31 agosto 2011

Enfim, Copom começa a cair na real...


Banco Central diminui taxa básica de juros

Brasília/DF – Agência Brasil - O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) reduziu, pela primeira vez no ano, a taxa básica de juros (Selic). O índice foi definido hoje (31) em 12% ao ano, abaixo das projeções dos analistas de mercado ouvidos pela pesquisa semanal da instituição financeira.

Todas as sextas-feiras, o BC consulta os analistas para medir as expectativas da iniciativa privada em relação aos principais indicadores da economia. O Copom tomou a decisão de reduzir a Selic por 5 votos a 2, sem viés, ou seja, sem possibilidade de revisão até a próxima reunião, que ocorre em 45 dias.

Em nota, a autoridade monetária disse que "reavaliando o cenário internacional, o Copom considera que houve substancial deterioração consubstanciada em reduções generalizadas e de grande magnitude nas projeções de crescimento para os principais blocos econômicos".

Essa foi a sexta reunião do Copom no ano. Nas cinco vezes anteriores, houve sempre revisão para cima, no total de 1,75 ponto percentual. Com isso, a Selic passou dos 10,75%, no final de 2010, para os 12,5% que vigoravam até a reunião passada, sob a justificativa da autoridade monetária de que a economia estava aquecida e era necessário conter as pressões inflacionárias.

30 agosto 2011

A ação criminosa da Veja ...

 


Pela privatização da revista  Veja

             Altamiro Borges* escreve:

A ação criminosa da Veja contra o ex-ministro José Dirceu - tentativa de invasão do seu apartamento e filmagens ilegais no hotel - já não surpreende. Há muito tempo que a revista da famiglia Civita não tem mais nada de jornalismo e comete crimes parecidos com os praticados pelo mafioso Rupert Murdoch. O que surpreende é que esta revista ainda abocanhe tanta publicidade de governos - inclusive dos que são vítimas de suas ações levianas. (...)
CLIQUE AQUI para ler a  íntegra da postagem, oriunda do Blog do Miro*.

Anos de chumbo...


'Aqueles que combateram o regime militar e lutaram pela democracia precisam ser lembrados'

Porto Alegre/RS - O vereador Adeli Sell (PT/Porto Alegre) palestrou ontem à noite para um público de estudantes do curso de Direito da PUCRS.  No debate, intitulado Comissão da Verdade e Justiça, o vereador fez um histórico dos acontecimentos na época do regime militar e ressaltou a criação de uma comissão da verdade para apurar as violações ocorridas durante o período de repressão política (entre 1964 e 1985). Nesta época, milhares de brasileiros foram mortos e torturados pela política do período.
“A sociedade brasileira continua sofrendo com os reflexos das mortes. Centenas de famílias esperam encontrar respostas que justifiquem a ausência e o desaparecimento de seus familiares”, disse o parlamentar.
No início da década de 1970, a ditadura aumentou o seu método repressivo e passou a adotar meios inteiramente ilegais que implicavam em seqüestro, cárcere privado, tortura, assassinato e ocultação de cadáver. De acordo com o livro “Direito à memória e à verdade”, 475 pessoas morreram ou desapareceram por motivos políticos naquele período.  O termo ‘desaparecido político’ passou a ser usado para designar os ativistas políticos vítimas da repressão brasileira.
“A quem interessa esconder essa história? Seis milhões de seres humanos foram mortos e massacrados no século passado (...) É preciso saber quem foram eles. Muitos já estão mortos, mas é preciso saber”. (...)
CLIQUE AQUI para ler a matéria, na íntegra (oriunda do Blog do Adeli Sell).

29 agosto 2011

Coluna C&A


Crítica & Autocrítica - nº 79

* Revista Veja (vide post abaixo), com sua arapongagem enlouquecida,  ultrapassou todos os limites -  éticos e legais -, e agora será processada pelo ex-deputado e Ministro do Governo Lula, companheiro José Dirceu. Já não era sem tempo...
 
* Agita-se o espectro político local e regional com os desdobramentos das articulações que estão em curso e que visam a definição das estratégias partidárias tendo como pano de fundo as eleições de 2012 em Santiago. No cenário imediato, a criação de dois novos partidos: o PPL (Partido Pátria Livre), de esquerda, e o PSD (Partido Social Democrático), de centro-direita, este último ligado ao atual prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, (oriundo do DEM, ex-PFL). Pelo que se comenta, com essa investida do PSD em Santiago, o PP poderá sofrer fortes desfalques, uma vez que a maioria dos quadros que estão organizando esse partido vem das suas fileiras. Já o Partido Pátria Livre - PPL é originário do antigo MR-8, corrente política histórica que integrava até há alguns anos o PMDB, e que hoje participa e está na base de sustentação dos governos Tarso e Dilma. (...)
 
* O Partido dos Trabalhadores de Santiago também está num ritmo forte de organização visando um desempenho positivo no próximo pleito municipal. Internamente é comentado que várias lideranças (nomes de peso) estão em tratativas e deverão filiar-se ao partido durante o mês de setembro, fortalecendo a sigla para os embates que se anunciam. (...)
 
* Já o vereador Miguel Bianchini (na foto acima com o governador Tarso Genro, em Santiago, durante a campanha eleitoral do ano passado), convidado pelo Secretário do Planejamento e Participação Popular do Governo Tarso, João Motta, esteve esta semana em São Borja, participando da programação alusiva ao início da Semana da Legalidade. Como colocou em seu blog (vide post abaixo), ficou 'impressionado com a dinâmica e a objetividade da reunião". Disse mais: "Tomara que esta sistemática siga adiante, pois só assim teremos um Estado inovador, participativo e eficiente". (...)
-Leia a íntegra da Coluna C&A   - que escrevo para o Blog 'O Boqueirão' e jornal Correio Regional, de Santiago/RS -  CLICANDO AQUI

28 agosto 2011

O Arco e a Flexa



* O Arco e a Flexa -  de Carlos Omar e Piero Ereno, com Pirisca Greco e grupo.

