25 maio 2017

Bomba de Gás etc...




*Charge do Kayser

Recusa de prazo para Lula depor preparou “golpe da agenda”


lulacoreia


Por Fernando Brito in Tijolaço*
Você deve se recordar que a defesa de Lula pediu prazo a Sérgio Moro, ao TRF e, afinal, ao Superior Tribunal de Justiça para examinar o catatau de documentos – equivalente a 33 vezes o número de páginas do Dicionário Houaiss – juntados às pressas ao processo no qual o ex-presidente deporia no último dia 10.
Todos ele negaram prazo para o exame de documentos.
Não deu outra.
Em meio ao papelório estavam as supostas “agendas” do ex-presidente com o presidente  e diretores da empresa, que foram usadas, logo depois, para dizer que Lula mentira ao dizer que tivera  poucas reuniões com os dirigentes da Petrobras, enquanto a mídia publicava terem sido quase 30.
O “golpe” consistiu em pegar todos os eventos – a maioria públicos: inaugurações, jantares, reuniões intersetoriais onde havia alguém da empresa – e transforma-los, para consumo público, em encontros “tête-a-tête”, reservados, onde – nas convicções moro-dallagnóicas – ter-se-iam tratado de mutretas.
A Folha, Estadão e Globo esmeraram-se em manchetes escandalosas. 
capasment
A defesa de Lula divulgou hoje um longo dossiê, onde reconstitui quase todas as “reuniões” alegadas no processo, mostrando que nada t~em de reuniões privadas. E só não reconstitui todas porque a agenda presidencial existente no site do Palácio do Planalto foi inexplicável e estranhamente apagada para o período Lula.
É coisa de gente sem o menor escrúpulo, um verdadeiro conluio entre o Governo, o Ministério Público e a Justiça para buscar lançar suspeitas sobre atos que foram públicos e inerentes ao exercício da função presidencial.
Um verdadeiro escândalo, do qual me penitencio por desconfiar e não ter tido forças para seguir na apuração, por serem muitos documentos e eu um só.
Cheguei a começar um texto, já sobre o primeiro documento, em que registrei:

Paulo Roberto Costa, em 9 de fevereiro de 2007 – Aqui, o documento do Estadão e aqui a notícia  do site da Petrobras , que revela que “foi iniciada nesta sexta-feira (9/2) a produção comercial de gás natural do Projeto Manati, que estava em pré-operação desde 15 de janeiro. O início da produção foi marcado por uma cerimônia com a presença do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, e do presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli de Azevedo, na estação de tratamento de gás, em São Francisco do Conde, a aproximadamente 100 quilômetros de Salvador.”
Pecado suprido pela defesa de Lula, que seguiu adiante e preparou um extenso documento que pode ser lido aqui, desmontando a farsa.
Poderia ler também amanhã nos jornais se tivéssemos jornais sérios, que tivessem a honradez de publicar que todas ou quase todas as “reuniões secretas” foram por eles noticiadas e, outra tratavam de questões gerais, com vários participantes ou eram meros eventos públicos, com acesso aberto e, portanto, nenhuma tratativa clandestina.
Mas, infelizmente não temos.
E a “pegadinha” Moro-MP-direção da Petrobras fica de “verdade”, como convém aos mentirosos.
* http://www.tijolaco.com.br

Nota oficial da Frente Brasil Popular

A Frente Brasil Popular repudia veementemente o uso de repressão policial e das Forças Armadas que agrediu milhares de brasileiros e brasileiras dentre os 200 mil que participaram da Marcha em BSB




A Frente Brasil Popular repudia veementemente o uso de repressão policial e das Forças Armadas que agrediu milhares de brasileiros e brasileiras dentre os 200 mil que participaram da Marcha da classe Trabalhadora, organizada com unidade de todas as centrais sindicais e com a participação das Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo.

O uso das Forças Armadas, de bombas de gás lacrimogêneo e bala de borracha demonstra a atual fraqueza do governo de Michel Temer e seus aliados, ainda mais instável após as inúmeras denúncias de corrupção que envolvem o próprio presidente.

