmas a prioridade devida. A qualidade da recepção do sinal da TVE é ótima na região metropolitana de Porto Alegre e na maioria dos municípios onde chega o sinal. Onde o mesmo é deficiente, providências estão sendo tomadas para otimizá-lo.

* Outra boa notícia é que a TVE está agora também retransmitindo o sinal da TV Brasil, com quem fez parceria. Mais um atrativo, portanto, para alavancar a audiência dessa emissora pública, educativa e cultural, faço questão de ressaltar. E a programação -  sou testemunha disso -  melhora dia-a-dia. É só conferir! (...)
-Leia a íntegra da coluna - que (i)regularmente escrevo para o blog 'O Boqueirão'Clicando Aqui

21 maio 2011

Revolução dos Indignados


Cresce na Espanha a Revolução dos Indignados

Carta Maior - O movimento que iniciou no dia 15 de maio, chamado 15-M ou a “revolução espanhola”, cresceu quinta-feira com panelaços que reuniram multidões em dezenas de cidades de todo o país para exigir a mudança de um sistema que consideram injusto. A revolta cresce a cada hora. Começou com uma convocatória nas redes sociais e internet para repudiar a corrupção endêmica do sistema e a falta de oportunidades para os mais jovens. A também chamada Revolução dos Indignados acusa, pela situação atual, o FMI, a OTAN, a União Europeia, as agências de classificação de risco, o Banco Mundial e, no caso da Espanha, os dois grandes partidos: PP e PSOE. O artigo é de Armando G. Tejeda, do La Jornada. (...)
-Clique Aqui para ler a postagem, na íntegra.

20 maio 2011

O PiG, de novo...


Folha se precipita e entrega o jogo: alvo não é Palocci, é Dilma

Do Blog do Mello: A edição de hoje da Folha entrega o jogo. Todo mundo estava se perguntando o porquê de tanto fogo em Palocci, um homem do mercado, tido por muitos petistas como um "deles". A Folha hoje responde: porque o alvo é Dilma e o governo do PT.

Começa na primeira página, em parte reproduzida aí em cima. "Empresa de Palocci faturou R$ 20 mi no ano da eleição".

Misturando dinheiro de Palocci com dinheiro de campanha pode-se ampliar o leque da investigação, não é, Folha? Se levarmos em conta que Palocci é do PT e foi coordenador da campanha de Dilma Rousseff à Presidência da República, pode-se especular se o dinheiro seria sobra não-contabilizada da campanha de Palocci, do PT ou de Dilma - mas como diferenciar, não é, Folha? Esse seria o caminho natural do processo. Mas a Folha se precipitou, e, pior, se entregou. Mostro como: (...)
Clique Aqui para ler a postagem, na íntegra.

19 maio 2011

Entrevista com João Motta


'A participação virtual é característica do nosso tempo'

Participação virtual é essencial, defendeu João Motta durante coletiva aos blogs

Porto Alegre/RS - O Secretário do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã, João Motta, recebeu em entrevista coletiva na manhã desta quarta-feira (18/05), blogueiros e representantes de rádios comunitárias da região metropolitana de Porto Alegre. Durante a coletiva, o Secretário enfatizou a centralidade do uso das ferramentas virtuais para garantir a participação cidadã no Governo do Estado: "a participação virtual é característica do nosso tempo, as grandes mobilizações políticas contemporâneas foram convocadas pela internet. Esse é um espaço que vamos garantir com toda a legitimidade", afirmou Motta, lembrando do lançamento do Gabinete Digital, na próxima semana, e do Portal da Participação (www.participa.rs.gov.br).

Motta relatou brevemente a situação financeira do estado e o funcionamento do PPA Participativo, que encerra os Seminários Regionais neste sábado, em Canoas.

Os seminários já reuniram mais de 5 mil pessoas, o que confere uma média de 625 participantes nos oito encontros realizados no interior do estado. Mais de 800 propostas foram apresentadas através de pronunciamentos nos seminários. No Portal da Participação, já foram publicadas 1.165 propostas.