 (Música vencedora da 30ª Coxilha Nativista de Cruz Alta/RS)

Denúncia: Mais uma da (não) Veja - II


Devanir Ribeiro: "Aonde vamos parar com esse jornalismo tão podre, tão mentiroso?"


 Por Conceição Lemes*


Desde quarta-feira, 24 de agosto, quando Gustavo Nogueira Ribeiro, repórter da Veja, foi flagrado pela camareira, tentando invadir o apartamento de José Dirceu no Hotel Naoum, em Brasília, era previsível que mais uma “aula” de jornalismo esgoto estava a caminho. Não deu outra. Com capa e tudo.

Com a manchete “José Dirceu mostra que ainda manda em Brasília”, Veja chegou este final de semana às bancas. Logo no olho diz: “Com ‘gabinete’ instalado em um hotel, ex-ministro recebe autoridades da República para, entre outras atividades, conspirar contra o governo Dilma”.

A matéria traz uma sequência de dez fotos, provavelmente extraídas da câmera de segurança, tiradas do andar em que fica o apartamento de José Dirceu. Numa delas, aparece o próprio. Nas demais, ministros, deputados, senadores que lá estiveram. (...)
-CLIQUE AQUI para ler a íntegra da postagem oriunda do blog Vi o Mundo*.

27 agosto 2011

Denúncia: Mais uma da (não) Veja


Repórter da revista Veja é flagrado em atividade criminosa


              *Por José Dirceu

Depois de abandonar todos os critérios jornalísticos, a revista Veja, por meio de um de seus repórteres, também abriu mão da legalidade e, numa prática criminosa, tentou invadir o apartamento no qual costumeiramente me hospedo em um hotel de Brasília. O ardil começou na tarde dessa 4a. feira, quando o jornalista Gustavo Nogueira Ribeiro, repórter da revista, se registrou na suíte 1607 do Hotel Nahoum, ao lado do quarto que tenho reservado. Aproximou-se de uma camareira e, alegando estar hospedado no meu apartamento, simulou que havia perdido as chaves e pediu que a funcionária abrisse a porta. O repórter não contava com a presteza da camareira, que não só resistiu às pressões como, imediatamente, informou à direção do hotel sobre a tentativa de invasão. Desmascarado, o infrator saiu às pressas do estabelecimento, sem fazer check out e dando calote na diária devida.

Depois de abandonar todos os critérios jornalísticos, a revista Veja, por meio de um de seus repórteres, também abriu mão da legalidade e, numa prática criminosa, tentou invadir o apartamento no qual costumeiramente me hospedo em um hotel de Brasília.

O ardil começou na tarde dessa quarta-feira (24/08), quando o jornalista Gustavo Nogueira Ribeiro, repórter da revista, se registrou na suíte 1607 do Hotel Nahoum, ao lado do quarto que tenho reservado. Alojado, sentiu-se à vontade para planejar seu próximo passo. Aproximou-se de uma camareira e, alegando estar hospedado no meu apartamento, simulou que havia perdido as chaves e pediu que a funcionária abrisse a porta.

O repórter não contava com a presteza da camareira, que não só resistiu às pressões como, imediatamente, informou à direção do hotel sobre a tentativa de invasão. Desmascarado, o infrator saiu às pressas do estabelecimento, sem fazer check out e dando calote na diária devida, ainda por cima. O hotel registrou a tentativa de violação de domicílio em boletim de ocorrência no 5º Distrito Policial.

A revista não parou por aí.

O jornalista voltou à carga. Fez-se passar por assessor da Prefeitura de Varginha, insistindo em deixar no meu quarto "documentos relevantes". Disse que se chamava Roberto, mas utilizou o mesmo número de celular que constava da ficha de entrada que preencheu com seu verdadeiro nome. O golpe não funcionou porque minha assessoria estranhou o contato e não recebeu os tais “documentos”.

Os procedimentos da Veja se assemelham a escândalo recentemente denunciado na Inglaterra. O tablóide News of the World tinha como prática para apuração de notícias fazer escutas telefônicas ilegais. O jornal acabou fechado, seus proprietários respondem a processo, jornalistas foram demitidos e presos.

No meio da tarde da quinta-feira, depois de toda a movimentação criminosa do repórter Ribeiro para invadir meu apartamento, outro repórter da revista Veja entrou em contato com o argumento de estar apurando informações para uma reportagem sobre minhas atividades em Brasília. (...)
-CLIQUE AQUI para ler a íntegra da postagem (oriunda do Blog do Zé Dirceu*)

23 agosto 2011

4º Congresso do PT: 'Nossa responsabilidade é grande'

Ampliar a democracia, reafirmar valores e fortalecer o PT


Por Francisco Rocha da Silva*


De todos os desafios colocados historicamente ao PT, o principal deles tem sido o de fazer avançar a democracia no país, ampliando a cidadania, a participação política e a inclusão de cada vez mais pessoas no debate sobre grandes temas locais ou nacionais.

Pesquisas de opinião mostram que a população reconhece os acertos, a força e a amplitude democrática do PT. Mas essa mesma população nos cobra em dobro quando, por razões conjunturais ou erros pontuais, filiados, instâncias ou governos petistas agem em desacordo com nossos valores e compromissos.