As Forças Armadas rebaixaram o seu papel ao servir instrumento político de um governo moribundo. Atacou indiscriminadamente dezenas de milhares de brasileiros/as, quando alguns poucos se infiltram em nosso movimento pacífico para promover o enfrentamento.

Sem forças, sem apoio popular e vendo sua base golpista pular do barco, Temer criminaliza e persegue os movimentos sociais. 

Fomos às ruas hoje para exigir a saída do presidente, eleições diretas e a retirada das reformas da previdência e trabalhista e serão as ruas os nossos espaços sociais de luta até a derrubada de Temer e sua pauta de retirada de direitos.



http://www.frentebrasilpopular.org.br

24 maio 2017

Covarde e irresponsável!!!



cavalria2

Michel Temer, você é um covarde e irresponsável


Por Fernando Brito*
Eu acuso diretamente, Michel Temer, porque há falta, neste país, de quem aponte o dedo aos desavergonhados e assim os trate, sem temor.
E não faço com prazer, porque me acostumei, como jornalista e quando servidor público, a tratar a todos com urbanidade e gentileza, que é meu normal, até quando os desaforos que ouço são dirigidos a mim.
Mas não quando são ao meu país e às nossas liberdades, ah, não.
Porque para combater, vá lá, duas dúzias de baderneiros que se metem numa manifestação pacífica – que o seu general Etchegoyen sabe perfeitamente quem são, ou deveria saber – o senhor faça esta pataquada de “chamar o exército” para uma ação repressiva contra multidão, que é algo da maior gravidade.
O que poderiam ser incidentes localizados, no máximo, pelas ordens dadas a uma polícia acostumada a bater e bater, virou um conflito.
Não é a “baderna” que o senhor quer enfrentar, porque foi um dos que a provocou, é a sua inexorável ruína.
Este cenário era tudo o que o senhor queria e podia e eu o acuso de tê-lo construído para tentar ocultar o desprezo que, neste momento, lhe nutrem 99% dos brasileiros.
É o seu discursinho finório de que, sem o senhor será caos na economia e, agora, será o caos nas ruas.
O caos é você, Michel Temer, que nem mais o tratamento de senhor ainda merece.
É  apenas um bandido flagrado às combinações como empresário que agora chama de bandido e que se escuda nos eventuais picotes de uma gravação para esconder o óbito: tramava com ele falcatruas num diálogo indigno de um chefe da nação.
E que agora não mede mais o preço de manter-se no cargo que não ganhou pelo voto e vai perder por indecoroso.
O seu abraço de afogado não vai levar de roldão a democracia, não vai.
Ela custou a minha juventude e todas as que tivesse as daria para isso.
Porque é isso que faz com que eu envelheça sem envelhacar-me, como tanta vezes disse Ulisses Guimarães, que nunca o tratou como mais que um pequeno oportunista.
Oportunista que foi tragado pela própria esperteza e pequeno, ah, Michel,  pequeno como um anão moral, que não cessa de revelar-se menor ainda a cada dia.
*Jornalista, Editor do Tijolaço
(Com o Blog 'O Boqueirão Online')

23 maio 2017

Centrais ocupam Brasília e realizam ato em Porto Alegre por Diretas Já nesta quarta (24)