"Estamos em diálogo com a União. Temos uma hierarquia de forma pactuada com os Coredes, Cartas Consulta e PPA, de acordo com os programas do PAC", afirmou o Secretário, sobre a origem dos recursos para investimentos.

"Tivemos o cuidado de iniciar o projeto do PPA de cima para baixo, em forma de guarda-chuva, num encontro com Coredes e várias entidades, que iniciou em fevereiro, e a partir disso realizar um trabalho com as características de cada região", acrescentou.

O diretor do Departamento de Participação Cidadã, Davi Schmidt , que acompanhou o Secretário na coletiva, junto ao diretor do Departamento de Planejamento, Álvaro Magalhães, lembrou que o estado nunca havia discutido o PPA desta forma, tendo uma média de 650 pessoas cada encontro. "Esta forma introduz uma mudança qualitativa: a característica é que estão representados os setores. Percebemos uma presença maciça de entidades, prefeituras, segmentos das mulheres, agricultores, juventude. Os problemas são complexos e regionais", frisou Schmidt.

O encerramento dos debates do PPA acontece neste sábado, 21/05, às 9h, na Universidade La Salle, em Canoas. O encontro é dirigido às regiões Metropolitana e Vale dos Sinos, e tem confirmada a presença da Ministra do Planejamento, Miriam Belchior.

Fonte: sítio da Seplag: http://www.seplag.rs.gov.br/

18 maio 2011

Poema


     Bilhete 

Se tu me amas,
ama-me baixinho.
Não o grites de cima dos telhados,
deixa em paz os passarinhos.

Deixa em paz a mim!
Se me queres, enfim,

.....tem de ser bem devagarinho,
.....amada,
.....que a vida é breve,
.....e o amor
.....mais breve ainda.
 
                      Mário Quintana

Chaplin

16 maio 2011

Palácio Piratini: 90 Anos


OSPA realiza concerto em homenagem aos 90 anos do Palácio Piratini

A Orquestra Sinfônica de Porto Alegre realiza, nesta terça-feira (17), às 20h30min, o 6º Concerto Oficial, homenageando os 90 anos do Palácio Piratini. O espetáculo ocorre no Teatro Dante Barone, na Assembleia Legislativa, com entrada franca.
Sob a regência do diretor Artístico da Camerata Antiqua de Curitiba, maestro Wagner Polistchuk, serão executadas obras de Giovanni Gabrieli (1554-1612), Franz Schreker (1878-1934), Hector Berlioz (1803-1869) e Ludwig van Beethoven (1770-1781).

A apresentação começa com Três Canzonas, de Giovanni Gabrieli importante compositor da transição do Renascimento para o Barroco. Na sequência, será apresentado Intermezzo, op. 8, do compositor contemporâneo Franz Schreker. A execução seguinte será Abertura de "O Corsário", do francês Hector Berlioz. O encerramento terá a Sinfonia nº 8, de Beethoven, considerado um dos pilares da música ocidental.

Regente adjunto da Orquestra Sinfônica de Santo André, nos anos de 2007 e 2008, Politschuk também foi diretor artístico e regente titular da Sinfônica da Universidade Estadual de Londrina, em 2003 e 2004. O músico tem se apresentado à frente de importantes orquestras brasileiras e também no exterior. Especializou-se na Alemanha como trombonista com Branimir Slokar, um dos mais conceituados professores de trombone da atualidade. Como regente, tem dado especial atenção ao repertório contemporâneo.

Os 90 anos do Palácio Piratini

Além do Concerto da OSPA, para celebrar os 90 anos do Palácio Piratini, o Governo do Estado do Rio Grande do Sul promoverá uma série de atividades que consolidarão o espaço como exemplo de modelo autossustentável e cultural para a preservação da memória patrimonial e política do Rio Grande do Sul. O lançamento será nesta terça-feira (17), com a assinatura do decreto de criação do Conselho de Preservação do Palácio Piratini.