Nossa responsabilidade é grande.

É com esse alerta que dirijo uma saudação aos 1.350 delegados que no dia 2 de setembro abrem nosso 4º Congresso Extraordinário – os quais, representando democraticamente o conjunto de militantes e filiados petistas, receberam a missão história de reformar e atualizar o Estatuto do partido.

Muitos sabem que apresentei, em parceria com outros companheiros, uma série de contribuições ao debate, num total de 22 propostas de emendas para reflexão e posterior análise em plenário. Não é meu objetivo agora entrar no detalhe de cada uma delas.

O que pretendo, aqui, é ressaltar a importância de valores simbólicos para nós, petistas. Entre eles, o companheirismo, a solidariedade, a lealdade, a generosidade, o compromisso social, a consciência política, a diversidade de pensamento, a unidade na ação e, acima de tudo, a coragem para enfrentar e vencer desafios.

São questões que extrapolam as formalidades de um Estatuto, mas que devem sempre orientar a ação petista – principalmente, neste momento, a ação dos delegados, das delegadas e de todo quadro político dirigente.

Se nos guiarmos por elas, sairemos maiores, mais fortes e mais democráticos.


"Hay que endurecerse, pero sin perder la ternura jamás".


Desejo a todos e a todas um excelente Congresso.


*Francisco Rocha da Silva - Rochinha - (foto) é dirigente nacional do PT.


*Grifos deste blog

22 agosto 2011

Legalidade: 50 anos


Site da Legalidade já está no ar


Porto Alegre/RS - Em homenagem ao cinquentenário do Movimento da Legalidade, comemorado em agosto deste ano, foi lançado, nesta segunda-feira (22), o site da Legalidade. A ferramenta eletrônica, que arquiva todo o conteúdo existente e produzido para as atividades especialmente preparadas pelo Governo do Estado, pode ser acessada pelo endereço www.legalidade.rs.gov.br

O portal apresenta desde a cronologia dos fatos, contados por meio de textos, imagens, vídeos e áudios, como também links que conduzem para páginas com bibliografias e dicas de leitura. A proposta é tornar o site um mecanismo de consulta para os interessados nos acontecimentos históricos relacionados ao período.



Desenvolvido pela Companhia de Processamento de Dados do Rio Grande do Sul (Procergs) e coordenado pela Secretaria de Comunicação e Inclusão Digital (Secom), o site oferece aos internautas, além da programação completa das atividades desenvolvidas pelo Governo do Estado para marcar a data, o acesso a um fotolivro elaborado e editado pelo Departamento de Jornalismo da Secom, e que será lançado no dia 29 de agosto.

O site é apenas uma das ações planejadas para marcar as cinco décadas do Movimento, juntamente com o lançamento do fotolivro "Os 50 anos da Legalidade em Imagens", a exposição de totens que acontece, a partir desta segunda-feira (22), em prédios históricos do Centro de Porto Alegre e a inauguração do Memorial, no dia 3 de setembro. Outro evento em destaque na programação oficial é o Musical da Legalidade, nos dias 27 e 28, em um imenso palco montado em frente do Palácio Piratini, e no dia 1º, no Theatro São Pedro.

O Memorial da Legalidade, instalado nos porões do Palácio onde funcionou, em agosto de 1961, a Rede da Legalidade, começará a fazer parte da visitação oficial do Piratini. No local, todo reformado, os visitantes terão acesso a um computador para pesquisas, inclusive no próprio portal administrado pelo Estado.
Conforme a titular da Secom, Vera Spolidoro, após as atividades comemorativas aos 50 anos, "o site deverá se tornar uma ferramenta de pesquisa e estudo".



A Legalidade foi um movimento liderado pelo então governador do Rio Grande do Sul, Leonel Brizola, para assegurar a posse do vice-presidente João Goulart, após a renúncia do presidente Jânio Quadros, em 25 de agosto de 1961.

21 agosto 2011

Líbia


A verdade da Líbia que a mídia não fala

       Por Leonardo Severo*

“Quantos filhos eu tivesse, daria por esta revolução, pois eles continuam vivos no sorriso das crianças e em cada uma das suas conquistas”. A afirmação da senhora nicaragüense, presidente da Associação de Mártires e Heróis da cidade de Matagalpa, foi – de longe - a maior declaração de amor que já ouvi. Ela havia perdido todos os seus cinco filhos em combate com a contrarrevolução, bandos de mercenários armados e financiados pelo governo dos Estados Unidos para retroceder aos tempos da dinastia dos Somoza.

Os pormenores do crime estão fartamente documentados e envolvem armas e drogas, tudo documentado no escândalo Irã-Contras. Na época, embora não fosse pai e, portanto, sem ainda conseguir mensurar a real dimensão do significado das palavras daquela mãe cinco vezes morta em vida, fui marcado a ferro e fogo por elas. Participava junto com meu irmão Leandro de uma brigada de solidariedade colhendo café nas montanhas do Norte, próximo à fronteira com Honduras, em 1987. Passamos dois meses no país de Sandino, Carlos Fonseca e Ruben Darío. Os braços que faltavam para a agricultura encontravam-se mobilizados para deter a invasão. Então, jovens de todo o mundo foram estender suas mãos.