Da Redação*
Centrais sindicais realizam um dia de grande mobilização nacional nesta quarta-feira (24). Os trabalhadores do campo e da cidade vão ocupar Brasília para deixar claro que repudiam as reformas da Previdência e Trabalhista, por retirar direitos conquistados com muita luta ao longo da história. Também irão defender ‘Fora,Temer’ e eleições diretas já. Em Porto Alegre, com o mesmo teor, haverá um ato a partir das 17h30, na Esquina Democrática.
“Vamos tomar as ruas contra as reformas do Temer, a fim de pressionar deputados e senadores, impedir o golpe dentro do golpe e garantir o direito do povo brasileiro escolher o novo presidente da República”, afirma o presidente da CUT-RS, Claudir Nespolo.
Vários ônibus já partiram do Rio Grande do Sul e estão na estrada a caminho de Brasília, onde haverá uma marcha que as centrais esperam reunir milhares de pessoas de todas as regiões do país. A concentração está prevista para as 14h, no Estádio Mané Garrincha.
“Temos hoje cerca de 14 milhões de desempregados, que não podem esperar até 2018”, justifica Claudir. “A CLT nunca foi problema para gerar empregos e fazer o Brasil crescer”, ressalta.
Claudir salienta ainda que “boa parte dos parlamentares não possui autoridade moral para encaminhar a solução desta crise e, por isso, a melhor forma de honrar a Constituição é devolver a soberania ao povo brasileiro. Por isso, a realização de eleições diretas já é o caminho para resgatar a democracia e reacender a esperança”.
Professores mobilizados
Educadores e educadoras de diversas regiões do Estado viajaram na segunda-feira para participar da ocupação em Brasília, conforme deliberado no último Conselho Geral do Cpers Sindicato, em 5 de maio. Além disso, a categoria aguarda definições das centrais sindicais para aderir a uma próxima Greve Geral.
*Sul21 - Com informações da CUT-RS e do Cpers
http://www.sul21.com.br

Charge do Latuff




*Via Sul21

22 maio 2017

POEMA DO MAIS TRISTE MAIO




Meus amigos, meus inimigos,
Saibam todos que o velho bardo
Está agora, entre mil perigos,
Comendo, em vez de rosas, cardo.

Acabou-se a idade das rosas!
Das rosas, dos lírios, dos nardos
E outras espécies olorosas:
É chegado o tempo dos cardos.

E passada a sazão das rosas,
Tudo é vil, tudo é sáfio, árduo.
Nas longas horas dolorosas
Pungem fundo as puas do cardo.

As saudades não me consolam.
Antes ferem-me como dardos.
As companhias me desolam,
E os versos que me vêm, vêm tardos.

Meus amigos, meus inimigos,
Saibam todos que o velho bardo
Está agora, entre mil perigos,
Comendo, em vez de rosas, cardo.

©MANUEL BANDEIRA 
In Estrela da Tarde, 1960

20 maio 2017

Delator afirma que Aécio teria pago R$1,5 milhão em ‘doação oficial dissimulada’ a Sartori


Da Redação do Sul21*
As delações da empresa JBS bateram à porta do Palácio Piratini depois que o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), levantou o sigilo de documentos e vídeos com depoimentos, na sexta-feira (19). Em um dos vídeos, o diretor da JBS, Ricardo Saud, que também fechou acordo de delação premiada, aparece afirmando que o senador Aécio Neves (PSDB) teria pago R$ 1,5 milhão para a campanha de José Ivo Sartori (PMDB), em 2014, em forma de “doação oficial dissimulada”.
“O Aécio ligou e pediu para dar R$ 1,5 milhão para o PMDB do Rio Grande do Sul”, diz o delator. O representante da Procuradoria Geral da República (PGR), que conduz o interrogatório, pergunta: “Mas o PMDB já não estava com o PT?”. Saud responde: “Então, lá o Ivo Sartori era dissidente, porque o PT tinha candidato lá. Aí o Aécio deu R$ 1,5 milhão dessa propina pro Sartori”. “Em doação oficial”, questiona a PGR. “Doação oficial, dissimulada”, afirma Saud. (...)
CLIQUE AQUI para continuar lendo.

#ForaTemer! #DiretasJá! - PT SANTIAGO/RS


NOTA DA EXECUTIVA MUNICIPAL DO PT

Fora Temer avenida paulista sp


Comissão Executiva Municipal do PT/Santiago, reunida em 18/05, após longa avaliação da nova conjuntura que se delineou com a delação da JBS e a retirada pela rede globo e cia da escada onde estava pendurado Temer e seus aliados golpistas (Pmdb e tucanos, principalmente), decidiu: 

1- Buscar arregimentar junto ao movimento popular, estudantil e sindical de Santiago e Região todo o empenho para organizar Atos e manifestações unitárias crescentes que deverão ter continuidade até a derrubada final de Temer e dos golpistas - e a convocação de Eleições Diretas Já!  