15 maio 2011

Programa Brasil sem Miséria


O Bolsa Família de Dilma Rousseff

*Por Marcos Coimbra

Uma das mais importantes decisões do governo Dilma Rousseff está prestes a se concretizar e poucas pessoas estão sabendo. Até o fim de maio, depois de meses de estudos e reuniões (que contaram com a participação ativa da presidenta), o Programa Brasil sem Miséria deverá ser lançado.

A meta é ambiciosa: de agora até 2014, acabar com a miséria absoluta no Brasil, mudando radicalmente a vida de 16,2 milhões de pessoas, sua população-alvo. Em nossa história, nenhum governo havia se colocado em um desafio desse porte.

Pena que algo tão relevante fique em segundo plano nas discussões políticas e nas atenções da mídia. Obcecados com o tema do “retorno da inflação”, ninguém se interessa por outra coisa. Ficamos presos à velha agenda: “Gastos públicos descontrolados”, “fatores de instabilidade” e “limites ao crescimento”.

Enquanto isso, um programa totalmente novo está em gestação. Se der certo, o Brasil sem Miséria vai ajudar a resolver um problema que sempre consideramos insolúvel e revolucionar a nossa sociedade.

É algo que Dilma anunciou na campanha como um de seus principais compromissos, mas que passou quase despercebido. No meio de tantas coisas sem pé nem cabeça que estavam sendo prometidas, é até compreensível que isso tivesse acontecido.

Depois da eleição, uma das tarefas nas quais ela mais se empenhou foi na finalização do programa. A versão que será em breve anunciada tem sua marca pessoal.

Aliás, na hora de escolher o slogan do governo, ela optou pela frase “País Rico É País sem Pobreza”, no lugar do que Lula preferia, “Brasil: um País de Todos”. Ou seja, o novo programa é bem mais que apenas outro na área social.

A ideia é simples de enunciar, mas a concretização é complicada. Como disseram suas responsáveis diretas, a ministra do Desenvolvimento Social e a secretária extraordinária para a Erradicação da Pobreza, em entrevista recente, a premissa do programa é que, para erradicar a miséria, é preciso dirigir aos segmentos mais vulneráveis da população ações que assegurem: 1. A complementação de renda. 2. A ampliação do acesso a serviços sociais básicos. 3. A melhora da “inclusão produtiva”.

Como se pode ver, é muito mais que o Bolsa Família, mas dele decorre. Sem a experiência adquirida nos últimos anos, seria impensável um programa como esse, que exige integração de vários órgãos do governo federal, articulação com estados e municípios e capacidade de administrar ações em grande escala. Além disso, é mais complexo, pois implica desenhar soluções específicas para cada segmento, comunidade ou até família, em vez de lhes destinar um benefício padronizado, por mais relevante que seja.

Com ele, tomara desapareçam duas coisas aborrecidas de nosso debate político. De um lado, a reivindicação de paternidade do Bolsa Família que Fernando Henrique e algumas lideranças tucanas repetem a toda hora. De outro, as opiniões preconceituosas contra programas do gênero, típicas de certas classes médias, para quem transferir renda é uma esperteza que subordina beneficiários e perpetua a pobreza. Daí a dizer que Lula é produto do Bolsa Família é um passo.

O curioso na pendência a respeito de quem inventou o Bolsa Família é que o Bolsa Escola, criado no governo FHC, tem sua origem em algo que nasceu dentro de uma administração petista, a do Distrito Federal, quando Cristovam Buarque foi governador. O que foi implantado em Campinas à época em que o tucano Magalhães Teixeira era prefeito tinha pouco a ver com desempenho ou frequência- -escolar, pré-requisitos do Bolsa Escola.

Discussões como essa perdem sentido ante o novo. Onde estaria seu DNA peessedebista se o Bolsa Escola era algo tão mais limitado e menor? Como insistir no discurso do “Fui eu que fiz?”