Enquanto isso, no Brasil, a Veja e outros veículos privados divulgavam que tínhamos ido ser “carne de canhão”. Isso fez com que uma das avós passasse de cama todo o período em que estivemos na Nicarágua. Tomada de horror com tudo o que lia e ouvia pela rádio e televisão, por jornais e revistas, vó Tina procurava ajudar à distância, com caprichadas rezas com as quais evocava proteção aos netos e seus companheiros. Na época, houve um brigadista idiota que voltou falando asneiras, passando a receber, imediatamente, todos os holofotes possíveis e imagináveis dados aos “revolucionários” arrependidos. A nós era reservado o silêncio.

Obviamente, nenhuma palavra sobre o processo de erradicação do analfabetismo e das tantas conquistas sociais da revolução sandinista, nem dos mutilados e assassinados pelas bombas e sabotagens da intervenção ianque. Nem da luta pela superação da miséria a que o país havia sido submetida por décadas de ditadura da família Somoza, aliada fiel dos EUA na América Central. Até o dinheiro da ajuda humanitária para as vítimas do terremoto de 1972, que não deixou prédio em pé na capital, Manágua, o “presidente” deposto, Anastácio Somoza Debayle, levou para o Paraguai no seu exílio, onde foi recebido pelo também ditador pró-EUA Alfredo Stroessener e devidamente justiçado com um bazucaço. Para o governo dos EUA e sua mídia, os contras eram os “combatentes da liberdade”; nós, “os mercenários”.


Em visita à Palestina, em 2000, lembro dos soldados israelenses e das centenas de crianças árabes vitimadas por suas balas de aço revestidas com borracha. O objetivo não era matar, mas “apenas” cegar, mandando um recado para que os jovens e suas famílias não participassem do levante popular, a Intifada. Para que não ousassem levantar a mão nem atirar pedras contra a “incursão” dos tanques nos territórios ocupados.


Lembro de crianças com vendas no olho alvejado, erguendo cartazes de Yasser Arafat e ostentando, orgulhosas, a bandeira da Organização para a Libertação da Palestina (OLP). No mesmo hospital, com o pai ao lado do leito, um menino me mostrava em Gaza seu braço dilacerado pelas balas de fuzil dos invasores. Com o outro braço, erguido, a pequena criança fazia o “V” da vitória, confiante no dia que está por vir. Roubo de mais de 80% da água, assalto às terras palestinas, a ocupação se alastrando como um câncer... Tudo ao alcance da vista, palpável, mas distante – longe mesmo -, das cadeias internacionais de rádio e televisão.


Ainda hoje, os canais pelos quais nossa população é intoxicada cotidianamente reproduzem seriados estadunidenses relacionando os que vestem a kafia, o lenço árabe, com terroristas sanguinários e insensíveis que se explodem por aí E o governo dos EUA continua despejando bilhões de dólares para manter o seu país filial, incrustrado no Oriente Médio. Desta forma fica fácil você saber por que não vê imagens dos campos de refugiados ou do gigantesco muro do apartheid de Israel, construído pela mesma multinacional que ergueu o muro que segrega os mexicanos? Quantas vezes você viu a devastação de oliveiras centenárias ou a derrubada de casas palestinas em Jerusalém? O mundo real não passa na telinha.


Até o momento, a intervenção militar estadunidense no Iraque já custou mais de um milhão de vidas. O despejo de urânio depletado em Faluja, um dos berços da resistência, foi um verdadeiro crime contra a Humanidade, onde a contaminação supera a de Hiroshima, e as crianças – aquelas que conseguem vir ao mundo sem duas cabeças ou outras aberrações - continuam nascendo deformadas. Um verdadeiro circo de horrores, vítimas de um genocídio que os conglomerados de mídia servis ao império, à indústria armamentista e às empresas petrolíferas, se esmera em acobertar.

O bombardeio “cirúrgico” a um dos imensos abrigos de Bagdá, onde morreram mais de três centenas de mulheres, idosos e crianças, ilustra até onde pode chegar a prepotência dos EUA. Mas bem poucas linhas foram publicadas a respeito. Imagem? Não lembro de ter visto divulgadas pelos cúmplices da invasão. O governo estadunidense alegou que embora houvesse uma gigantesca sinalização do Crescente Vermelho – a Cruz Vermelha do Oriente – e de que, portanto, o alvo era um abrigo, jamais poderia confiar em Saddam Hussein, que ”possuía armas de destruição em massa e as poderia estar escondendo ali”.

O fúnebre local foi transformado posteriormente em museu anti-imperialista. Meu irmão Luciano relatou o que viu durante uma visita de solidariedade contra a agressão de Bush pai: entre tantos corpos incinerados colados à parede, uma mãe segurando um bebê. Era como se os mais de trezentos cadáveres falassem, mas nem assim conseguiram romper o silêncio sepulcral das redações. E por sede de sangue e petróleo das grandes corporações, uma das nações mais promissoras do Oriente Médio foi reduzida a escombros e cinzas. Além do custo em vidas humanas, a natureza também agoniza. Os rios Tigre e Eufrates foram contaminados pelo derramamento de petróleo, transformados em “esgoto a céu aberto”.

Mas, para os que se crêem donos da verdade e da última palavra, este é um drama menor, que diz respeito a um país já invadido, uma carta fora do baralho, que já não merece atenção da mídia venal. A Resistência continua.

Agora a campanha de demonização chega a Líbia, contra Muamar Kadafi, pintado e deformado com photoshop na capa da Veja, como o “bandido”, “terrorista” e todos os demais qualificativos utilizados pelos barões da mídia para os que não rezam na sua cartilha. Os mesmos meios de comunicação que calaram e continuam sem dizer um pio sobre o assassinato da filha de Kadafi durante o bombardeio dos EUA a Trípoli em 1986, da vergonhosa impunidade deste e de outros crimes cometidos – e assumidos com pompa - pelos sucessivos governos estadunidenses, passados 25 anos.