2- Convocar Reuniāo Geral com todos os setores democráticos e antigolpistas para a próxima segunda-feira, dia 22/05, às 19h no Greminho (Associação dos Inativos da BM, Bairro Maria Alice Gomes), para discutir e aprovar o calendário inicial de mobilizações. 

3- Participar ativamente, enquanto partido, das manifestações convocadas pelos estudantes universitários e secundaristas de Santiago (e demais entidades democráticas que vierem a se pronunciar), sendo a primeira delas neste domingo,  21, à partir das 15 h na Praça Moisés Viana.  (ET: caso chova será marcada outra data).

4- Consolidar a Frente Brasil Popular em Santiago e Região, para impulsionar e fortalecer a luta contra os golpistas, a extrema direita e seus aliados, garantir a derrocada dos mesmos - e a convocação de Eleições Diretas Já!!!

#ForaTemer! #DiretasJá!

Executiva Municipal do Partido dos Trabalhadores - PT

19 maio 2017

O poder está nas ruas. E a legitimidade também: Diretas, já! -- Reordenar a sociedade a partir de agora é uma tarefa que só a rua poderá exercer integralmente, devolvendo-lhe a prerrogativa das urnas

.



Por Saul Leblon, na Carta Maior*

O Brasil adormeceu nesta quarta-feira, 17 de maio de 2017, sem saber as respostas para muitas das perguntas essenciais cobradas pelo passo seguinte de sua história.

Mas a principal delas para ir direto ao ponto --dispensando-se o retrospecto da implosão da frente golpista, com as gravações de pedidos de propinas feitas aos donos do JBS por Aécio Neves e Michel Temer— é saber se a mobilização popular será capaz de pr...eencher o vazio vertiginoso que se abriu agora não apenas na cúpula política, mas na estrutura do poder na sociedade.

As instituições que dão coesão a uma sociedade fundada em conflitos de interesses agudos, como é o caso da brasileira, cujos abismos de desigualdade são sabidos, estão no chão.
Não há legitimidade no parlamento.

O judiciário tornou-se a armadura desfrutável do assalto das elites contra as urnas, na farsa de um impeachment – confirma-se agora-- arquitetado com uma escória a soldo.

A mídia foi a voz da exortação e da institucionalização desse esbulho.

Como será o amanhã de uma nação na qual o amálgama político foi destruído em nome do combate à corrupção. E sob esse biombo faiscante operou-se a virulenta destituição de direitos arduamente conquistados em um século de lutas democráticas?

O conservadorismo está na defensiva.

A plutocracia perdeu seu manto moral.

Desnudou-se como uma reles devoradora de libras de carne humana barata.

Moro e seus promotores terão que se explicar: por que nunca –nunca- abriram o foco para a tempestade que ora desabou, sobre as suas cabeças inclusive?

O contato mais próximo do califado de Curitiba com o assunto ‘Aécio Neves’ está documentado na série de fotogramas de sorridente cumplicidade entre o presidente nacional do PSDB e o juiz Sergio Moro.

Da mídia é suficiente dizer que sem ela o golpe teria sido impossível, assim como inviável a preservação da capatazia que ora sucumbe às gravações.

Reordenar a sociedade a partir de agora, portanto, é uma tarefa que só a rua poderá exercer integralmente, devolvendo-lhe a prerrogativa das urnas.

As sirenes da história anunciam confrontos intensos no front.
Não existe uma fórmula macroeconômica autossuficiente –seja a do golpismo, ou uma de ‘esquerda’ -- para tirar o Brasil do plano inclinado em que se encontra.

O que existe é uma derrocada vergonhosa do conservadorismo que amplia o espaço para o debate das reformas verdadeiramente indispensáveis à destinação social do desenvolvimento. A saber:

-uma reforma política para capacitar a democracia a se impor ao mercado;

-uma reforma tributária para buscar a fatia da riqueza sonegada à expansão da infraestrutura e dos serviços;

-uma reforma do sistema de comunicação para permitir o debate plural dos desafios brasileiros –que, insista-se não se resolvem sem ampla e permanente renegociação.