Aos críticos do maquiavelismo petista, o Brasil sem Miséria responde com sua concepção inovadora e disposição de fazer. Quem levou o Bolsa Família a ser o que é tem crédito para se propor um desafio dessa envergadura.

Mas o importante mesmo é a perspectiva que se abre de que a miséria seja enfrentada para valer. Essa é uma dívida que o País precisa pagar.
...

*Marcos Coimbra é sociólogo e presidente do Instituto Vox Populi.

Fonte: Carta Capital

Foto: Tereza Campello, Ministra do Desenvolvimento Social.

Um belo exemplo de Cidadania...


Crônica “primária” de um Churrascão diferenciado

                               *Eduardo Guimarães escreve:

'Puta que pariu / é a elite/ mais tosca do Brasil !!'

O verso acima era declamado por mais de mil pessoas que se espremiam diante do shopping no meio da tarde de um sábado nublado – e esfriando – depois do sol que dera palhinha por volta das 12 horas, quando cheguei ao local do Churrascão da Gente Diferenciada e não encontrei ninguém que me parecesse que participaria de algo assim tão “popular”.

No boulevard que precede os corredores tomados por brilhos, luzes, cheiros e sons que embriagam o endinheirado consumidor do asséptico e verdejante bairro paulistano de Higienópolis para depois depená-lo, senhores maduros, gordos e engravatados riem em duas, três mesas, fazendo-me pensar por que estariam vestidos assim num sábado. Outras mesas eram ocupadas por casais, senhoras e até crianças e adolescentes, mas os maduros predominavam.

Olho para um lado, para o outro, e nada. Ninguém diferenciado. Eram todos iguais na cor da pele, nos perfumes fortes, na aparência bem-nutrida, enfim. Não posso negar que, por alguns momentos, senti-me em Paris. Lembrei-me de um café em Saint Germains des Pres… (...)
-Clique Aqui e veja como foi (segundo a empolgante narração do Eduardo Guimarães) o churrasco da 'Gente Diferenciada' (protesto irreverente contra o conservadorismo de moradores do bairro paulistano que se pronunciaram, preconceituosamente, contra a construção de uma estação do metrô no local). Ontem, em Higienópolis/São Paulo.
-Leia mais clicando também aqui

13 maio 2011

Morir de Amor



* 'La canción y el poema' - De Idea Vilariño e Alfredo Zitarrosa - Canta: Soledad Villamil

PPA Participativo


PPA chega à região Central neste sábado

O debate do Plano Plurianual (PPA) Participativo chega neste sábado (14/05) a Santa Maria. As discussões, que se dirigem às regiões Central, Alto-Jacuí, Jacuí-Centro e Vale do Jaguari, iniciam às 9h, no Park Hotel Morotin. Os seminários já aconteceram em sete macrorregiões do estado, sediados nas cidades de Caxias do Sul, Rio Grande, Osório, Santa Cruz do Sul, Santana do Livramento, Passo Fundo e Santa Rosa. Após o encontro em Santa Maria, acontece o encerramento em Canoas, no dia 21/05.

O que é o PPA?

O Plano Plurianual Participativo (PPA) é um grande plano de Governo que orienta a elaboração e a execução das políticas públicas para tratar do desenvolvimento econômico e social do Rio Grande do Sul. A elaboração do PPA dos próximos quatro anos integra o Sistema Estadual de Participação Cidadã, por isso terá a contribuição da população e das entidades representativas. O objetivo do Estado é envolver os cidadãos na construção da estratégia de desenvolvimento do estado, definindo programas e ações prioritários para o investimento dos recursos públicos.