O silêncio se expande sobre os avanços conquistados pelo governo líbio nos serviços públicos e gratuitos de educação e saúde, na elevação da renda e de um salário mínimo que supera em muito os do Brasil e da Argentina, como bem lembra o amigo Beto Almeida. Mas, fazendo tábua rasa do real, as primeiras “informações” das agências noticiosas internacionais – todas de rabo preso com o império - falaram de “bombardeios contra civis” e “revolta popular” por “liberdade” nas ruas de Trípoli. Assim que ganharam a rede tais “notícias”, o embaixador do Brasil no país, George Ney de Souza Fernandes, informou que “não houve bombardeio sobre Trípoli. Isso foi um bombardeio noticioso da Al-Jazeera”. A mesma Al-Jazeera que à la CNN está em campanha pela volta da monarquia ao país, entrevistando um príncipe e outros democratas de latrina. Monitorando a região com satélites super sofisticados, a inteligência militar russa também negou a ocorrência dos tais bombardeios: “não foram detectados”.


Daí a importância da Telesul estar presente, para informar – e não para deformar – os fatos. E de existirem governos, como o venezuelano, que não se deixam intimidar pelo tom monocórdico da campanha pró-invasão. O próprio presidente Chávez bem sabe, porque o sentiu na pele, como se constrói o processo de satanização. Nas ruas de Caracas, atiradores de elite da CIA e da direita venezuelana abriram fogo contra manifestantes oposicionistas, gente que caiu no conto do vigário e marchava próxima ao Palácio de Miraflores contra Chávez. Foram fulminados com tiros na nuca, para que a conta dos assassinatos fosse paga pelo presidente. As redes privadas ecoaram a posição da direita de que “"Chávez foi quem ordenou disparar contra a multidão". Felizmente, câmaras de televisão capturaram a origem dos disparos e um excelente filme desnudou a trama: “A revolução não será televisionada”.

Na Bolívia, igualmente, os EUA tentaram secessionar a região de Beni, Santa Cruz e Tarija, até que o seu embaixador, Philip Goldberg, que já havia atuado na fragmentação da Iugoslávia, fosse expulso do país. A bandeira desfraldada pelos oposicionistas tinha a suástica nazista.


Em Cuba, onde o criminoso bloqueio continua afetando a vida de milhões de pessoas, quantas frustradas vezes a CIA, o Pentágono e seus indigentes espiões tentaram, comprovadamente e sem disfarces, assassinar a Fidel Castro?


Como bem apontou o presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, “nestes dias em que tanto se fala de bombardeios, que o exército da Líbia está disparando seus canhões, tanques, artilharia contra o povo da Líbia, nenhum desses meios que querem a derrocada de Kadafi têm conseguido apresentar uma única foto de aviões bombardeando o povo, nem tanques, nem soldados metralhando. A mídia repete que o povo líbio está sendo bombardeado, mas, o que sabemos, porque vemos, é que têm sido bombardeados os povos do Iraque e do Afeganistão. Sabemos porque vemos, que é bombardeado o povo palestino na Faixa de Gaza. Na Líbia vemos um povo resistindo com o líder da revolução, Kadafi, à frente”. Ortega também conhece de perto as tramas estadunidenses, que tentaram dividir a Nicarágua com a fundação de um “território livre”, na área próxima ao Pacífico, a Miskitia, onde habitam os índios misquitos, que chegaram a ser cooptados inicialmente pela propaganda da contrarrevolução.


Há mais de dois mil e quinhentos anos, Esopo deixou como ensinamento em uma de suas fábulas que “a infelicidade de uns é fonte de sabedoria para outros”. Engane-se quem quiser, alertou recentemente Fidel, o objetivo da campanha de agressão à Líbia é claro e único: o assalto às riquezas petrolíferas do país.


A verdade da Líbia não fala – nem nunca falará - pela boca da mídia venal.


* Leonardo Wexell Severo é jornalista do jornal Hora do Povo e integra o Conselho Consultivo do Centro de Estudos de Mídia Barão de Itararé. - Via Blog do Miro

19 agosto 2011

Participa RS foi um sucesso!!!


Mais de 1 milhão de gaúchos participam na Votação de Prioridades

Porto Alegre/RS - O Governo do Estado apresentou, na manhã desta quinta-feira (18), os números gerais da Votação de Prioridades, ferramenta de participação popular que permite aos cidadãos incidir diretamente sobre a aplicação dos recursos para o Orçamento do Estado para 2012. Através de votação presencial e pela internet, um total de 1.134.141 gaúchos apontaram as suas prioridades regionais. O número representa quase 15% da população do Estado.

O governador Tarso Genro saudou os resultados obtidos pela consulta, destacando o desafio do Estado em criar e estimular novas formas de participação. "À medida em que aumenta a população e a fragmentação social, cabe ao estado apreender e implementar o que vem sendo construído no mundo em termos de participação", disse.

Ambiente virtual

Tarso reafirmou a disposição de tornar o Rio Grande do Sul um exemplo internacional nos processos de participação, lançando mão das ferramentas tradicionais, mas também dedicando especial atenção ao ambiente virtual. "Se as redes sociais não forem observadas como elementos democratizantes, estas poderão se tornar elementos de desconstituição das relações do estado com a sociedade", alertou. A apuração das prioridades recebeu 135.996 votos pela internet.

O secretário do Planejamento, João Motta, relembrou o conjunto de debates e audiências que precederam a votação, destacando as cidades com maior participação: Porto Alegre (23.728), Alvorada (22.378) e Carazinho (21.319). Pela internet, a maior participação veio da cidade de Pelotas (5.814), seguido de Porto Alegre (3.428) e Caxias do Sul (3.392).