O Brasil será aquilo que a rua conseguir que ele seja. E o momento nunca foi tão propício para escrever isso no asfalto e nas praças de todo o país.

A legitimidade das ruas precisa ser exercida.

Urgentemente.

Só as lideranças populares tem condições hoje de falar à população em um palanque.

O conservadorismo usará o palanque privado da Globo para barrar o escrutínio da sua crise nas urnas.

A ocupação das ruas definirá quem é a liderança popular hoje no Brasil capaz de devolver credibilidade à política e seriedade à repactuação do desenvolvimento, arrebatando assim o apoio indispensável de setores da classe média democrática para levar a nação às urnas e retomar o fio de uma construção interrompida  --mais uma vez-- pela violência política conservadora.

* http://www.cartamaior.com.br

18 maio 2017

Envelheço na Cidade




* IRA & Paralamas - 'Envelheço na Cidade'

Gravação de Joesley Batista arromba Justiça e MP


temjoes

Por Fernando Brito, no Tijolaço*
Divulgado precariamente pela Globonews,  – por isso não faço ainda a transcrição – o áudio da gravação da conversa de cúmplices entre Joesley Batista e Michel Temer tem coisas mais graves do que a mesada para Eduardo Cunha.
Joesley Batista diz, claramente, que “deu conta de  um juiz” e conseguiu “um procurador dentro da força tarefa, que tá, também tá me dando informação”.
Diante de um Temer condescendente.
Não escapa ninguém: Executivo, Judiciário e Ministério Público.
E Temer, que é apresentado a crimes e quando não silencia, , incentiva: “tem de continuar com isso”.
Isso, somado a indicação do deputado Rocha Loures para “resolver os problemas” da JBS, logo em seguida, o indigitado cidadão ser filmado carregando malas de dinheiro é, no dito popular, “batom na cueca”.
É um caso, como chama a atenção hoje o Marcelo Auler, em seu blog, em tudo semelhante ao de Delcídio do Amaral, que foi preso em flagrante.
Reproduzo a transcrição – entrecortada – divulgada pela Folha:
BATISTA: Eu vou falar assim… Dentro do possível eu fiz o máximo que deu ali, zerei tudo, o que tinha de uma pendência daqui pra ali, zerou, tal, tal. E ele [Cunha] foi firme em cima, ele já tava lá [na cadeia], veio, cobrou, tá, tá, tal, eu acelerei o passo e tirei da frente. O outro menino, o companheiro dele que tá aqui, né… O Geddel sempre tava…
TEMER: [inaudível]

BATISTA: Isso, isso. O Geddel é que andava sempre ali, também, com esse negócio, eu perdi o contato, ele virou investigado e agora eu não posso também encontrar ele.
TEMER: É, cuidado, tá complicado. [Inaudível] não parecer obstrução à Justiça. [inaudível]

BATISTA: Isso. Isso. Esse negócio dos vazamentos, o telefone lá do [inaudível] com Geddel, volta e meia citava uma coisa meio tangenciando a nós, a não sei o quê. Eu tô lá me defendendo. Como é que eu… O que que eu mais ou menos dei conta de fazer até agora. Eu tô de bem com o Eduardo, ok?
TEMER: Tem que manter isso, viu? [inaudível]

BATISTA: [falando mais baixo] Todo mês…
TEMER: [inaudível]

BATISTA: Também. Eu tô segurando as pontas, tô indo. Meus processos, eu tô meio enrolado aqui, né [Brasília]. No processo, assim…
TEMER: [inaudível]

BATISTA: Isso, isso, é, é investigado. Não tenho ainda a denúncia [contra ele]. Aqui eu dei conta de um lado, o juiz, dar uma segurada, do outro lado, o juiz substituto, que é um cara que fica…. [inaudível] Tô segurando os dois. Consegui um procurador dentro da força tarefa, que tá, também tá me dando informação. E lá que eu tô para dar conta de trocar o procurador que tá atrás de mim. Ô, se eu der conta, tem o lado bom e o lado ruim. O lado bom é que dá uma esfriada até o outro chegar e tal. O lado ruim é que se vem um cara com raiva, com não sei o quê…
TEMER: [inaudível] ajudando.