Inscrições pela internet

As inscrições para os participantes dos Seminários Regionais do Plano Plurianual (PPA) Participativo estão sendo feitas através do Portal da Participação: www.participa.rs.gov.br
 
Características da Região

A Região Funcional 8, composta pelos COREDEs Alto Jacuí, Central, Jacuí Centro e Vale do Jaguari, concentra 7,5% da população do Rio Grande do Sul e 6,1% do PIB estadual. Os COREDEs dessa Região têm como traço comum o fato de que uma grande parte da produção econômica tem como origem a atividade agropecuária. Como resultado, tem-se a presença de grandes e médias propriedades, ocupadas por lavoura empresarial de arroz e soja; pequenas propriedades de origem colonial com produção diversificada; e, áreas de pastagens, onde se desenvolve a pecuária. (...)

Reflexão


Não me vendo e não me rendo!

Por Adeli Sell*

No passado remoto, duvido que um político diria uma frase destas. As pessoas tinham posições político-ideológicas, mas não se guiavam por pressões, lobbies, por financiadores de campanha, nem compravam apoiadores e assessores, nem se vendiam.

Hoje, eu me obrigo a dizer com todas as letras que sou um político que “não se vende e não se rende”. Sou pressionado o tempo todo a mudar de partido. Por que mudaria? Só porque houve percalços no caminho dele? Ou porque alguns se desviaram do rumo certo? Seria diferente nas outras legendas? Prefiro ficar na sigla que estou desde o primeiro momento. Minha primeira ficha foi no PT no ano de sua fundação: 1980.

Meu nome já circulou várias e várias vezes como um bom nome para disputar a Prefeitura. Foi assim em 2008, e agora volta com força mais uma vez. Serei se esta for a posição do partido. Posso até não conseguir maioria, mas não farei nada que fira a ética para ser candidato a prefeito ou seja lá o que for.

Não farei nada contra os princípios éticos para acertos ‘por cima’ com outros partidos políticos. Todos os acordos, as possíveis alianças, serão na base da política, do programa de governo, sempre com respeito ao povo, aos princípios da ética, da democracia e da participação cidadã.

Agora, não posso deixar de entrar no cotidiano da política. O que a gente vê nos dias atuais é de corar. Gente que era de um governo X, com cargo de confiança, quer ficar no governo Y. Se desfiliam do partido que estava no governo para entrar noutro que está na base do novo governo. Outros dizem, sem vergonha, que sempre foram do nosso partido ou de um partido aliado, e que estavam no outro governo porque são apenas bons técnicos. E não se trata de ser inflexível ou contra mudanças. Os movimentos a que me refiro aqui são outros.

Tem argumento para tudo. Como estas pessoas educam seus filhos e netos? Como aparecem para as pessoas que convivem com elas? Existem lideranças sociais de todos os tipos que a cada eleição estão com um partido diferente. São verdadeiros “cabos eleitorais”, serviçais de quem paga ou de quem paga mais. Trocam de partido e de candidato como se troca de camisa.

Isto acontece porque o político que compra um passe é tão igual ou pior do que o “assessor” ou “líder” que se vende. Ou não? É como o ladrão e o receptador. Um não existe sem o outro. É como o corrupto e o corruptor. Um também não existe sem o outro.

E tem aqueles políticos que fazem “acordos” para receber apoios. Depois em seguida se esquecem e partem para sua trilha por cima de quem abriu outro caminho para eles.

É por isso que faço esta reflexão e me pergunto: para onde estão indo os princípios? A política está tão vulgarizada que a gente chama tudo isto de “trairagem”. Coitadas das traíras que são um peixe esperto que tenta se salvar enganando o pescador. Como não estamos tratando de pescaria, por favor, permitam-me não apenas colocar aqui minha indignação, mas chamar para um debate sério e quiçá a voltarmos a ter um dia em que nenhum político possa falar que “não se vende e não se rende”.

* Adeli Sell é professor,  vereador e presidente do PT-POA (Artigo postado originalmente no sítio Sul 21).

-Foto acima: Vereador Adeli Sell, senador Paulo Paim e este blogueiro (foto tirada após reunião da Coordenação da campanha do Senador, nas eleições passadas, no CIPP- Canoas/RS).