Até o final da semana, a Secretaria de Planejamento, Gestão e Participação Cidadã, apresentará um ranking das prioridades mais votadas pela população.

***
14% dos eleitores gaúchos participaram do processo

A participação de 1,13 milhão de gaúchos na Votação de Prioridades do Orçamento Estadual 2012 é equivalente a 14% do total de eleitores do estado. Um número classificado como "espetacular" pelo Governador Tarso Genro, durante anúncio da totalização da apuração, na manhã desta quinta (18).

De acordo com estudiosos do tema da participação, este percentual é considerado altamente significativo. "Esses valores de participação que atingimos são muito expressivos, eu diria até surpreendentes. O interesse do povo gaúcho neste tema é muito grande, considerando que é um processo facultativo e para definições que não estão relacionadas a eleições de fato", avalia Pedro Bandeira, doutor em Ciência Política e professor da Faculdade de Ciências Econômicas da UFRGS. Bandeira pesquisa os sistemas de representação e articulação regionais.

Para o Secretário do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã, João Motta, a adesão da população gaúcha ao processo demonstra "o fortalecimento da relação do Governo do Estado com os municípios". O governador Tarso Genro também observou que a atuação dos Coredes é reconhecida como fundamental na construção do Sistema de Participação Popular e Cidadã.

Três municípios tiveram mais de 70% do eleitorado participante

Entre os números que chamam a atenção na totalização da Votação de Prioridades, estão três municípios que tiveram mais de 70% do eleitorado participando do processo. Todos ficam na região do Corede Médio Alto Uruguai:

Pinheirinho do Vale - 85,59%

Taquaruçu do Sul - 79,1%

Vista Alegre - 71,1%

Pela internet, os municípios que tiveram o maior percentual de votação eletrônica foram:

Picada Café (Hortênsias) - 47%

André da Rocha (Campos de Cima da Serra) - 40,78%

Ipê (Campos de Cima da Serra) - 25,77%

Entre os projetos mais votados nas 28 regiões dos Conselhos Regionais de Desenvolvimento (Coredes), as áreas predominantes são para investimento em Saúde, Educação e Segurança. A definição dos projetos que receberão recursos do Orçamento 2012 passa agora por uma análise técnica, que considera o valor total de verba para cada região, e o valor necessário para a execução de cada projeto. O número de votos por projeto será divulgado nesta sexta (19).

18 agosto 2011

Reforma Política


Deputado Henrique Fontana, relator da reforma política na Câmara, vê exaustão do sistema eleitoral

Porto Alegre/RS - Sul 21 -  O relator da Comissão de Reforma Política da Câmara, Henrique Fontana (PT-RS), apresentou nesta quarta-feira (17) as conclusões de seu trabalho. O deputado elaborou um anteprojeto que altera o sistema de eleições proporcionais e institui o financiamento público de campanha, além de quatro propostas de emenda à Constituição, que alteram questões mais pontuais, como a suplência do Senado. Fontana diz confiar no avanço da reforma política, uma vez que a população estaria sentindo “os sinais de exaustão” do atual sistema eleitoral.

“Eu destaco o financiamento exclusivamente público de campanha, considero a mudança mais estrutural, porque hoje temos uma democracia cada vez mais pautada pelo poder econômico”, afirma Fontana ao Sul21. Quanto ao sistema das eleições proporcionais, Fontana estabeleceu que o eleitor votará duas vezes para cada cargo – um voto em uma sigla e outro em um candidato. Metade das cadeiras conquistadas por cada partido será de acordo com a lista partidária e metade para os candidatos mais votados.

O relatório de Fontana será discutido pela comissão e deverá ser votado em, no máximo, três semanas. Em seguida, vai para votação no plenário da Câmara. Entretanto, mesmo que as propostas sejam aprovadas, ainda haverá o trabalho de concatenar as mudanças do Senado e da Câmara. Ainda assim, Fontana se diz confiante de que a reforma saia do papel. “Minha expectativa é bastante grande. A sociedade quer um sistema político melhor que o atual, ela sente os sinais de exaustão deste sistema”.
O deputado destacou também que para as alterações mais importantes não é preciso mudar a Constituição. Assim, o anteprojeto principal precisa apenas de maioria simples no plenário, não de dois terços de aprovação. (...)
-Clique Aqui para ler a íntegra da postagem, assinada por Felipe Prestes, do sítio Sul 21.

17 agosto 2011

Mendes Ribeiro Filho


Mendes Ribeiro Filho  é o  favorito do PMDB para o lugar de Rossi no Ministério da Agricultura

Brasília - R7 - O nome do líder do governo no Congresso, deputado Mendes Ribeiro Filho (PMDB-RS), é apontado como favorito para o lugar de Wagner Rossi no Ministério da Agricultura. O nome foi confirmado por lideranças do PMDB que se encontram reunidas com o vice-presidente Michel Temer para discutir a sucessão de Rossi, que pediu demissão no final da tarde desta quarta-feira (17).

Caso o PMDB bata o martelo pelo nome de Mendes, essa escolha teria de ser levada à presidente Dilma Rousseff. Mendes não tem experiência na área de agricultura. No entanto, tem a simpatia de Dilma. Foi um dos únicos peemedebistas a fazer campanha pra ela no Rio Grande do Sul.