BATISTA: Tá me ajudando tá bom, beleza. Agora, o principal… O que tá me investigando. Eu consegui colar um [procurador] no grupo. Agora eu tô tentando trocar…
TEMER: O que tá… [inaudível].

BATISTA: Isso! Tamo nessa aí. Então tá meio assim, ele saiu de férias, até essa semana eu fiquei preocupado porque até saiu um burburinho de que iam trocar ele, não sei o quê, fico com medo. Eu tô só contando essa história para dizer que estou me defendendo aí, to me segurando. Os dois lá estão mantendo, tudo bem.
Ouça a gravação, a partir de 5 minutos:

*Via http://www.tijolaco.com.br

Como agia Andrea Neves, presa pela Polícia Federal; afastado, irmão dela, presidente do PSDB, terá prisão decidida pelo STF




Da Redação*
Andrea Neves, a irmã do presidente do PSDB, Aécio Neves, está presa. Durante décadas, ela comandou com mão de ferro a carreira política do irmão em Minas Gerais.
Demitiu jornalistas, arrecadou dinheiro e atuou nos bastidores para desimpedir o caminho do irmão.
Fez ameaças verbais ao jornalista Marco Aurélio Carone, se ele publicasse denúncia de contas no exterior da família Neves.
Viomundo acompanhou de forma privilegiada esta trajetória, especialmente nas entrevistas com o deputado estadual Rogério Correia (PT-MG).
Seguem-se alguns links de nossas reportagens e as primeiras notícias do dia sobre a prisão de Andrea.
Abaixo, nossa visita ao aeroporto de Montezuma, próximo às terras que Aécio e Andrea herdaram dos pais:
Da Folha:
O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu afastar cargo o senador Aécio Neves, presidente nacional do PSDB e que aparece, segundo reportagem, em gravação pedindo R$ 2 milhões a donos do frigorífico JBS, que negociam delação premiada.
A divulgação do caso lançou o governo em sua maior crise, paralisou a discussão sobre as reformas e gerou questionamentos sobre a capacidade de sobrevivência do Executivo.
No Congresso e em manifestações de rua, houve pedidos de saída do peemedebista e realização de eleições diretas.
O Planalto confirmou o encontro com Joesley, mas negou as afirmações do empresário. Nota divulgada nesta quarta (17) diz que Temer “jamais solicitou pagamentos para obter o silêncio” de Cunha e que não participou nem autorizou qualquer movimento com o objetivo de evitar delação ou colaboração com a Justiça
O presidente nacional da OAB, Cláudio Lamachia, disse que vai pedir nesta quinta-feira (18) ao STF o fim do sigilo sobre as gravações de Joesley Batista.
Segundo Lamachia, “se as gravações forem confirmadas, o presidente Michel Temer perde as condições que seguir à frente do Palácio do Planalto”
Rede pedirá cassação de Aécio
O partido Rede vai apresentar ao Conselho de Ética do Senado um pedido de cassação do mandato do senador Aécio Neves (PSDB-MG). A previsão é de que isso ocorra por volta das 12h desta quinta-feira (18).
Casa de Zezé Perrela é alvo de buscas
Dois carros da Polícia Federal e um do Ministério Público Federal saíram há pouco da casa do senador Zezé Perrela (PMDB-MG), no bairro Belvedere, em Belo Horizonte, com policiais portando duas sacolas.