11 maio 2011

'Incentivos Fiscais' ... deu nisso!!



*Charge do Kayser

Luto


Pesar pela morte de Carlos Alberto Tejera de Ré

Porto Alegre/RS- PTSul - A bancada do PT na Assembleia Legislativa demonstra profundo pesar pela morte de Carlos Alberto Tejera de Ré, ocorrida nesta quarta-feira (10), no Hospital Mãe de Deus, em Porto Alegre. De Ré estava com 60 anos e enfrentava um câncer.

De Ré foi militante de esquerda durante a ditadura militar e fundador do PDT. Filho de Aldomar Lara de Ré e Carmem Tejera de Ré, nasceu em 16 de março de 1951, em Jaguari.

Tejera de Ré participou ativamente da luta pela anistia e pela democratização do país. Foi um dos fundadores do PDT, em 1980, e o primeiro presidente da Juventude Socialista do PDT. Participou da campanha pelas eleições diretas, e das campanhas de Leonel Brizola ao governo do Rio de Janeiro, em 1982; da campanha de Alceu Collares a prefeito de Porto Alegre, em 1985, e ao governo do Estado, em 1989. Foi presidente da Fasc em Porto Alegre, durante o governo trabalhista, e presidente da FGTAS, na gestão estadual de Collares. Foi um dos fundadores do Movimento dos Ex-Presos e Perseguidos Políticos.

Atualmente,  respondia pela coordenadoria das atividades do Teatro Dante Barone, na Assembleia Legislativa. (...)

-Leia mais sobre o Minhoca (como era mais conhecido entre os companheiros) Clicando Aqui

10 maio 2011

'A imprensa corrupta tem muito a temer'


"A imprensa corrupta tem muito a temer": o que a mídia brasileira não divulga sobre o Equador

                                 Emir Sader* escreve:

"A imprensa corrupta tem muito a temer". Com essa afirmação o presidente do Equador, Rafael Correa, comentou o novo triunfo obtido pelo seu governo em mais uma consulta popular. Depois de reiterar que “no Equador se respeita a liberdade de expressão”, acrescentou: “Aqui temos tolerância com a crítica, mas com o que não temos tolerância é com a mentira.” A formação de um Conselho de Regulação é uma das medidas aprovadas pela Consulta.

“Aqui houve um grupo que ficou devendo 600 milhões de dólares e seus proprietários vivem em Miami”, afirmou Correa. “O grupo Isaias criou um consórcio de bancos, engenhos e fazendas, e comprou Gama TV, não para informar, mas para defender seus negócios”. Gama TV faz parte de um conjunto de empresas que foram embargadas a bancos quebrados, que serão revendidas ao setor privado. Correa denunciou muitas vezes que durante a crise, esta foi ocultada pela parceria banco-midia.
 
“Isto não é saudável para uma sociedade”, acrescentou o mandatário equatoriano, agregando que o jornal El Universo “é propriedade de três fantasmas das Ilhas Cayman, um paraíso fiscal; esse é o nível ético dos meios de comunicação que nos dão informação todos os dias.”

A Consulta aprovou também a proibição de que bancos comprem meios de comunicação. Com essa medida “estamos desconcentrando o poder, o estamos democratizando, mudando as formas de poder de forma profunda e histórica”, afirmou Correa.

Foram aprovadas também medidas que punem as empresas que não registram seus trabalhadores na previdência social, proibição de espetáculos que tenham como finalidade matar animais, castigo do enriquecimento privado sem justificação e a proibição dos jogos de azar. Também foram aprovadas medidas de proteção dos réus na Justiça e de mudança na composição do Judiciário, o órgão de supervisão técnica do Poder Judiciário.
 