Fonte: http://noticias.r7.com/

16 agosto 2011

Porto Alegre 2012


Raul Pont admite concorrer novamente à prefeitura de Porto Alegre

O vereador Adeli Sell, Presidente do PT da capital gaúcha,  também já manifestou sua disposição em disputar a indicação do partido

Porto Alegre/RS - RS Urgente - “Não se trata de arrogância ou hegemonia. Seria um brutal retrocesso não ter candidato em Porto Alegre em 2012”. A frase é do deputado estadual Raul Pont (PT) que, durante reunião da executiva municipal do PT de Porto Alegre na última segunda-feira, colocou seu nome à disposição do partido para a construção de uma candidatura de consenso à prefeitura da capital nas eleições do ano que vem. Para o ex-prefeito da capital gaúcha, cabe ao PT a tarefa de construir um nome de consenso. “Criamos a tese, cabe a nós agora apresentar alternativas e meu nome está à disposição para esta construção. Não podemos recusar dirigir esta cidade”, acrescentou.

No início de agosto, o PT da capital aprovou uma resolução sobre as eleições 2012. Além da continuidade ao debate da Carta a Porto Alegre, a resolução anuncia que o partido buscará, entre outras coisas, “a unidade partidária, através de um processo de debate e diálogo internos, para construir a nossa candidatura à prefeitura de Porto Alegre de maneira consensual, evitando a realização de prévias.”

O atual presidente do PT de Porto Alegre, vereador Adeli Sell, também já manifestou sua disposição em disputar a indicação do partido para a eleição municipal de 2012. (Por Marco Weissheimer, do Blog RS Urgente).

Fonte: http://rsurgente.opsblog.org/    - Edição final  e grifos deste blog

14 agosto 2011

Concerto de Aranjuez


* Concierto de Aranjuez - Parte 1 - de Joaquín Rodrigo, com Paco de Lucía

Revolta popular na Inglaterra


Não foi o Twitter que causou a insatisfação popular 

                Por Cristina Rodrigues*

Apesar da intensa cobertura da onda de violência na Inglaterra – o vespertino gratuito Evening Standard dedicou 20 de suas 52 páginas às manifestações na terça-feira (9) –, os jornais parecem simplesmente não querer falar sobre suas causas, como se ocorressem por geração espontânea. Dos jornais locais, destaca-se pela qualidade e extensão da cobertura o The Guardian, que atualizou o site com informações recentes ao longo de todo o tempo. O excesso de informações desnorteia um pouco, e torna-se difícil filtrar e acessar conteúdo realmente útil, mas o interessante é que, além das notícias fresquinhas e factuais que vinham pelo minuto a minuto ou pelas matérias constantes, publicou uma série de artigos tentando analisar o que estava acontecendo. O jornal exerce não apenas o papel de produtor de notícia, mas também de filtro, já que seleciona entre as muitas informações circulando na internet as que são relevantes e verdadeiras. É o desafio do jornalismo atual, que teve mais uma prova durante os últimos dias em Londres.

Twitter, Facebook, celulares e outras tecnologias mais uma vez foram protagonistas, como já tinha acontecido durante a Primavera Árabe – especialmente no Egito – e nas manifestações dos “indignados” na Espanha, entre outros. Em 1968, os estudantes imprimiam jornais e distribuíam panfletos para organizar sua mobilização. Sem querer comparar o conteúdo político e social, mas apenas o meio de organização, agora os jovens usam a internet e os celulares. É o meio de que dispõem e que facilita a concentração de muito mais gente em muito menos tempo. A revolução, quando ela acontece, ou os protestos e a violência, não são feitos pelas redes sociais, mas elas são usadas como instrumento de mobilização. Nos anos 1990, nos comunicávamos por telefone. Agora, os meios multiplicaram-se, mas continuamos sendo nós a decidir o que fazer, com quem falar e qual o conteúdo de cada ação. Não foi o Twitter que causou a insatisfação popular, e adotar esse tipo de afirmação é partir para uma análise extremamente simplista da sociedade. (...)
-Leia a postagem, na íntegra, Clicando Aqui

*Jornalista, Editora do Blog Somos Andando

11 agosto 2011

Participa RS!!!



Votação de Prioridades teve 135 mil votos pela internet

Porto Alegre/RS - A Votação de Prioridades do Orçamento Estadual 2012 alcançou uma expressiva participação pela internet. Através da mobilização nas redes sociais, foram totalizados 135.996 votos em todas as regiões do estado. As Regiões Sul e da Serra foram as que registraram o maior número de votos: 15.141 na primeira, e 13.670 na segunda. A cidade campeã de votos on-line foi Pelotas, que teve 5.814 eleitores pela internet na Votação de Prioridades.

"A mobilização foi intensa e a participação muito significativa. Precisamos considerar vários fatores: a mudança do processo, da identidade visual, um período curto de divulgação e a característica de um governo que está começando o seu trabalho. Estamos aprendendo com todos os processos, mas acreditamos que este primeiro processo de votação sinaliza a retomada da legitimidade da participação popular", avalia o diretor do Departamento de Participação Cidadã, Davi Schmidt.


A apuração da votação presencial, em cédulas de papel, iniciou na noite desta quarta (10), mas ainda não apresenta números consolidados. A previsão é de que até esta sexta (12), seja divulgada uma estimativa de votos nas urnas espalhadas pelo estado.

No total, estavam em votação 442 projetos para definir prioridades de investimento nas 28 regiões dos Conselhos Regionais de Desenvolvimento (Coredes). São R$ 165 milhões distribuídos pelo Governo do Estado em recursos para a Votação de Prioridades do Orçamento Estadual 2012.