O conteúdo do material apreendido não foi revelado pelos policiais e será levado para a PF. Uma porta foi arrombada no local.
PF faz buscas em gabinete de Rocha Loures
A Polícia Federal chegou ao gabinete do deputado Rocha Loures (PMDB-PR), no oitavo andar do anexo 4 da Câmara, às 6h. As buscas já duram três horas e meia. O andar está isolado e apenas funcionários dos gabinetes vizinhos podem entrar. Policiais legislativos foram deslocados de outros setores para isolar o local.
Primo de Aécio também é preso
Além de Andrea Neves, irmã de Aécio, foram presos outros investigados na manhã desta quinta-feira (18): o primo do senador, Frederico Pacheco de Medeiros, que segundo as investigações recebeu o dinheiro que o empresário Joesley Batista direcionou ao senador, uma irmã de Lúcio Bolonha Funaro, chamada Roberta, além de um assessor do senador Zezé Perrella (PMDB-MG). Funaro é apontado como operador de Eduardo Cunha.
Na decisão de Fachin relativa ao afastamento de Aécio, o ministro determinou ainda que ele não mantenha contato com outros investigados e o proibiu de deixar o país.
Presa, Andrea Neves chega à PF em BH
Com a cabeça abaixada e no banco de trás de uma camionete, a irmã do senador Aécio Neves, Andrea Neves, chegou às 9h na sede da Polícia Federal em Belo Horizonte, no bairro Gutierrez.
Ela chegou ao local acompanhada por dois agentes da PF, depois de ter sido presa em sua casa, no condomínio Retiro das Pedras, na região metropolitana da capital mineira.
Depois de Andrea chegar ao prédio da PF, o advogado Marcelo Leonardo, que fará a defesa da irmã do senador, entrou no local com seu filho, também advogado.
Irmã de Aécio é presa
A Polícia Federal prendeu Andrea Neves, irmã do senador Aécio Neves, em Belo Horizonte.
Há mandados judiciais também relativos ao ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), hoje preso em Curitiba, e a Lúcio Bolonha Funaro, apontado como seu operador. Todos já foram cumpridos.
A operação desta quinta-feira foi batizada de Patmos, em referência à ilha grega onde, segundo a Bíblia, são João recebeu as revelações sobre o Apocalipse.
STF vai decidir sobre prisão de Aécio
A PGR (Procuradoria-Geral da República, pediu a prisão de Aécio Neves (PSDB-MG), mas o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato, encaminhou o caso para deliberação do plenário do STF, e decidiu apenas pelo afastamento de Aécio do cargo.
Também foi afastado, a pedido da Procuradoria-Geral da República, o deputado Rocha Loures (PMDB-PR), um dos assessores mais próximos do presidente Michel Temer e que teria sido filmado recebendo uma mala de R$ 500 mil.
Residências de Aécio em Brasília, Rio e Belo Horizonte estão sendo alvo de busca e apreensão na manhã desta quinta (18). Também são alvos da operação o senador Zezé Perrella (PMDB-MG), o deputado Rocha Loures (PMDB-PR) e Altair Alves, conhecido por ser braço direito do deputado Eduardo Cunha.
Leia também:
*Fonte: Viomundo