Aperfeiçoa-se assim a Constituição aprovada em longo processo constituinte e referendada em Consulta popular, aprofundando-se as transformações que o profundo processo democratizador de todos os âmbitos da sociedade que se desenvolve no Equador, sob a liderança de Rafael Correa. Um processo impossível de ser compreendido pela leitura da velha mídia brasileira, que ocultou o verdadeiro sentido da Consulta Popular realizada no Equador, para acobertar as tramoias e tergiversações dos seus parceiros naquele país, derrotados – lá como aqui – uma vez mais pelo voto popular.

*Fonte Blog do Emir (Carta Maior) - Foto: Rafael Correa, Presidente do Equador. - Edição deste blog

09 maio 2011

Boaventura de Sousa Santos


Palestra sobre 'Intolerância: Violência e Desagregação Social'

Porto Alegre/RS - A conferência com Boaventura de Sousa Santos lotou o plenário da Assembleia Legislativa na noite desta segunda-feira, dia 9, em Porto Alegre. A convite da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos (CCDH), em parceria com a Presidência da Assembleia e dentro do programa Destinos e Ações para o Rio Grande, o sociólogo português falou sobre o tema Intolerância: Violência e Desagregação Social.

Para o professor, os episódios recentes são produtos de preconceito, principalmente em sociedades fortemente marcada pelo colonialismo. “Os preconceitos raciais, de regiões, religiões, ou as intolerâncias políticas, sexuais, são sobretudo uma forma de desumanizarão que nas sociedades desiguais, em geral capitalistas e de cultura autoritária, se traduz, entre outras coisas, pela violência.”

Entre os caminhos para a solução o professor destaca a ampliação do papel do estado na construção de políticas públicas que trabalhem o reconhecimento dos grupos marginalizados e promovam a inclusão através de ações positivas. “Também é preciso uma justiça que não criminalize o pobre, que julgue de maneira a não perdoar quem tem recursos, porque a intolerância tem muita ligação com o poderio econômico.”

Ele também sugere que a discriminação pode ser suplantada na medida em que forem incorporadas novas maneiras de diálogo, com a aceitação de muitos sujeitos no processo. “Não são partes, mas um mosaico - uma peça completa por seus diversos pedaços. Não é um sim a tolerância, mas ao respeito recíproco para que se perceba como, de diferentes maneiras, falamos o mesmo”.
 
O presidente da CCDH, deputado Miki Breier (PSB), lembrou que eventos como o atropelamento de vários ciclistas em Porto Alegre e a chacina ocorrida na escola em Realengo, no Rio de Janeiro, motivaram na comissão a promover a vinda de Boaventura. “São faces cruéis de uma sociedade intolerante, que precisa urgentemente rever conceitos e relações. Por isso, a Comissão de Cidadania resolveu abordar estas questões através da conferência com o professor, que se destaca mundialmente no debate sobre o reflexo da modernidade nas relações sociais”, destacou.
 
A atividade teve a participação do presidente da Assembleia, deputado Adão Villaverde, da presidente da CCDH na Câmara Federal, deputada Manuela D´Ávila, e da presidente da Câmara Municipal, Sofia Cavedon.
...

O sociólogo Boaventura de Sousa Santos é professor catedrático da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, Distinguished Legal Scholar da Faculdade de Direito da Universidade de Wisconsin-Madison (EUA), e Global Legal Scholar da Universidade de Warwick (Reino Unido). É também diretor do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra e do Centro de Documentação 25 de Abril da mesma universidade; coordenador científico do Observatório Permanente da Justiça Portuguesa e membro do Núcleo Democracia, Cidadania e Direito (DECIDe).

O intelectual é ainda co-coordenador científico dos programas de doutoramento em Direito, Justiça e Cidadania no Século XXI; em Democracia no Século XXI; e Pós-Colonialismo e Cidadania Global. Tem trabalhos publicados sobre globalização, sociologia do direito, epistemologia, democracia e direitos humanos, traduzidos em espanhol, inglês, italiano, francês e alemão.

*Fonte: Síto da AL/RS