09 agosto 2011

Em votação as prioridades dos gaúchos


'Participa RS' ocorre nesta quarta-feira

Votação de Prioridades: simulação de voto pela internet é apresentada à equipe do Planejamento

A equipe da Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã assistiu na tarde desta terça (9) a uma simulação da Votação de Prioridades pela internet. O sistema, desenvolvido pela Procergs, foi apresentado pelos assessores do Departamento de Participação Cidadã, Paulo Augusto Coelho de Souza e Dionifer Silveira. Além dos campos de votação, é possível rever as cédulas com a relação do projetos de cada região, e acessar a listagem dos locais onde estão instaladas as urnas para o processo presencial.

Para votar pela internet, o eleitor precisa preencher os campos de carteira de identidade e título eleitoral. O número do título é preenchido de forma automática com o preenchimento do nome completo do eleitor. Podem ser votados os projetos cadastrados para a região de domicílio eleitoral.

A votação acontece nesta quarta (10) em todo o Rio Grande do Sul, das 8h às 24h, na internet, por meio do Portal da Participação www.participa.rs.gov.br e, das 8h às 21h, nas 12 mil urnas de lona e papelão. No total, as 28 regiões dos Conselhos Regionais de Desenvolvimento (Coredes), apresentam 442 projetos para a eleição. O processo que substitui a Consulta Popular e incorpora elementos do Orçamento Participativo, está inserido no Sistema de Participação Popular e Cidadã, que já realizou o Plano Plurianual (PPA) Participativo neste ano.

As cédulas de cada região, com a listagem completa dos projetos, já estão disponíveis na internet, no endereço do Portal da Participação http://www.participa.rs.gov.br/ . A relação pode apresentar no mínimo 10 e no máximo 20 projetos, que no total de R$165 milhões na Votação de Prioridades, serão distribuídos em recursos orçamentários do próximo ano.
Durante toda esta quarta, a Procergs vai manter um plantão de monitoramento com capacidade de captar possíveis fraudes por meio da votação eletrônica.
...

*Saiba mais como votar  acessando o sítio http://www.participa.rs.gov.br/

Foto: Secretário do Planejamento, João Motta, e diretor de Participação Cidadã, Davi Schmidt, conheceram abertura da página de votação (foto Carine Prevedello). Fonte: http://www.seplag.rs.gov.br/ 

A CUT na luta, sempre!


A CUT mobilizada

CUT realiza mobilização e pressão sobre o Congresso, o governo federal e o TST nesta quarta, 10 de agosto, em Brasília

Nesta quarta, 10 de agosto, a CUT (Central Única dos Trabalhadores) realiza uma mobilização em Brasília com o objetivo de pressionar o governo federal, o Congresso Nacional e a Justiça do Trabalho a encaminhar e aprovar matérias do interesse da classe trabalhadora.

Centenas de dirigentes sindicais de todas as categorias, setores econômicos e regiões do País estão na cidade e vão realizar audiências e panfletagens nos gabinetes e corredores da Câmara e do Senado, vão entregar a pauta de reivindicações para representantes do governo Dilma e vão realizar audiência com os ministros do TST.
-Clique Aqui para ver a programação da mobilização da CUT.

Foto: Artur Henrique, Presidente Nacional da CUT

08 agosto 2011

As finanças do RS


O parecer do TCE e o desafio das contas públicas


As recomendações feitas ao Governo pelo Tribunal de Contas (TCE), por ocasião da análise do exercício de 2010, decorrem dos problemas estruturais do Rio Grande do Sul. A falta de recursos para aplicação suficiente em saúde e educação está relacionada a essa situação, tendo também como reflexo a insuficiência de verbas para a segurança e outras áreas que o Estado historicamente se propõe a atender.

Já é de longa data que o TCE ressalva tais pontos para a aprovação das contas dos governadores. E, dada a sua magnitude, não se pode estabelecer ou exigir uma solução de um ano para outro - é preciso que se atue nas causas que levaram a esse quadro. O governador Tarso Genro vem mostrando disposição em enfrentar os problemas e encaminhar soluções, também estruturais, em prazo factível. Mostrou que buscará a aplicação dos percentuais mínimos já no início do ano, quando elevou a remuneração do magistério e deu um passou em direção ao piso nacional.

A elevada distância entre o valor constitucional e os atuais níveis de aplicação é um desafio a ser vencido, pois representa volume de recursos que o Estado ainda não dispõe e a sua simples realocação não é possível. Isso afetaria outras áreas deficientes e que precisam ser igualmente recuperadas para melhorar a qualidade dos serviços públicos - e sequer seria suficiente para resolver a situação.

Recentemente, o Governo iniciou o programa de sustentabilidade com a aprovação da Assembleia Legislativa. Na intenção de buscar uma solução para o futuro, criou um fundo de capitalização para a Previdência e tomou providências que permitem um mínimo de planejamento. Potencializamos ações em parceria com o Governo Federal e buscamos recursos de financiamentos para sustentação dos investimentos. Além disso, estamos apostando em um sistema de desenvolvimento econômico articulando iniciativa privada e diversas esferas de Governo.

Estas iniciativas nos permitem criar um cenário estruturado para as contas estaduais a partir de novas fontes para financiar as políticas sociais e investimentos no crescimento da economia gaúcha. Sem isto, o Estado se limitará à educação, saúde e segurança, com mínimo espaço orçamentário para as demais políticas em áreas que historicamente temos participação como agricultura, assistência social e cultura, entre outros - restando somente a busca de recursos em convênios com áreas afins com o Governo Federal.

*Odir Tonollier (foto) é Secretário de Estado da Fazenda - RS


*Por Odir Tonollier