17 maio 2017

Dono da JBS gravou Temer dando aval para comprar silêncio de Cunha; Aécio pediu R$ 2 mi


Dono da JBS grava Temer dando aval para compra de silêncio de Cunha
Joesley Batista e o seu irmão Wesley confirmaram a Fachin o que falaram a PGR
RIO — Na tarde de quarta-feira passada, Joesley Batista e o seu irmão Wesley entraram apressados no STF e seguiram direto para o gabinete do ministro Edson Fachin.
Os donos da JBS, a maior produtora de proteína animal do planeta, estavam acompanhados de mais cinco pessoas, todas da empresa. Foram lá para o ato final de uma bomba atômica que explodirá sobre o país — a delação premiada que fizeram, com poder de destruição igual ou maior que a da Odebrecht.
Diante de Fachin, a quem cabe homologar a delação, os sete presentes ao encontro confirmaram: tudo o que contaram à Procuradoria-Geral da República em abril foi por livre e espontânea vontade, sem coação.
É uma delação como jamais foi feita na Lava-Jato: Nela, o presidente Michel Temer foi gravado em um diálogo embaraçoso. Diante de Joesley, Temer indicou o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) para resolver um assunto da J&F (holding que controla a JBS).
Posteriormente, Rocha Loures foi filmado recebendo uma mala com R$ 500 mil enviados por Joesley. Temer também ouviu do empresário que estava dando a Eduardo Cunha e ao operador Lúcio Funaro uma mesada na prisão para ficarem calados. Diante da informação, Temer incentivou: “Tem que manter isso, viu?”.
Aécio Neves foi gravado pedindo R$ 2 milhões a Joesley. O dinheiro foi entregue a um primo do presidente do PSDB, numa cena devidamente filmada pela Polícia Federal. A PF rastreou o caminho dos reais. Descobriu que eles foram depositados numa empresa do senador Zeze Perrella (PSDB-MG).
Joesley relatou também que Guido Mantega era o seu contato com o PT. Era com o ex-ministro da Fazenda de Lula e Dilma Rousseff que o dinheiro de propina era negociado para ser distribuído aos petistas e aliados. Mantega também operava os interesses da JBS no BNDES.
Joesley revelou também que pagou R$ 5 milhões para Eduardo Cunha após sua prisão, valor referente a um saldo de propina que o peemedebista tinha com ele. Disse ainda que devia R$ 20 milhões pela tramitação de lei sobre a desoneração tributária do setor de frango.
Pela primeira vez na Lava-Jato foram feitas “ações controladas”, num total de sete. Ou seja, um meio de obtenção de prova em flagrante, mas em que a ação da polícia é adiada para o momento mais oportuno para a investigação.
Significa que os diálogos e as entregas de malas (ou mochilas) com dinheiro foram filmadas pela PF. As cédulas tinham seus números de série informados aos procuradores.
Como se fosse pouco, as malas ou mochilas estavam com chips para que se pudesse rastrear o caminho dos reais. Nessas ações controladas foram distribuídos cerca de R$ 3 milhões em propinas carimbadas durante todo o mês de abril.
Se a delação da Odebrecht foi negociada durante dez meses e a da OAS se arrasta por mais de um ano, a da JBS foi feita em tempo recorde. No final de março, se iniciaram as conversas. Os depoimentos começaram em abril e na primeira semana de maio já haviam terminado. As tratativas foram feitas pelo diretor jurídico da JBS, Francisco Assis e Silva. Num caso único, aliás, Assis e Silva acabou virando também delator. Nunca antes na história das colaborações um negociador virara delator.
A velocidade supersônica para que a PGR tenha topado a delação tem uma explicação cristalina. O que a turma da JBS (Joesley sobretudo) tinha nas mãos era algo nunca visto pelos procuradores: conversas comprometedoras gravadas pelo próprio Joesley com Temer e Aécio — além de todo um histórico de propinas distribuídas a políticos nos últimos dez anos.
Em duas oportunidades em março, o dono da JBS conversou com o presidente e com o senador tucano levando um gravador escondido — arma que já se revelara certeira sob o bolso do paletó de Sérgio Machado, delator que inaugurou a leva de áudios comprometedores.
Ressalte-se que essas conversas, delicadas em qualquer época, ocorreram no período mais agudo da Lava-Jato. Nem que fosse por medo, é de se perguntar: como alguém ainda tinha coragem de tratar desses assuntos de forma tão descarada?
Para que as conversas não vazassem, a PGR adotou um procedimento incomum. Joesley, por exemplo, entrava na garagem da sede da procuradoria dirigindo o próprio carro e subia para a sala de depoimentos sem ser identificado. Assim como os outros delatores.
Ao mesmo tempo em que delatava no Brasil, a JBS mandatou o escritório de advocacia Trench, Rossi e Watanabe para tentar um acordo de leniência com o Departamento de Justiça dos EUA (DoJ). Fechá-lo é fundamental para o futuro do grupo dos irmãos Batista. A JBS tem 56 fábricas nos EUA, onde lidera o mercado de suínos, frangos e o de bovinos. Precisa também fazer um IPO (abertura de capital) da JBS Foods na Bolsa de Nova York.
Pelo que foi homologado por Fachin, os sete delatores não serão presos e nem usarão tornozeleiras eletrônicas. Será paga uma multa de R$ 225 milhões para livrá-los das operações Greenfield e Lava-Jato que investigam a JBS há dois anos. Essa conta pode aumentar quando (e se) a leniência com o DoJ for assinada.
*Via Viomundo